Igualdades

Orçamento apertado

Ana Carolina Santos, Amanda Rossi e Renata Buono
14out2019_08h00

O fosso entre os gastos das famílias mais pobres e mais ricas no Brasil é enorme. Os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) mostram que o grupo mais pobre das famílias brasileiras tem gasto médio de R$ 1.494 por mês, enquanto o grupo mais rico despende o equivalente a dezoito vezes esse valor (R$ 27.234). Em um mês, o total que uma família mais rica investe em educação é igual a todas as despesas de uma família mais pobre. Os resultados se referem a 2018. O =igualdades desta semana é sobre o consumo das famílias brasileiras.

A família média brasileira é composta por 3 pessoas e gastou R$ 4.649 por mês, no ano passado. A divisão das despesas por cada membro da família dá R$ 1.550, 10% mais que em 2007/2008.

 

As principais despesas foram com moradia (R$ 1.377), transporte (R$ 680) e alimentação (R$ 658). Também consumiram boa parte da renda os impostos e contribuições trabalhistas (R$ 379), saúde (R$ 302) e educação (R$ 176).

 

O IBGE dividiu as 70 milhões de famílias brasileiras em sete grupos de despesas, do mais pobre para o mais rico. No grupo mais pobre, o gasto médio foi de R$ 1.494 por mês. Já o grupo mais rico gastou dezoito vezes esse valor, R$ 27.234.

 

A cada domicílio do grupo mais rico, existem nove domicílios do grupo mais pobre.

 

O valor que uma família do grupo mais pobre gasta no mês inteiro, com todos os tipos de despesas, equivale ao que uma família mais rica gasta só com educação.

 

Os gastos com a casa e com alimentação comprometem mais da metade do orçamento das famílias pobres. A cada R$ 100 em despesas, R$ 39 vão para moradia e mais R$ 22 para comida, sobrando apenas R$ 39 para pagar todas as outras contas. Já entre as famílias mais ricas, a cada R$ 100 em gastos, R$ 22 vão para habitação e R$ 8 para alimentação, sobrando R$ 70.

 

Quando o assunto é saúde, as famílias mais pobres dependem do SUS e gastam, basicamente, com remédio. De cada R$ 100 com despesas de saúde, R$ 70 foram para comprar medicamentos. Já entre as famílias mais ricas, os remédios ficaram com apenas R$ 26 de cada R$ 100 em gastos com saúde – a despesa mais alta foi com plano de saúde.

 

Os gastos com roupas e sapatos das famílias mais ricas (R$ 647) superam as despesas das famílias mais pobres com moradia (R$ 585).

Fonte: Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do IBGE; dados em reais referentes a 2017/2018 atualizados pelo IGP-M (FGV).

Dados abertos: Acesse a planilha que serviu de base para a reportagem.

Ana Carolina Santos (siga @santosacarol no Twitter)

Foi estagiária de jornalismo da piauí.

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

Valores permanentes, circunstâncias efêmeras

Cinema, apesar de tudo, mas em que condições?

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Tem cloroquina?

Um balconista de farmácia conta seu dia a dia durante a pandemia

3

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

4

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

5

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

6

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Quarentena evita um bilhão de toneladas de carbono na atmosfera

Emissão de poluentes caiu 17% no mundo; no Brasil, queda chegou a 25% em 20 de março, mas regrediu a 8% no fim de abril

10

O que move a CNN Brasil

Com dois sócios que sempre estiveram ao lado do poder, a nova emissora tenta mostrar que pode ser independente