Igualdades

O tamanho da inatividade

Marcella Ramos, Emily Almeida e Carol Cavaleiro
25fev2019_13h50

Quase metade dos 1,8 milhão de funcionários do poder público federal no Brasil são inativos. Há cerca de 803 mil aposentados, pensionistas e militares da reserva – 45% do total –, contra 998 mil servidores ativos. As figuras abaixo mostram o tamanho e o peso da inatividade no setor público, em comparações com outros setores.

 

=

Os inativos federais (civis e militares) equivalem a todos os trabalhadores da indústria têxtil…

 

 

=

… um número próximo ao dos funcionários de instituições financeiras, como bancos, corretoras e companhias de seguros.

 

 

=

O número de militares da reserva (160 mil) é equivalente ao de trabalhadores dos Correios e outras empresas de entrega.

 

 

=

Já os 643 mil funcionários públicos civis aposentados ou pensionistas são equivalentes a 21 vezes o total de empregados da Ambev no Brasil, a maior empresa de bebidas do país.

 

 

=

O INSS, órgão público que paga as aposentadorias, tem 81 mil funcionários ativos e inativos. É o mesmo número de empregados do maior grupo varejista do país, o Carrefour.

 

 

=

Com 216 mil funcionários inativos, dos quais 160 mil são militares da reserva, o Ministério da Defesa é o que tem maior número de servidores nessa situação, à frente dos ministérios da Educação (145 mil) e da Saúde (137 mil), segundo e terceiros lugares.

 

 

=

Tanto na Educação quanto na Defesa, há duas vezes mais ativos, que sustentam os inativos do ministério. Já na Saúde, a relação entre aposentados/pensionistas e funcionários na ativa é quase equivalente – 137 mil a 101 mil.

 

 

=

A Defesa, ao qual estão vinculados os militares, é o ministério que mais gasta com inativos. Foram 48 bilhões de reais em 2018. É quase duas vezes aquilo que gastaram as pastas da Educação e da Saúde, somadas.

 

 

=

Os dois ministérios que mais gastam com pessoal têm cerca de duas vezes mais ativos do que inativos na folha de pagamento. A proporção dos custos, porém, é inversa. Enquanto a Educação gasta três vezes mais com ativos do que com inativos, a Defesa tem duas vezes mais gastos com inativos do que com os seus servidores na ativa.

*

Fontes: Painel Estatístico de Pessoal/Ministério da Economia (2019), Ministério da Defesa (2019), Relação Anual de Informações Sociais/Ministério da Economia (2017), Carrefour e Ambev. Os dados não levam em consideração os servidores do Banco Central e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

 

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Marcella Ramos é repórter e checadora de apuração da piauí

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no jornal O Globo.

Carol Cavaleiro (siga @revistapiaui no Twitter)

Carol Cavaleiro é infografista.

leia mais

Últimas Mais Lidas

O amigo oculto de Temer

Dono de empreiteira é apontado nas investigações como operador do ex-presidente

Um infográfico interativo sobre a avaliação do governo Bolsonaro

Clique nas setas para selecionar um grupo específico e conhecer os números

A vingança da Lava Jato

Após contra-ataque do Supremo, operação responde com prisão de Temer e recado a tribunal

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #43: Viagem à Trumplândia e o troca-troca pela Previdência

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

Trilogia do Luto – filme como instrumento de vingança

Cristiano Burlan expõe memórias, culpa e busca por justiça no terceiro documentário sobre mortes na família

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

5

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

6

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

8

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais

9

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

10

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão