Igualdades

Pandemia do desemprego

Luigi Mazza, Marcos Amorozo e Renata Buono
09nov2020_10h45

Há mais desempregados no Brasil do que moradores em São Paulo, a cidade mais populosa do Hemisfério Sul: 13,5 milhões. Uma fração expressiva dessas pessoas perdeu o emprego desde que o coronavírus aportou no Brasil. De março a setembro, o país fechou 897 mil vagas de trabalho. O setor de serviços e o comércio foram os mais afetados pela crise. Ao todo, foram extintas 181 mil vagas de vendedores em lojas e mercados – o dobro do número de vagas fechadas na indústria, em geral. Na Educação, 36 mil vagas de professor foram fechadas. Trabalhadores domésticos, um dos primeiros a terem o trabalho afetado pela pandemia, sofreram um baque: entre março e setembro, 1,4 milhão de brasileiros que exerciam essa profissão perderam o emprego. O =igualdades faz um retrato do desemprego no Brasil e das profissões mais afetadas pela pandemia.

Em setembro, a taxa de desemprego no Brasil bateu novo recorde: ao todo, 13,5 milhões de brasileiros estão sem emprego, segundo o IBGE. Se todas essas pessoas estivessem concentradas numa só cidade, essa cidade seria mais populosa do que São Paulo, que tem cerca de 12 milhões de habitantes e é a cidade mais populosa de todo o Hemisfério Sul. Nos Estados Unidos, que tem população bem maior do que a brasileira, o número de desempregados em outubro era de 11,1 milhões.

Entre março e setembro, mais de 897 mil postos de trabalho foram fechados no Brasil. A região Sudeste, que é mais populosa, foi responsável por 64 de cada 100 demissões no país. Depois, aparecem as regiões Sul, com 22 a cada 100 demissões, Nordeste, com 11 e Centro-oeste, com 3. Na contramão da tendência nacional, a região Norte registrou aumento dos empregos: foram 17 mil novas vagas.

O estado do Rio de Janeiro demitiu, proporcionalmente, três vezes mais que Minas Gerais: foram 996 pessoas por 100 mil habitantes entre os fluminenses contra 315 entre os mineiros. O setor mais afetado foi o de serviços, com 108,1 mil demissões, seguido pelo comércio (40,3 mil) e pela indústria (15,8 mil).



Com a diminuição das vendas em lojas físicas durante a pandemia, 181 mil vendedores foram demitidos entre março e setembro de 2020. Foi a profissão que mais teve vagas fechadas na pandemia. Esse número é duas vezes maior do que o de demissões em todos os setores da indústria nacional, que somaram 99 mil baxas no mesmo período.

 

A indústria foi um dos setores mais atingidos pela paralisia da pandemia, mas cada setor sentiu esse impacto de maneira diferente. Na indústria têxtil, por exemplo, houve 70 mil demissões, três vezes mais que as 23 mil baixas registradas na indústria automotiva, entre março e setembro.

Com hospitais cheios e escolas fechadas, enfermeiros e professores tiveram realidades bem distintas desde o início da pandemia. Enquanto na saúde houve a criação de 72,6 mil vagas para auxiliares, técnicos e enfermeiros em todo o país; na educação, 36 mil docentes de ensino infantil, fundamental, médio e superior perderam o emprego.

Os serviços domésticos foram um dos primeiros a serem dispensados depois do início da pandemia. Um dos reflexos disso está na alta taxa de demissões dos profissionais da área: foram mais de 1,4 milhão de baixas desde março, o que representa 24% da mão de obra empregada até então.

Fontes: Pnad Contínua (IBGE); Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged); U.S. Departament of Labour.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Marcos Amorozo (siga @marcosamrz no Twitter)

Estagiário de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Lobo nasce endividado

Com a dívida da União batendo recorde em 2020, governo federal emite títulos públicos até para pagar propaganda da nota de 200 reais

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

Mais textos
1

121

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

6

A far cry from hope

In conventional political terms, Obama should lose the November election. But this is not a conventional election

7

Nenhum país é uma ilha

As desilusões de um jovem filósofo com o Brexit

8

Procuradoria inova e divulga de uma vez só na Netflix todos os nomes da lista de Janot

Diante do tédio provocado pela série infinita de escândalos de corrupção, a Procuradoria-Geral da República decidiu mudar sua estratégia de comunicação. Agora, em vez de efetuar vazamentos escalonados para a imprensa, a PGR divulgará todo o conteúdo de uma vez só na Netflix

9

Mahmoud Ahmadinejad, o cara

“Todo mundo é livre”, diz ele

10

Eu Não Sou Seu Negro – a jornada de James Baldwin

A péssima impressão causada por O Jovem Karl Marx terá deixado em estado de alerta quem não assistiu antes a Eu Não Sou Seu Negro, atento à apelação demagógica que parecia ser um traço emblemático do diretor Raoul Peck