Igualdades

Pandemia do desemprego

Luigi Mazza, Marcos Amorozo e Renata Buono
09nov2020_10h45

Há mais desempregados no Brasil do que moradores em São Paulo, a cidade mais populosa do Hemisfério Sul: 13,5 milhões. Uma fração expressiva dessas pessoas perdeu o emprego desde que o coronavírus aportou no Brasil. De março a setembro, o país fechou 897 mil vagas de trabalho. O setor de serviços e o comércio foram os mais afetados pela crise. Ao todo, foram extintas 181 mil vagas de vendedores em lojas e mercados – o dobro do número de vagas fechadas na indústria, em geral. Na Educação, 36 mil vagas de professor foram fechadas. Trabalhadores domésticos, um dos primeiros a terem o trabalho afetado pela pandemia, sofreram um baque: entre março e setembro, 1,4 milhão de brasileiros que exerciam essa profissão perderam o emprego. O =igualdades faz um retrato do desemprego no Brasil e das profissões mais afetadas pela pandemia.

Em setembro, a taxa de desemprego no Brasil bateu novo recorde: ao todo, 13,5 milhões de brasileiros estão sem emprego, segundo o IBGE. Se todas essas pessoas estivessem concentradas numa só cidade, essa cidade seria mais populosa do que São Paulo, que tem cerca de 12 milhões de habitantes e é a cidade mais populosa de todo o Hemisfério Sul. Nos Estados Unidos, que tem população bem maior do que a brasileira, o número de desempregados em outubro era de 11,1 milhões.

Entre março e setembro, mais de 897 mil postos de trabalho foram fechados no Brasil. A região Sudeste, que é mais populosa, foi responsável por 64 de cada 100 demissões no país. Depois, aparecem as regiões Sul, com 22 a cada 100 demissões, Nordeste, com 11 e Centro-oeste, com 3. Na contramão da tendência nacional, a região Norte registrou aumento dos empregos: foram 17 mil novas vagas.

O estado do Rio de Janeiro demitiu, proporcionalmente, três vezes mais que Minas Gerais: foram 996 pessoas por 100 mil habitantes entre os fluminenses contra 315 entre os mineiros. O setor mais afetado foi o de serviços, com 108,1 mil demissões, seguido pelo comércio (40,3 mil) e pela indústria (15,8 mil).



Com a diminuição das vendas em lojas físicas durante a pandemia, 181 mil vendedores foram demitidos entre março e setembro de 2020. Foi a profissão que mais teve vagas fechadas na pandemia. Esse número é duas vezes maior do que o de demissões em todos os setores da indústria nacional, que somaram 99 mil baxas no mesmo período.

 

A indústria foi um dos setores mais atingidos pela paralisia da pandemia, mas cada setor sentiu esse impacto de maneira diferente. Na indústria têxtil, por exemplo, houve 70 mil demissões, três vezes mais que as 23 mil baixas registradas na indústria automotiva, entre março e setembro.

Com hospitais cheios e escolas fechadas, enfermeiros e professores tiveram realidades bem distintas desde o início da pandemia. Enquanto na saúde houve a criação de 72,6 mil vagas para auxiliares, técnicos e enfermeiros em todo o país; na educação, 36 mil docentes de ensino infantil, fundamental, médio e superior perderam o emprego.

Os serviços domésticos foram um dos primeiros a serem dispensados depois do início da pandemia. Um dos reflexos disso está na alta taxa de demissões dos profissionais da área: foram mais de 1,4 milhão de baixas desde março, o que representa 24% da mão de obra empregada até então.

Fontes: Pnad Contínua (IBGE); Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged); U.S. Departament of Labour.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Marcos Amorozo

Estagiário de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Moral, religião e voto

O que continua igual e o que está mudando nas candidaturas religiosas

Empate e luto no sertão

Numa cidade paraibana, dois candidatos a prefeito recebem o mesmo número de votos; vereador sofre infarto durante apuração

Foro de Teresina #127: Maré alta contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
2

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

5

Renan, o flexível

Em meio à crise, o presidente do Senado ora dá conselhos a Dilma, ora confabula com a oposição

6

A era dos supermarqueteiros

A prisão de João Santana reorganizará o mercado das campanhas eleitorais, que já opera de sobreaviso desde a proibição, no ano passado, do financiamento empresarial

8

Godard antissemita? (3)

Para Richard Brody, Nossa música, de 2004, “é um filme de preconceitos pré-guerra enfeitados com ressentimentos pós-guerra – e, como muitas outras coisas na história do antissemitismo, com frustrações pessoais.” Nada convence Brody do contrário, nem mesmo o “simbolismo pessoal” indicado por Godard em entrevistas citadas pelo próprio Brody na biografia “Everything is Cinema The Working Life of Jean-Luc Godard” (sem edição brasileira).

9

“Chegou sem vida” 

As últimas horas de Dennys Franco, uma das nove vítimas de Paraisópolis, até dar entrada morto no hospital