anais da educação

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

Valéria Propato
25jul2018_07h29
ILUSTRAÇÃO_PAULA CARDOSO

Para Vanusa Silva, baiana de 45 anos, dirigir um caminhão e sumir numa estrada seria o símbolo máximo da liberdade. Mas hoje o sonho está cada vez mais distante. Trabalhando como doméstica desde os 9 anos, só foi conhecer uma sala de aula aos 21, quando se matriculou num programa para alfabetização de adultos. Planejava em pouco tempo estar prestando exames no Detran para habilitar-se e tornar-se caminhoneira. Não deu.

O quase nada que aprendeu não é o suficiente para que consiga escrever. Desistiu do sonho depois de dois anos de curso e de os professores sentenciarem que ela “tinha um bloqueio”. Saiu com um certificado porque “colava” as respostas dos colegas. Agora, sobrevive como faxineira e vendedora ambulante. Faz contas de cabeça – “mas não arma no papel” – e lê gaguejando frases curtas.

Vanusa está nas estatísticas oficiais do país: é uma entre os 11,5 milhões de brasileiros que se autodeclaram analfabetos e estão fora da escola, segundo levantamento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE, divulgado em abril. Mas não – ou, pelo menos, não de forma relevante – nos planos dos principais candidatos a presidir o Brasil nos próximos quatro anos.

A menos de três meses do primeiro turno das eleições presidenciais, as propostas de partidos e campanhas sobre o tema são genéricas ou repetitivas. A alegação, quase sempre, é a de que em meio à disputa presidencial que promete ser a mais acirrada desde a retomada das eleições diretas, em 1989, os planos específicos ainda não foram delineados. Talvez um descuido das equipes políticas, levando-se em conta que 4,4% dos 147 milhões de eleitores se declaram analfabetos, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral.  



Procurada pela piauí, a assessora de Educação do candidato Geraldo Alckmin, do PSDB,  Ana Diniz, diz “não ter a fórmula” para reduzir o estoque de analfabetos adultos. “Uma política neste sentido extrapola a educação e deve dialogar com a área social”, sinaliza Diniz, que é coordenadora do instituto Singularidades, que tem foco na formação de professores e gestores, e uma das fundadoras do Movimento Todos Pela Educação.

Os pilares da estratégia educacional do PSDB  incluem a primeira infância, a alfabetização até o 2º ano do Ensino Fundamental, a reforma do Ensino Médio e a valorização do professor. Diniz crê na necessidade de um diagnóstico de todos os programas da área de educação e de um redesenho do Ministério da Educação, o MEC. “Ele tem de voltar ao papel central de formular políticas públicas, dar diretrizes para que funcionem, dar incentivo e suporte para que estados e municípios implementem; e depois avaliá-las.”

Marina Silva, da Rede Sustentabilidade, alfabetizada aos 16 anos no antigo Mobral, também defende a realização de um amplo diagnóstico da área. E ressalta que os professores devem ser mais bem treinados e a base de conhecimento do adulto deve ser respeitada para o processo de ensino tardio. Mas a candidata afirma que o plano não está no papel.

Já Fernando Haddad, coordenador do programa de governo do PT – cujo candidato presidencial segue indefinido –, defende a manutenção de um programa federal dos governos de Lula e Dilma Rousseff que não atingiu as expectativas: o Brasil Alfabetizado – criado em 2003. “O programa é bem-sucedido, mas perdeu o engajamento de estados e municípios. Para solucionar isso, iremos retomar as campanhas de mobilização no rádio e na tevê”, enfatiza. Nos eixos temáticos do plano de governo do partido, divulgados há poucos dias, há apenas uma referência à educação: a reforma do Ensino Médio.

No documento Os 12 Passos Para Mudar o Brasil, lançado na última semana, o PDT do candidato presidencial Ciro Gomes propõe “investimento maciço” em diversas frentes da educação e o cumprimento de marcos e obrigações assumidos pelo país, mas não há menção ao problema dos analfabetos adultos. A assessoria do candidato não respondeu aos questionamentos enviados por e-mail e mensagens de texto.

No caso do candidato Jair Bolsonaro, do PSL, a assessoria da campanha agendou e cancelou quatro vezes a entrevista solicitada pela piauí.

 

O carro-chefe dos programas de Educação de partidos e campanhas políticas, naturalmente, está voltado para a qualificação do ensino de crianças e adolescentes, mas a erradicação do analfabetismo a partir dos 15 anos foi um compromisso assumido com a Unesco em 2000. A cifra apurada pelo IBGE em 2017 e publicada neste ano corresponde a 7% da população maior de 15 anos. Pela meta acertada com a Unesco, a taxa de analfabetismo de jovens e adultos deveria ter baixado para 6,5% em 2015 – para que se chegue ao objetivo de zerá-la em 2024.

O problema se aprofunda com o avanço da faixa etária. Considerando-se apenas os cidadãos acima dos 60 anos, 19,3% são analfabetos. Entre os brasileiros acima de 15 anos que se declaram pretos ou pardos e não sabem ler nem escrever, a taxa também supera a média nacional e chega a 9,3%. Os brancos são 4%. O Nordeste concentra o maior número de analfabetos de jovens e adultos entre as regiões (14,5%), enquanto Sul e Sudeste registram as cifras mais baixas (3,5% cada).

Esses números não incluem a população considerada analfabeta funcional – formada por pessoas que têm mais de 15 anos e menos de quatro anos de estudo quando comparadas com pessoas da mesma idade. Em 2015, essa parcela era estimada em 27% da população pelo Instituto Paulo Montenegro. O índice sobe para 70% na economia rural e cerca de 40% entre empregados de serviços domésticos e da construção civil.

Baixa autoestima, resistência ao aprendizado e dificuldade de conciliar trabalho e estudo distanciam essa parcela da população da escola. Para Marina Silva, as estratégias de alfabetização de adultos deverão ser reavaliadas. “Um país em crise não favorece o atingimento de metas”, diz. “O desafio maior da população está em sobreviver.”

Já Haddad, que foi ministro da Educação entre 2005 e 2012, enxerga o cenário como positivo, apesar do atraso. “Em 2000, quando o Brasil firmou o compromisso com a Unesco, o índice era de 13,4%. Para quem partiu dessa base, 7% é um avanço muito significativo. A maioria dos países monitorados (pelo organismo da ONU) não conseguiu diminuir o índice pela metade”, destaca.

Outro objetivo a ser alcançado, que está no Plano Nacional de Educação (PNE), previsto na Constituição, é de oferecer, no mínimo, 25% das matrículas para Educação de Jovens e Adultos (EJA), pela rede pública integrada ao ensino profissional. Atualmente, este tipo de atendimento cobre entre 0,5% e 3% das matrículas. E os partidos não apresentam iniciativas concretas para que a alfabetização seja a porta de entrada para o mundo do trabalho. Desde a década de 90, as redes públicas mantêm a EJA como modalidade de ensino.

Em 2016, somente 1,7 milhão de pessoas estavam matriculadas na EJA, segundo a PNAD\IBGE. O movimento Todos Pela Educação critica a ausência de políticas que se concentrem no público-alvo da EJA – idosos, negros, pardos e em regiões de baixo desenvolvimento socioeconômico. O grupo apresentou aos candidatos oficiais e pré-candidatos um plano estratégico para a educação e já conversou com os que lideram as pesquisas, com exceção de Jair Bolsonaro.

 

Há quinze anos, a EJA ganhou o reforço do programa Brasil Alfabetizado, com ênfase em uma ampla campanha de alfabetização, no trabalho voluntário de professores e coordenadores bolsistas e em parceria com escolas públicas. De 2003 a 2015, o programa recebeu 16,8 milhões de matrículas, mas apenas 7,8 milhões de estudantes concluíram o curso. Com o corte de gastos do governo Temer, o Brasil Alfabetizado tem no momento somente 137 mil matrículas ativas em todo o país. Apesar de os investimentos sofrerem queda desde 2010, 3,3 bilhões de reais já foram empenhados no programa.

“O Brasil Alfabetizado não passa de transferência de recursos”, afirma a coordenadora do Centro de Referência Paulo Freire, Sônia Couto. Ela defende a criação de uma política nacional de EJA, centrada não só na alfabetização, mas na inserção no mercado de trabalho e na inclusão tecnológica. Se não for assim, adverte Couto, o risco é o Brasil aumentar a taxa de analfabetos funcionais. “Não há cobrança social, o analfabetismo é aceito como natural e a EJA é uma modalidade de ensino sem prestígio”, critica Couto.

Boa parte dos analfabetos do Sudeste são nordestinos como a marisqueira Sandra da Silva, 40 anos, que “despinicava” (descascava) sururu em Maceió. “No dia em que minha filha de 2 anos, Vanessa, aprendeu a me chamar de mãe, ela se foi”, conta Sandra, sem alterar o tom de voz. A fome matou. Depois da tragédia, casou-se “por interesse” e mudou para uma favela no Rio. Há uma ano e meio trabalhando como diarista, decidiu que “não queria mais ser burra” e matriculou-se na EJA da escola municipal Calouste Gulbenkian, no Centro da cidade. Hoje, sonha em ser motorista de Uber e advogada. O melhor de ter aprendido foi conseguir ler as histórias dos mortos nas lápides do Cemitério do Catumbi, seu passatempo preferido. E avisa: nenhum candidato terá seu voto. “A menos que eles aceitem trabalhar por um salário mínimo. Quero ver quem aguenta.”

*

Correção: Este texto foi retificado às 13h30 de 26/7/2018 para atualização das atividades de Ana Diniz e, a pedido do partido, ampliar informações sobre o plano educacional do PSDB.

 

Valéria Propato

Jornalista, foi editora da revista Istoé e gerente de imprensa do Instituto Ayrton Senna. É consultora do Observatório do Terceiro Setor

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Mamadeira de piroca” versão 2020

Monitoramento em oito capitais mostra como candidatos conservadores acusaram adversários usando “ideologia de gênero”

Inválidos, Paes e o Bispo

Paes derrota Crivella em todas as 49 zonas eleitorais, mas perde para abstenções em números absolutos

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a íntegra do programa ao vivo está disponível no YouTube

Jogada pela direita rumo a 2022

DEM e MDB saem fortalecidos do segundo turno diante de derrotas petistas e de um bolsonarismo menos enraizado do que se previa em 2018

PT saudações

Partido do ex-presidente Lula perde prefeituras e vereadores e fica fora das capitais; para cientista político, "polarização afetiva" ajuda a explicar rejeição à legenda

Nas redes, deu Boulos; nas urnas, Covas

Candidato do Psol foi maior surpresa das mídias sociais na eleição este ano 

Redes bolsonaristas mentem mais sobre eleição

Boatos sobre fraudes na votação e nas urnas eletrônicas se espalharam em novembro, estimulados por apoiadores do presidente e pelo próprio Bolsonaro

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Lições de literatura e sociedade

Antonio Candido fala sobre o fazendeiro Pio e a invasão da USP

4

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

7

Incompreendido e compreendido

A briga, a separação, começam aí, assim, entre dois filmes como que realizados a quatro mãos, até que a fita de celuloide que os unia, se parta e as luzes se acendam.

8

Um teto todo seu

Conquistas de uma blogueira

9

Departamento de apelidos da Odebrecht exportará tecnologia

A capacidade produtiva do departamento de apelidos da Odebrecht chamou atenção do mercado internacional.