Igualdades

O país onde ser negro ou mulher é comorbidade

Hellen Guimarães e Renata Buono
04out2021_10h09

O abismo entre as classes sociais no Brasil fez com que a pandemia atingisse em cheio os mais pobres. Mas, não bastasse isso, a chance de um brasileiro sobreviver à Covid-19 esteve atrelada, desde o começo, a seu gênero e sua raça. É o que demonstra um estudo da Rede de Pesquisa Solidária, baseado em dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde sobre os óbitos por Covid registrados em 2020. Os pesquisadores analisaram as informações de vítimas que tinham profissão registrada no cadastro do SUS. Com isso, apuraram quantos profissionais de cada área morreram na pandemia, mas também quem eram essas pessoas – se eram homens, mulheres, brancos ou negros. O resultado mostrou que, entre grupos menos privilegiados, o risco de morrer de Covid-19 é quase sempre maior do que entre homens brancos. Os homens negros, por exemplo, têm mais risco de morrer não só em profissões de menor remuneração, que geralmente sofrem com maior exposição ao vírus, mas também em carreiras que exigem diploma universitário. As mulheres negras têm risco de morte maior do que homens brancos em todas as profissões que compõem a base da pirâmide social. Confira no =igualdades.

Em números absolutos, o setor de Comércio e Serviços foi o que teve a maior quantidade de trabalhadores vitimados pela Covid-19 no Brasil. Ao todo, foram 6.420 mortos, quase o dobro das outras duas áreas com mais vítimas da doença. A Agricultura perdeu 3.384 trabalhadores, enquanto o setor de Transportes registrou 3.367 mortes pelo coronavírus.

Entre as 29 ocupações listadas pelo estudo, os líderes religiosos tiveram o maior percentual de mortes causadas pela Covid-19. De todos os registros de óbitos de pessoas que ocupam essa função, 44% ocorreram em decorrência da doença. A taxa é quase o dobro daquela verificada entre profissionais de Segurança (25,4%) e Saúde (24%).

Em média, profissionais negros do topo do mercado de trabalho têm risco 45% maior de morrer de Covid-19 que os homens brancos nas mesmas funções. Entre engenheiros, arquitetos e outros profissionais de nível superior, a chance é 44% maior. Entre advogados, os homens negros têm probabilidade 43% maior de vir a óbito que os homens brancos infectados pelo coronavírus. Para profissionais da comunicação, o risco é 45% maior e, finalmente, entre contadores ou administradores, 49%.

Mulheres negras têm mais que o dobro de risco de morrer de Covid-19 que homens brancos que atuam como alimentadores da linha de produção: 146%. Para mulheres brancas, o risco é quase o dobro (95%), e, para homens negros, é 67% maior. O estudo aponta dois fatores principais para essas diferenças. Uma delas é o modo de inserção no mercado de trabalho, que tende a ser mais precário para mulheres em relação aos homens e para negros em relação a brancos, seja pelo tipo de vínculo (formal ou informal) ou pela estrutura do estabelecimento onde atuam. A outra é a desigualdade de acesso a recursos que se somam a fatores ambientais, como saúde, transporte, moradia e alimentação.

Mulheres brancas que atuam como agentes de saúde ou do meio ambiente estão quase três vezes mais sujeitas a morrer de Covid-19 que homens brancos na mesma função. O risco enfrentado por elas é 172% maior que o deles, a maior diferença verificada pelo estudo em todas as ocupações listadas. Homens negros não ficam muito atrás: para eles, o risco é 146% maior que o dos brancos.

A construção civil, tida muitas vezes como uma área majoritariamente masculina, expõe mais as mulheres negras à Covid-19. Elas têm o dobro de risco de morrer em virtude da doença se comparadas aos homens brancos na mesma função: a chance é 101% maior. Para homens negros, a probabilidade é 28% maior.

As mulheres estão muito mais suscetíveis ao perigo da Covid-19 que os homens que atuam como garis. Entre os trabalhadores da limpeza urbana, as mais afetadas pela doença são as mulheres brancas, com risco 130% maior de óbito por coronavírus que os homens brancos. Para as mulheres negras, a chance de falecer em virtude da doença é 75% maior que a deles.

Nota metodológica: Os pesquisadores da Rede de Pesquisa Solidária utilizaram, no estudo que originou este =igualdades, dados extraídos do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde para o ano de 2020. No total, foram registrados 1.560.088 óbitos, sendo 206.646 (13,2%) por Covid-19. Do total de mortos, foram considerados aqueles com ocupação reportada, para indivíduos entre 18 e 65 anos, que somam 67.536 casos (32,7% do total de óbitos por Covid-19).

Para calcular as chances de óbito por Covid-19 para cada uma das categorias ocupacionais conforme os marcadores sociais de gênero e raça, foram aplicados modelos estatísticos chamados “regressões logísticas”, detalhados aqui. A ideia é comparar proporções cruzando as causas (Covid ou não Covid) com os grupos sociais (homens brancos x homens negros/mulheres brancas/mulheres negras) dentro de cada profissão.

Hellen Guimarães (siga @HellenGuimaraes no Twitter)

Repórter da piauí. Trabalhou em O Globo, Extra, Época e Agência Lupa

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Sem Lei Rouanet para escritores da favela

No aniversário de dez anos da Flup – a Festa Literária das Periferias –, idealizador do evento relata como governo Bolsonaro tem emperrado liberação de recursos

“Pra que serve o índio?”

Numa sociedade escrava da utilidade, povos originários são exemplo de convívio harmônico com seu meio natural

Assine a piauí exclusivamente digital

É conteúdo que não acaba mais

Foro de Teresina #172: Falta comida, sobra apetite

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Insegurança contra o câncer

Falta de verba reduz produção de substâncias radioativas usadas em exames e tratamentos; atendimento cai, e fila de pacientes aumenta

Mais textos