questões ambientais

Quarentena evita um bilhão de toneladas de carbono na atmosfera

Emissão de poluentes caiu 17% no mundo; no Brasil, queda chegou a 25% em 20 de março, mas regrediu a 8% no fim de abril

Luigi Mazza
19maio2020_12h42
Céu da cidade de São Paulo durante a quarentena / Foto: Fabio Vieira/FotoRua/NurPhoto via AFP
Céu da cidade de São Paulo durante a quarentena / Foto: Fabio Vieira/FotoRua/NurPhoto via AFP

Adesigner Andrea Micherif vive com a família em Xangai, na China, há cerca de quatro anos. Com a chegada da pandemia, passou os últimos meses sob a rígida quarentena chinesa. Uma das primeiras mudanças que ela pôde perceber em decorrência do isolamento aconteceu no céu. “O céu ficou absolutamente azul, um azul Maldivas. A gente passou a ouvir os pássaros”, disse ela em depoimento ao podcast Foro de Teresina, no começo de abril. Relatos semelhantes foram feitos em vários países. Essa percepção visual agora é sustentada por evidências científicas: estudo publicado hoje na revista Nature Climate Change mostra que, no começo de abril, as emissões diárias de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera caíram 17% no mundo todo, na comparação com a média diária de 2019. Foi o menor volume de emissões registrado desde 2006. No acumulado dos primeiros quatro meses de 2020, houve 1 bilhão de toneladas de CO2 a menos sendo lançado na atmosfera. O dióxido de carbono é um dos principais fatores que causam o aquecimento global.

No Brasil, as emissões de carbono caíram 25,2% no pico da quarentena, que aconteceu entre 20 de março e 3 de abril. Desde então, elas começaram a cair menos a cada dia. A redução foi a 8% em 10 de abril e se manteve nesse patamar até o final do mês, quando o estudo parou de analisar os dados. Nos Estados Unidos, o país mais atingido até agora pela pandemia, a queda chegou a 31,6%. A China, onde foram registrados os primeiros casos de Covid-19, reduziu as emissões em 23,9%, e a Argentina, em 27,3%. O estudo foi feito por um grupo de pesquisadores da Universidade de East Anglia, na Inglaterra. Eles analisaram os dados de 69 países que, juntos, respondem por 97% das emissões globais de dióxido de carbono.

Essa redução de 17% significa que, no começo de abril, o mundo inteiro estava emitindo 17 milhões de toneladas de CO2 a menos por dia, na comparação com a média diária de 2019. Ao longo do mês, essa redução na média diária oscilou entre 11% e 25%. A primeira semana de abril foi o período em que a maior parte dos países estava no auge das medidas de isolamento. A China, país que mais reduziu emissões em números absolutos, lançou 242 milhões de toneladas a menos de CO2 desde o começo da quarentena. Nos Estados Unidos, a redução foi de 207 milhões de toneladas. Em toda a Europa, foram 127 milhões de toneladas de CO2 a menos. Depois vem a Índia, com 98 milhões de toneladas. O Brasil, por sua vez, reduziu um décimo disso – foram 9,7 milhões de toneladas a menos.

No mundo todo, os transportes terrestres responderam por 43% da redução de emissões (embora, no geral, respondam por apenas 20% de todo o gás lançado na atmosfera). A indústria e o setor de energia responderam por outros 43% dessa redução, enquanto a aviação respondeu por 10%. O restante se deve à diminuição de emissões em outros setores, como o comércio, os prédios públicos e áreas residenciais.

 

No Brasil, a maior redução de emissões se deu nos transportes terrestres. Dos 9,7 milhões de toneladas de CO2 que o país deixou de emitir desde o começo da pandemia, 6,3 milhões – ou seja, 65% do total – são relativos a carros, ônibus e caminhões que deixaram de circular. A indústria, por sua vez, deixou de lançar 1,8 milhão de toneladas de carbono na atmosfera. É um cenário muito diferente do que se deu na China, onde a indústria respondeu por 118 milhões de toneladas a menos – quase metade de todo o carbono que foi poupado. A poluição nos dois países tem origens diferentes: enquanto o transporte no Brasil responde por 44% de todo o carbono que o país lança na atmosfera, na China ele responde por apenas 8%. Já o setor de energia, que no Brasil responde por 21% das emissões, é responsável por 49% de todo o carbono chinês.

O Brasil reduziu suas emissões de carbono principalmente em março. Desde então, esse número foi decaindo. Até o dia 3 de abril, o país tinha poupado a atmosfera de 6,2 milhões de toneladas de carbono. Dali em diante, no período de 4 a 30 de abril, o ritmo de queda desacelerou, e o país deixou de emitir apenas 3,4 milhões de toneladas de CO2.

Os cientistas responsáveis pela pesquisa estimam que, no acumulado de 2020, a emissão de dióxido de carbono na atmosfera pode ser de 4% a 7% menor do que foi no ano passado. Tudo depende, é claro, da duração das medidas de isolamento. Se até o meio de junho as atividades já tiverem voltado ao patamar pré-pandemia, a redução anual de emissões deve ficar em torno de 4%. Se o isolamento se mantiver em alguns países até o final do ano, ela deve chegar a 7%. Dadas as imprevisibilidades desse processo (como novas ondas da doença), as estimativas variam num arco que vai de 2% a 13% de redução total em 2020.

Uma diminuição anual de entre 4% e 7% das emissões é o que seria necessário, por vários anos em sequência, para se cumprir uma das metas mais importantes do Acordo de Paris: limitar o aumento da temperatura do planeta a 1,5º até 2100. Os pesquisadores de East Anglia, no entanto, afirmam que essa redução das emissões ocorrida durante a pandemia não deve se manter por muito tempo. “Essas reduções extremas tendem a ser temporárias, já que não refletem mudanças estruturais nos sistemas econômico, energético e de transportes”, afirmou a professora Corinne Le Quéré, que liderou o grupo de pesquisadores responsável pelo estudo.

Muito pelo contrário: a pesquisa aponta para o risco de haver um “rebote” das emissões de CO2 ao final da pandemia, o que compensaria toda a redução que houve desde o começo da quarentena. Nesse cenário, os grandes pacotes de recuperação econômica adotados pelos países ao final de 2020, ou em 2021, poderiam levar a um crescimento das emissões acima da média dos últimos anos. Foi o que aconteceu, por exemplo, no pós-crise de 2008. Segundo os pesquisadores, a redução da atividade econômica naquele período fez com que, em 2009, as emissões de dióxido de carbono caíssem 1,5% em relação à média anual. No ano seguinte, isso foi compensado por um aumento de 5,1% nas emissões, consequência das ações adotadas para reaquecer a economia global.

Ao analisar essas implicações, o estudo aponta para a necessidade de se adotar políticas de contenção de emissões ao final da pandemia. Uma delas é o estímulo ao ciclismo e às caminhadas como meio de transporte, o que além, de reduzir a poluição causada pelos carros, atende às recomendações de isolamento social, que serão necessárias por tempo indefinido. Outras recomendações listadas pelo estudo são o estímulo ao trabalho remoto sempre que possível – o que diminui o trânsito e a demanda por transporte público nas cidades –, assim como a redução do fluxo no transporte aéreo – trocando conferências e reuniões presenciais por chamadas de vídeo.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Leia também

Últimas Mais Lidas

Às vésperas de protestos, PM associa “antifas” à violência

Polícia mineira usa símbolos e bandeiras do movimento antifascista para “reconhecimento de  possíveis manifestantes violentos”

Aula de longe, mas ao pé do ouvido

Municípios do Rio Grande do Norte apostam no rádio para manter ensino durante a quarentena e atraem adultos de volta à escola

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Mais textos
1

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

4

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

6

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

7

A gestação do menino diabo

Como traduzir Memórias Póstumas de Brás Cubas para o inglês com dicionários frágeis e bases de dados gigantescas

8

Alexandre de Moraes absolve Alexandre de Moraes em caso de plágio

Antenado com o espírito de seu tempo, Alexandre de Moraes, recém-aprovado como ministro do Supremo Tribunal Federal, usou de suas prerrogativas para se defender das acusações de plágio. "Vou escolher meu julgador. Nesse caso, serei eu mesmo."

9

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

10

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão