Igualdades

Os privilégios da toga

Luigi Mazza, Plínio Lopes e Renata Buono
07set2020_09h51

Num período de cinco anos, de 2014 a 2019, o Judiciário brasileiro ficou 10 bilhões de reais mais caro. No ano passado, consumiu 100 bilhões de reais dos cofres públicos – 1,5% do PIB –, dinheiro usado, sobretudo, para pagar salários. Poupados do esboço de reforma administrativa do governo federal, juízes e desembargadores têm regalias como poucos servidores. Um juiz estadual custa, em termos salariais, o mesmo que doze auxiliares de enfermagem. São 33,4 mil reais por mês, em média, mas muitos ganham mais do que isso. Mesmo na pandemia, mais da metade dos juízes estaduais com dados disponíveis recebeu pagamento acima do teto do funcionalismo, de 39,2 mil reais. Além dos salários, há os benefícios extras, como auxílio-moradia e indenização por férias não tiradas. Em 2019, esses penduricalhos custaram ao menos 415 milhões de reais ao país – o dobro do que foi gasto de cota parlamentar pela Câmara dos Deputados. Um só juiz de Minas Gerais embolsou 674 mil reais de prêmio pelas férias que não tirou. O =igualdades mostra o tamanho e os privilégios do Judiciário no Brasil.

Em 2014, o custo total do Judiciário brasileiro foi de 90,3 bilhões de reais, em valores corrigidos. Cinco anos depois, em 2019, esse valor chegou a 100,2 bilhões de reais. O dado leva em conta todas os tipos de despesa. A maior fatia vai para o pagamento de salários.

Os gastos do Brasil com o Judiciário – 100,2 bilhões de reais em 2019 – equivalem a 1,5% do PIB. Na Espanha, foram gastos 3,1 bilhão de euros com o Judiciário, o mesmo que 0,47% do PIB espanhol. Ou seja, o Judiciário brasileiro custa o triplo do espanhol, proporcionalmente.

O custo dos magistrados não é igual em todo o Brasil. O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) é o que mais gasta com juízes, levando em conta salários e outras despesas: uma média de R$ 76,8 mil por mês. Já o Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) é o que menos gasta: uma média de R$ 35,6 mil por mês por magistrado.



Um juiz dos Tribunais de Justiça estaduais recebe, em média, salário de 33,4 mil reais. É o equivalente ao que recebem, no funcionalismo estadual, 1,2 defensores públicos (27,5 mil), três oficiais de Justiça (11,3 mil reais), cinco assistentes sociais (6,7 mil) e doze auxiliares de enfermagem (2,7 mil).

Em 2019, o Judiciário brasileiro pagou ao menos 415 milhões de reais em benefícios a juízes e desembargadores, como auxílio moradia, auxílio-saúde, auxílio pré-escolar e indenização por férias não tiradas. O cálculo não leva em conta o STF e a Justiça Eleitoral. Esse dinheiro é o dobro do que os deputados federais gastaram com cota parlamentar no mesmo período (208 milhões de reais).

Em abril de 2019, um juiz do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) recebeu 674 mil reais como indenização por férias não tiradas. O valor seria suficiente para bancar os salários dos onze ministros do STF por mais de um mês.

Durante a pandemia, de março a julho de 2020, um total de 7,3 mil juízes de 20 tribunais de justiça estaduais tiveram rendimentos líquidos acima do teto salarial do funcionalismo público – atualmente de R$ 39,2 mil. Ou seja: mais da metade dos 13,5 mil magistrados com dados salariais disponíveis recebeu ao menos um pagamento com valor acima do teto.

Fontes: Conselho Nacional de Justiça (CNJ); Comissão Europeia para Eficiência da Justiça (CEPEJ); Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) 2018; Câmara dos Deputados; e Supremo Tribunal Federal.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Plínio Lopes (siga @Plluis no Twitter)

Repórter freelancer, trabalhou na Agência Lupa e é especializado em jornalismo de dados e fact-checking

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

O dilema do impeachment

Especialistas divergem sobre possibilidade legal de Trump ser condenado após terminar o mandato; no fim, decisão deve ser política

A guerra da soja

Ao responsabilizar a produção de soja pelo desmatamento da Amazônia, presidente Emmanuel Macron optou por uma mentira conveniente

A gastança amazônica dos militares

Na virada do ano, Ministério da Defesa comprou satélite de 179 milhões de reais e fechou 2020 gastando o triplo dos órgãos ambientais para monitorar a floresta

A morte e a festa

Os chilenos se preparam para criar uma nova Constituição – e um novo país

A tropa de choque ataca outra vez

Grupo que tentou livrar Eduardo Cunha da cassação agora luta para conduzir Arthur Lira à Presidência da Câmara

Mais textos
1

O Brasil e a recessão democrática

Como o cenário político global ajuda a entender a nossa crise – e vice-versa

2

Uma família de poder

A imagem reproduzida nesta página não é uma foto de família, apesar de representar quatro gerações de uma mesma família. Não foi feita para ser vista apenas por seus membros mas por um público amplo e não serviu para lembrar uma reunião de parentes, mas para passar uma clara mensagem política: a perenidade da dinastia reinante sobre a Inglaterra, então a nação mais poderosa do mundo. Tirada em 1899, às vésperas do novo século que prenunciava uma nova era, mostra a Rainha Vitória, então muito mais soberana do mundo que simplesmente rainha da Inglaterra, cujo reinado completara 62 anos, cercada por seu filho e herdeiro, o futuro Edward VII, seu neto, o futuro George V e seu bisneto, o futuro Edward VIII, cujo reinado, por oposição à sua bisavó, bateria o recorde de brevidade (apenas dez meses em 1936).

3

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

A planta inteligente

Cientistas debatem um novo modo de entender a flora

6

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

7

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

8

Romário convoca CPI para investigar a cor do cabelo de Marin

BARRACA DO PEPÊ - Decidido a colocar em pratos limpos tudo que acontece na CBF, o deputado federal Romário recolheu assinaturas para uma CPI que investigará a cor do cabelo do presidente da entidade. "Se o Marin está diante de um fundo azul, o cabelo fica acaju. Se o fundo é branco, fica tudo meio esverdeado", desconfiou o craque, enquanto fazia aquecimento para uma partida de futevôlei com Aécio Neves.

9

Hidroginástica ou morte

Desespero e amolação em sorteio de vagas no Sesc