Igualdades

Pensão à brasileira

Amanda Rossi e Renata Buono
20jan2020_07h30

O Estado brasileiro paga 311 mil pensões para parentes de servidores públicos do Executivo Federal. São quase 200 mil viúvas ou viúvos, 95 mil filhas mulheres e cerca de 20 mil outros familiares. Juntos, os beneficiários receberam R$ 1,7 bilhão em dezembro de 2018. Em média, o valor de uma pensão especial corresponde a quatro aposentadorias pelo INSS. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Economia após denúncia da agência de dados Fiquem Sabendo ao Tribunal de Contas da União (TCU). O =igualdades traça um raio X das informações divulgadas.

O valor médio das pensões para parentes de servidores públicos foi de R$ 5.328, em dezembro de 2018. É quatro vezes o valor médio dos benefícios pagos pelo INSS, de R$ 1.286,87, no mesmo mês.

Em dezembro de 2018, as pensões pagas a parentes de servidores somaram R$ 1,7 bilhão. É quase o que o governo vai economizar em um ano com o reajuste do salário mínimo abaixo da inflação. O governo pretende cortar R$ 6 do valor corrigido – em vez de R$ 1.045, o salário mínimo subiria para R$ 1.039. 

O teto do funcionalismo, de R$ 39.293, foi ultrapassado por 335 pagamentos feitos a pensionistas em dezembro de 2018. O maior valor foi de R$ 573.340, equivalente a 15 vezes o teto, beneficiando a viúva de um funcionário do governo do Distrito Federal, morto em 2011. Os dados indicam que pagamentos acima de R$ 100 mil não são mensais, mas excepcionais. A viúva mencionada, por exemplo, teve pensão de R$ 21,7 mil em novembro.



Em dezembro de 2018, viúvas ou viúvos tiveram direito a R$ 73 a cada R$ 100 em pensões do funcionalismo público. Outros R$ 21 foram para filhas mulheres, e só R$ 1 para filhos homens. O restante dos pensionistas eram mães, irmãs, enteados, netos ou pessoas com outros elos, designadas judicialmente.

Entre as filhas beneficiárias, o principal grupo é o das solteiras sem cargo público permanente. São 68 mil mulheres nessa situação. Há ainda filhas de militares (13,7 mil), filhas maiores inválidas (6,7 mil), filhas sem especificação (4,4 mil), filhas casadas (932), filhas separadas (533), filhas viúvas (276) e até filha solteira com cargo público permanente (5). E também o grupo de netas solteiras (63).

As filhas têm pensões mais antigas. Entre as pensões iniciadas antes de 1990, as filhas representam 66% dos pensionistas. É quase quatro vezes a proporção de filhas entre as pensões a partir de 1990, 17%.

 

De cada dez funcionários públicos cuja família recebe pensão, quatro eram atrelados ao Distrito Federal. É nove vezes o total de São Paulo, o estado mais populoso do país.

*

Fontes: Ministério da Economia via Fiquem Sabendo, INSS. Os dados não contemplam servidores de alguns órgãos do Executivo, especificamente Banco Central do Brasil, Ministério da Defesa e Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

*

Nota: As comparações deste =igualdades foram baseadas em tabela publicada pelo Ministério da Economia. Depois de alguns questionamentos da reportagem da piauí, o ministério enviou nota na quarta-feira (22) afirmando que cometeu erros na elaboração da tabela, sem explicar quais. Na sexta (24), o ministério apontou que dados indicados na planilha como sendo de 2019 se referiam a 2018 e que servidores de alguns órgãos não estavam listados. As alterações foram feitas e nova versão do =igualdades foi publicada às 18h36.

 

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

3

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

4

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

5

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

8

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

9

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

10

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana