Igualdades

No tempo dos papas viajantes

Edison Veiga e Renata Buono
16dez2019_06h11

Foi-se o tempo em que ser papa era ficar encastelado no Vaticano. Paulo VI (1897-1978) foi o primeiro pontífice a andar de avião, em 4 de janeiro de 1964, e inaugurou o que o Vaticano chama de viagens papais da era moderna. Ganhou o apelido de “o papa peregrino”. Mas nenhum papa rodou tanto o mundo como João Paulo II (1920-2005). Pelo tempo de pontificado, porém, Francisco, o 266º papa, já bateu o polonês em número de viagens anuais. Paulo VI e João Paulo II foram os únicos papas, até agora, que já pisaram em todos os cinco continentes. 

Os 262 papas que antecederam Paulo VI não tinham as viagens em sua rotina. Em outubro de 1962, João XXIII causou espanto ao sair do Vaticano e percorrer de trem os menos de 200 km entre Roma e Assis. Paulo VI foi o primeiro a andar de avião e, depois dele, João Paulo II, Bento XVI e Francisco também se tornaram papas viajantes.

Considerando a duração do pontificado, Francisco é o papa que mais viaja. Desde 2013, quando assumiu o posto, fez 8,35 viagens por ano de pontificado. Papa por 26 anos, João Paulo II tem a segunda maior média, 7,7 viagens por ano. Depois estão Bento XVI, com 6,7, Paulo VI, com 1,5 viagem por ano de pontificado.

Em número absoluto de países visitados e dias fora do Vaticano, João Paulo II, porém, é imbatível até agora. Em 26 anos de pontificado, visitou 132 países. Francisco é o segundo: foi a 49 países; Bento XVI esteve em 25 países, e Paulo VI, em 19.

Excluindo a Itália, os países mais vezes visitados por um papa são Polônia e Estados Unidos. Terra natal de João Paulo II, a Polônia foi visitada 9 vezes por ele, 1 por seu sucessor, Bento XVI e 1 por Francisco. Já os Estados Unidos foram visitados 1 vez por Paulo VI, 7 por João Paulo II e 1 por cada um dos dois últimos papas.

João Paulo II foi o primeiro papa a pisar no Brasil – em 30 de junho de 1980. Ele voltaria outras 3 vezes – em 1 delas, ficaria apenas algumas horas, sem sair do aeroporto. Depois dele, o país foi visitado 1 vez por Bento XVI e 1 por Francisco.

A proporção de católicos apostólicos romanos no Brasil vem caindo de modo significativo nos últimos anos. Em 1970, os católicos eram 91,8% da população; em 2010, já haviam caído para 64,6% da população.

Depois da Europa, destino de 108 viagens dos quatro papas viajantes, a América é o continente mais visitado pelos pontífices: eles pisaram 71 vezes em países americanos. Depois vem a África, cujos países foram visitados 65 vezes. Países asiáticos foram destino de 42 viagens; da Oceania, 9.

Fontes: Vaticano; IBGE.

Nota metodológica: João Paulo I não foi incluído porque só ficou 33 dias no cargo.

Edison Veiga (siga @edisonveiga no Twitter)

É jornalista e escritor, mora em Bled (Eslovênia)

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Quem ri com Bolsonaro

Na porta do Alvorada, empresário apoia agressão a jornalista; nas redes, estratégia bolsonarista amplia alcance de ataques

Seguro sinistro

Despachante de "associações de proteção" oferece prêmio a policiais para recuperar carros roubados no Rio

Foro de Teresina #89: As mentiras de Bolsonaro, a caserna no Planalto e os tiros contra Cid Gomes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

Greve, motim e chantagem pelo poder

Bolsonaro usa demandas dos policiais para enfraquecer governadores, em especial os de oposição

“A jornalistas, oferecem dinheiro ou chumbo”

Repórter reconstitui assassinato do jornalista Léo Veras e lembra rotina de violência do narcotráfico na região

O Farol – fantasia extravagante 

Escassez de opções e presença de Willem Dafoe levam colunista a cair no conto do “horror cósmico com toques sobrenaturais”

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem

Maria Vai Com as Outras #1: A necessidade faz o sapo pular

A camelô Maria de Lourdes e a costureira Alessandra Reis falam da rotina como profissionais autônomas num mercado informal: o das calçadas do Centro do Rio e o da Marquês de Sapucaí

Mais textos
1

Greve, motim e chantagem pelo poder

Bolsonaro usa demandas dos policiais para enfraquecer governadores, em especial os de oposição

2

Quem ri com Bolsonaro

Na porta do Alvorada, empresário apoia agressão a jornalista; nas redes, estratégia bolsonarista amplia alcance de ataques

3

A pensão de 107 anos

Herdeiros de servidor público receberam legalmente benefício da Previdência de 1912 a 2019 – atravessando nove moedas e trinta presidentes brasileiros

5

Laudos, versões e milícia

Documentos e imagens da casa onde miliciano Adriano da Nóbrega foi morto contradizem relato de policiais sobre operação

6

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

7

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem

8

Seguro sinistro

Despachante de "associações de proteção" oferece prêmio a policiais para recuperar carros roubados no Rio

9

Foro de Teresina #89: As mentiras de Bolsonaro, a caserna no Planalto e os tiros contra Cid Gomes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

10

“A jornalistas, oferecem dinheiro ou chumbo”

Repórter reconstitui assassinato do jornalista Léo Veras e lembra rotina de violência do narcotráfico na região