=igualdades

No Brasil, um quilo de cebola compra o quádruplo de açúcar que na Índia

Amanda Gorziza e Renata Buono
04jun2021_17h45

Em geral, o Brasil tem preços de alimentos mais baixos. Uma das exceções é a cebola, que custa 38% acima da média entre os 95 países pesquisados. Com o que se paga por 1 kg desse legume, US$ 1,89, um brasileiro compra 2,9 kg de açúcar. Na Índia, o quilo de cebola custa US$ 0,48 e com esse dinheiro não dá para comprar nem 1 kg de açúcar. Os dados são do site GlobalProductPrices.com, que rastreia os preços de varejo dos mais variados produtos nos países.

O Brasil ocupa a 18º posição no ranking do preço da cebola. Em 1º lugar, está Gana, onde o quilo custa US$ 4,30. Já no Uzbequistão, a cebola custa apenas US$ 0,16.

*Nota metodológica: o preço dos produtos pode variar em função da taxa de conversão para o dólar norte-americano; aqui foi usada a conversão pelo dia 25 de maio. 

Fonte: GlobalProductPrices.com

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

Matemática que multiplica horas e projetos

Universitário do interior de Alagoas conta como realizou o sonho de conquistar medalhas em olimpíadas científicas e hoje incentiva outros jovens a participar dos concursos

O fim do dinheiro no país dos pixelados

Com o Pix a pleno vapor, cai a circulação de papel-moeda e bancos fecham cada vez mais agências; economia digital, no entanto, ainda exclui parte dos brasileiros

No rastro da Covaxin

Assim como a PF, a piauí vem investigando a Precisa Medicamentos e o escândalo da vacina indiana. Para entender melhor o caso, confira o roteiro do que já publicamos

Foro de Teresina #168: Bolsonaro janta os salvadores da pátria

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quando a cruz vira espada

Seguindo o manual dos autocratas, Bolsonaro apela à radicalização religiosa para dividir o país e corroer ainda mais a democracia

A ferida aberta do Itamaraty

Homenagem feita por jovens diplomatas a José Jobim, morto pela ditadura, constrange o governo e reaviva o caso, até hoje não esclarecido

Bolsonaro não aceita imitação

Presidente sofre assédio de veteranos da velha política que prometem salvá-lo de si próprio

Mais textos