colunistas

Onde está nossa verdade?

Documentários da era A.P. (antes da pandemia) terão de conquistar público angustiado com a Covid-19

Eduardo Escorel
07abr2021_09h02

Mesmo sem ter assistido ainda a seis dos sete filmes brasileiros selecionados para a mostra competitiva do 26º Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade, há um traço que parece comum a todos – a ausência de menção à tragédia sanitária, socioeconômica e política em curso no país.

Seria esperar demais que, nesse conjunto de filmes em competição, a partir de amanhã, 8 de abril, houvesse algum que abordasse a situação imposta pela pandemia? Em certo sentido, sim, seria descabido. Por outro lado, a ausência de temas sintonizados com a atualidade é indício de uma fragilidade do cinema documentário brasileiro que merece registro – a dificuldade de representar com presteza a crise mais grave do nosso tempo. Isso, feita a ressalva de que filmes sobre o que vem ocorrendo podem ter sido inscritos no Festival sem terem sido selecionados.

É possível supor que as produções em competição foram concebidas em 2018, ou em anos anteriores, e gravadas até 2019, antes portanto de a pandemia tomar conta do mundo. Confirma-se assim a tendência do documentário, herdada da fotografia, de “fazer réquiens”, conforme definiu o especialista em conservação Sérgio Burgi, e João Moreira Salles citou, a propósito de Canudos e da Guerra do Paraguai, na palestra Imagens em Conflito, apresentada, em 2002, na IIª Conferência Internacional do Documentário associada ao É Tudo Verdade: “Não existe nada no Brasil, com exceção de imagens do aparato militar em marcha, ou seja, o lado mais litúrgico, a pompa militar – as paradas, a tropa formada, os acampamentos, os retratos de Caxias, de Osório. O momento do fogo, da violência, não se fotografa… a cerimônia mesmo, e por cerimônia quero dizer a matança, não é fotografada” (Cinema do Real, Maria Dora Mourão e Amir Labaki, org., Cosac Naify Portátil, 2014).

A essa falha congênita se sobrepõem outras deficiências inatas: entraves burocráticos para produzir, inépcia de gestores da área cultural, escassez de recursos financeiros e público insuficiente. Fator adicional decisivo, a partir do início de 2020, é o trauma sofrido com a pandemia por produtores independentes e realizadores de cinema.

Além de conviver com o desgoverno federal desde janeiro de 2019, temos hoje mais de 14 milhões de desempregados no Brasil, expectativa de inflação em alta e de nova recessão com recuo do Produto Interno Bruto (PIB). Chegamos a 333.153 mortos em 5 de abril, com variação média do número de óbitos de +15% em comparação com o índice verificado catorze dias antes. Segundo o neurocientista Miguel Nicolelis, “estamos a poucas semanas de um ponto de não retorno na crise do coronavírus no Brasil”. Ele prevê “marcas de mais de 4 mil e até 5 mil mortes diárias em breve… e está especialmente preocupado com a possibilidade de um colapso funerário no país”. Poderemos começar “a ver corpos sendo abandonados pelas ruas, em espaços abertos”. Teremos de apelar para “o recurso terrível de usar valas comuns para enterrar centenas de pessoas simultaneamente, sem urnas funerárias, só em sacos plásticos, o que vai acelerar o processo de contaminação do solo, do lençol freático, dos alimentos, e com isso gerar uma série de outras epidemias bacterianas gravíssimas” (El País, 31 março 2021, disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2021-03-31/miguel-nicolelis-estamos-a-poucas-semanas-de-um-ponto-de-nao-retorno-na-crise-da-covid-19.html).

O cenário de horror que Nicolelis prevê deveria ser suficiente, mas é preciso não esquecer o impacto causado pela pandemia em favelas de todo o país. Segundo a pesquisa do Instituto Data Favela, realizada de 9 a 11 de fevereiro, 68% dos moradores, correspondendo a cerca de 16 milhões de pessoas, não tiveram dinheiro para comprar comida em ao menos um dia das duas semanas anteriores ao levantamento. Além disso, diminuição do número de refeições diárias, queda da renda familiar a menos de metade da que era obtida antes, maior risco sanitário e recordes de contaminação completam o drama de quem é obrigado a escolher entre o coronavírus e a fome sem conseguir evitar nenhum dos dois (ver https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2021-03/quase-70-dos-moradores-de-favelas-nao-tem-dinheiro-para-comida).

