Igualdades

No tempo dos papas viajantes

Edison Veiga e Renata Buono
16dez2019_06h11

Foi-se o tempo em que ser papa era ficar encastelado no Vaticano. Paulo VI (1897-1978) foi o primeiro pontífice a andar de avião, em 4 de janeiro de 1964, e inaugurou o que o Vaticano chama de viagens papais da era moderna. Ganhou o apelido de “o papa peregrino”. Mas nenhum papa rodou tanto o mundo como João Paulo II (1920-2005). Pelo tempo de pontificado, porém, Francisco, o 266º papa, já bateu o polonês em número de viagens anuais. Paulo VI e João Paulo II foram os únicos papas, até agora, que já pisaram em todos os cinco continentes. 

Os 262 papas que antecederam Paulo VI não tinham as viagens em sua rotina. Em outubro de 1962, João XXIII causou espanto ao sair do Vaticano e percorrer de trem os menos de 200 km entre Roma e Assis. Paulo VI foi o primeiro a andar de avião e, depois dele, João Paulo II, Bento XVI e Francisco também se tornaram papas viajantes.

Considerando a duração do pontificado, Francisco é o papa que mais viaja. Desde 2013, quando assumiu o posto, fez 8,35 viagens por ano de pontificado. Papa por 26 anos, João Paulo II tem a segunda maior média, 7,7 viagens por ano. Depois estão Bento XVI, com 6,7, Paulo VI, com 1,5 viagem por ano de pontificado.

Em número absoluto de países visitados e dias fora do Vaticano, João Paulo II, porém, é imbatível até agora. Em 26 anos de pontificado, visitou 132 países. Francisco é o segundo: foi a 49 países; Bento XVI esteve em 25 países, e Paulo VI, em 19.

Excluindo a Itália, os países mais vezes visitados por um papa são Polônia e Estados Unidos. Terra natal de João Paulo II, a Polônia foi visitada 9 vezes por ele, 1 por seu sucessor, Bento XVI e 1 por Francisco. Já os Estados Unidos foram visitados 1 vez por Paulo VI, 7 por João Paulo II e 1 por cada um dos dois últimos papas.

João Paulo II foi o primeiro papa a pisar no Brasil – em 30 de junho de 1980. Ele voltaria outras 3 vezes – em 1 delas, ficaria apenas algumas horas, sem sair do aeroporto. Depois dele, o país foi visitado 1 vez por Bento XVI e 1 por Francisco.

A proporção de católicos apostólicos romanos no Brasil vem caindo de modo significativo nos últimos anos. Em 1970, os católicos eram 91,8% da população; em 2010, já haviam caído para 64,6% da população.

Depois da Europa, destino de 108 viagens dos quatro papas viajantes, a América é o continente mais visitado pelos pontífices: eles pisaram 71 vezes em países americanos. Depois vem a África, cujos países foram visitados 65 vezes. Países asiáticos foram destino de 42 viagens; da Oceania, 9.

Fontes: Vaticano; IBGE.

Nota metodológica: João Paulo I não foi incluído porque só ficou 33 dias no cargo.

Edison Veiga (siga @edisonveiga no Twitter)

É jornalista e escritor, mora em Bled (Eslovênia)

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

8

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

9

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

10

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução