Igualdades

Pandemia sem água na torneira

Amanda Rossi e Renata Buono
27jul2020_10h36

Para 9,6 milhões de casas brasileiras, a recomendação de lavar as mãos para evitar o coronavírus não é trivial. São casas que não estão ligadas à rede de água, segundo a última Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, do IBGE. O número corresponde a todas as casas dos estados do Rio de Janeiro e de Pernambuco, juntos. Outras 34 milhões de residências não têm esgoto, o que equivale a metade das casas do país. Sem saneamento adequado, os brasileiros ficam mais doentes. O país registra 342 mil internações hospitalares por doenças que poderiam ser evitadas se houvesse pleno acesso a água e esgoto. Esta semana, o =igualdades retrata as condições de saneamento do país.

No Brasil, uma de cada sete casas não está ligada na rede de água. No total, são 9,6 milhões de residências sem água na torneira – equivalente aos estados do Rio de Janeiro e de Pernambuco, juntos.

O Nordeste concentra 5 de cada 10 das casas não ligadas à rede água. Em seguida, está o Norte, com 3 de cada 10. O Sudeste tem 1 de 10. Sul e Centro-Oeste dividem o restante.

Estar ligado à rede de água não significa poder ligar a torneira a qualquer hora. De cada 5 municípios com abastecimento de água, 1 enfrentou racionamento – a maior parte deles devido a seca ou estiagem.

O Brasil desperdiça muita água. A cada 10 litros captados, 4 ficam pelo caminho, em vazamentos diversos. Apenas os 6 litros restantes chegam às torneiras das casas brasileiras.

A situação do esgoto é mais grave. No país, 34 milhões de casas não estão ligadas à rede de esgoto. Isso equivale a metade das residências do país.

A cobertura de esgoto em São Paulo é 30 vezes a do Pará. Enquanto em São Paulo 92% das casas têm acesso a esgoto, no Pará são apenas 3%.

Além da falta de água e esgoto, o Brasil lida com a precariedade das habitações. Entre 100 brasileiros, 3 vivem em casas sem um banheiro exclusivo para a família, precisando recorrer a banheiros de terceiros ou mesmo a outras soluções.

O Brasil tem um alto número de internações por doenças provocadas por saneamento inadequado. Foram 342 mil em 2016, último ano com dados disponíveis. É mais do que as internações por acidentes de trânsito no SUS. Para cada 10 pessoas internadas por saneamento inadequado, o SUS internou outras 6 pessoas por acidentes de trânsito.

 

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Na crise climática, Congresso tira o corpo fora

Metade dos parlamentares se diz muito preocupada com o meio ambiente no Brasil, mas só 7% acham que seus colegas têm o mesmo interesse; maioria atribui a crise ao governo

O adeus de Merkel, a anti-Trump

Enquanto nos Estados Unidos e no Brasil debate público virou briga de rua, política alemã mostrou com sua chanceler a assepsia de um seminário de pós-graduação – o que também está longe do ideal

O puro suco de Bolsonaro

Ao comer pizza na rua e mentir na ONU, presidente contamina as redes e desvia a atenção daquilo que abala sua popularidade

O horror está entre nós

Uma face tétrica da atualidade é a perda da esperança de viver bem no Brasil

A morte em segredo

O conhecido médico negacionista Anthony Wong morreu de Covid-19 – mas isso foi escondido por 123 profissionais do hospital da Prevent Senior

Reforma administrativa ameaça democracia

Fim da estabilidade dos servidores, uma das propostas da mudança, fragiliza o Estado e coloca em risco as políticas públicas

Mais textos