=igualdades

Nos últimos vinte anos, cresceu a elite do funcionalismo no governo federal

Luigi Mazza e Renata Buono
30out2020_18h42

O funcionalismo do governo federal mudou de figura desde o começo dos anos 2000. Levando em conta todos os servidores comissionados do Executivo, o que se viu foi um enxugamento dos cargos de baixo escalão e um aumento na proporção de cargos médios e altos. Ou seja, as funções de menor salário foram, aos poucos, perdendo espaço para funções mais bem pagas. Com isso, a burocracia federal encareceu.

No ano de 2000, os cargos comissionados de nível 1 e 2, que pagam os menores salários do funcionalismo, abarcavam 12 a cada 20 servidores. Mas base dessa pirâmide foi encolhendo com o passar dos anos. Em 2019, o baixo escalão já respondia por apenas 8 a cada 20 servidores. Os cargos médios, por sua vez, passaram de 7 para 10 a cada 20 comissionados. E o topo da pirâmide também engordou: se antes os cargos de nível 5 e 6, que pagam os salários mais robustos, tinham apenas 1 a cada 20 servidores, eles passaram a ter 2 a cada 20.

A maioria desses servidores está alocada em apenas dois ministérios: o da Educação e o da Economia. Juntos, eles concentram 16,9 mil cargos comissionados – mais da metade dos 32,1 mil cargos desse tipo existentes hoje no governo federal. Os demais estão distribuídos entre os outros ministérios, a Presidência da República e autarquias.

Fonte: Escola Nacional de Administração Pública (Enap), via Lei de Acesso à Informação; Painel Estatístico de Pessoal (PEP).



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas Mais Lidas

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Parente é serpente, visse!

Disputa ferrenha no Recife expõe influência da viúva de Eduardo Campos na campanha do filho João; aliança pró-Marília Arraes reúne de Lula a figuras próximas do bolsonarismo

A morte de um cinema de rua

Empresário que administrou por dez anos o Cine Joia, em Copacabana, relata crise que levou o cinema a fechar as portas após oito meses de pandemia

Assassinato no supermercado

Inépcia e inoperância do governo federal desautorizam expectativas favoráveis em qualquer frente - inclusive no audiovisual

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

Mais textos