A catástrofe está em pleno curso. Enquanto isso, nos próximos dias haverá nova edição do É Tudo Verdade. Na mostra competitiva brasileira poderemos assistir, de acordo com as sinopses divulgadas no release do Festival, a sete documentários sobre temas variados, sem conexão com o tormento diário que nos aflige, a saber, o cotidiano da presidente Dilma Rousseff durante o processo de impeachment, em 2016 (Alvorada, de Anna Muylaert e Lô Politi); a história de ex-militantes que arriscaram a vida por uma causa, na década de 1970, foram presos, torturados e viraram instrumento de propaganda da ditadura militar (Os Arrependidos, de Ricardo Calil e Armando Antenore); o reencontro, 35 anos depois de terem se conhecido, do violonista argentino Lucio Yanel e seu pupilo brasileiro Yamandu Costa (Dois Tempos, de Pablo Francischelli); a luta de Edna pela terra, à beira da Rodovia Transbrasiliana, contada a partir dos seus relatos e escritos (Edna, de Eryk Rocha); as seis décadas de história do Teatro Oficina que misturam arte e vida na busca de uma linguagem verdadeiramente brasileira (Máquina do Desejo – Os 60 Anos do Teatro Oficina, de Lucas Weglinski e Joaquim Castro); Paulo César Pinheiro refletindo sobre a natureza humana e conduzindo uma viagem que evoca e envolve grandes nomes da Música Popular Brasileira (Paulo César Pinheiro – Letra e Alma, de Cleisson Vidal e Andrea Prates); a trajetória e o imaginário artístico do ator e diretor Zbigniew Ziembinski (1908-1978), precursor do teatro moderno na América Latina e mestre de gerações de atores brasileiros (Zimba, Joel Pizzini).

Lucio Yanel e Yamandu Costa – Foto: Divulgação

 

Edna, de Eryk Rocha – Foto: Divulgação

 

Zimba Ziembinski e Isabel Ribeiro – Foto: Divulgação

 

Não faço aqui nenhum juízo de valor a respeito de esses filmes, só tendo assistido a um deles, conforme escrevi acima. Constato apenas que todos se situam na era A.P. (antes da pandemia) e terão de conquistar espectadores angustiados com a Covid-19 – desafio adicional aos obstáculos usuais que mantêm documentários brasileiros distantes de público menos restrito.

Outro traço dominante na maioria dos filmes brasileiros em competição é serem rememorativos, com uma exceção evidente (Alvorada) e talvez outra a conferir. Os demais voltam seu olhar para o passado na tentativa de recuperar experiências vividas em tempos mais ou menos remotos e amenos – vertente do documentário brasileiro desde sempre, responsável por seu perfil conservador. Longe de mim pretender menosprezar a importância de fatos históricos e da memória pessoal como campos de investigação do cinema. Trata-se tão somente de assinalar o predomínio nos filmes em questão de temas relacionados a uma época anterior àquela em que os projetos foram concebidos.

A partir da próxima terça-feira, 13 de abril, poderemos conferir até que ponto minhas conjecturas têm ou não sentido, com a exibição de Alvorada seguida dos demais filmes da mostra competitiva. E será possível conferir também, caso a caso, até que ponto a articulação criativa da linguagem com o tema impede o documentário de resultar enfraquecido por sua eventual falta de sintonia com o presente.

 

Temos a celebrar a realização do 26º É Tudo Verdade em circunstâncias tão adversas. O Festival é uma proeza notável que oferece diversos atrativos até 18 de abril. Além da oportunidade de assistir a dezenas de filmes de difícil acesso, haverá homenagens a Chris Marker e Ruy Guerra. A programação completa está disponível em http://etudoverdade.com.br/_pdf/_releases/77.pdf .

*

Dia 11 de abril, domingo próximo, como sempre às 11 horas, Piero Sbragia, Juca Badaró, Vanessa Oliveira e este colunista conversam com Anna Muylaert e Lô Politi, diretoras de Alvorada, no programa #DomingoAoVivo do canal de YouTube 3 Em Cena. Alvorada estreia em 13 de abril na mostra competitiva do Festival É Tudo Verdade. O documentário acompanha, na intimidade do Palácio da Alvorada, o cotidiano da presidente Dilma Rousseff durante o impeachment, em 2016. O acesso à conversa com Muylaert e Politi, no próximo domingo, 11 de abril, no programa #DomingoAoVivo, pode ser feito através do link https://youtu.be/1lfRy_UOsg4 .

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Mais textos de Eduardo Escorel

Valores em desuso

Dois Tempos celebra amizade e afeto ao som de violões

Silêncio precioso

Documentário Os Arrependidos parece uma sentença moral condenatória dos personagens

Temas recorrentes, tragédias perenes

A Última Floresta documenta, com olhar antropológico, aldeia na terra Yanomami

Descontrole total

Documentário mostra como Trump desdenhou da Covid – inspiração seguida pelo ocupante do Planalto

Quanto é demais?

Vivemos a crônica da calamidade anunciada - e a responsabilidade final é de você sabe quem

Dentro da minha pele – “Grito imperioso de pretura em mim!”

Documentário aborda racismo estrutural impregnado nas relações familiares e de trabalho

Notturno – um feito cinematográfico admirável

Documentário de Gianfranco Rosi narra cotidiano de moradores das fronteiras de quatro países

O dia em que Godard surrupiou minha revista – a que ponto chegamos?

Diretor de Acossado chega aos 90 - e merece continuar sendo considerado o mais jovem realizador de filmes do mundo

Capitalismo criminal – a violência é o grande negócio

Documentário América Armada mostra por que situação da Colômbia tem conexões com o Brasil

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Mais textos