Igualdades

Planos de saúde em dívida com o SUS

Amanda Rossi e Renata Buono
27jan2020_09h10

Os planos de saúde brasileiros são obrigados por lei a reembolsar o Sistema Único de Saúde (SUS) quando seus usuários são atendidos na rede pública – desde que o serviço seja coberto pelo convênio. A regra já foi contestada na Justiça, mas, em 2018, o Supremo Tribunal Federal decidiu que o reembolso é constitucional: já que o plano pagaria pelo atendimento particular, é correto também que pague ao SUS. O reembolso é cobrado por internações e atendimentos de média e alta complexidade. Nem sempre, porém, a fatura é liquidada. O SUS já cobrou R$ 5,7 bilhões dos planos, desde 2001 a 2019. Até agora, R$ 1,7 bilhão não foi pago. De 2001 a 2018, o SUS realizou mais de 6 milhões de atendimentos a pessoas com plano de saúde. A principal causa de atendimento foi o câncer de mama. O =igualdades desta semana mostra os dados sobre o ressarcimento dos planos de saúde ao SUS.

O valor que o SUS cobrou dos planos de saúde foi de 5,7 bilhões de reais entre 2001 e 2019. Desse total, 4 bilhões foram pagos ou estão parcelados. Já 1,7 bilhão não foi pago –  foi inscrito na dívida ativa da União ou suspenso judicialmente. A cada 10 reais cobrados, 7 foram pagos ou parcelados e 3 não foram pagos.

O valor que os planos de saúde deixaram de pagar equivale aos gastos do SUS com todas as vítimas de trânsito de 2013 a 2018 – mais de 1 milhão de pessoas.

O SUS pediu ressarcimento a 1.598 planos de saúde desde 2001. Desses, 321 não pagaram nada. Outros 344 pagaram tudo. No meio do caminho, estão 577 que pagaram mais da metade, mas não tudo; e 356 que pagaram menos da metade.

Os planos de saúde cujos usuários mais foram atendidos no SUS são: Amil, Bradesco Saúde, Hapvida, Unimed Belo Horizonte e Notre Dame Intermédica. Os dois primeiros já pagaram 99% da fatura. Hapvida e Notre Dame Intermédica nunca pagaram nada do que o SUS cobrou. Já a Unimed Belo Horizonte pagou 17%.

O câncer de mama foi o principal motivo de atendimento no SUS para usuários de planos de saúde, entre 2001 e o primeiro semestre de 2018 (último período com dados disponíveis). A cada 100 casos com causa de atendimento informada, o câncer de mama representou 18. Em segundo lugar, vieram partos e gravidez, com 12 de cada 100. Em seguida, câncer de próstata, insuficiência renal, perda de audição e pneumonia.

O SUS fez 6,5 milhões de atendimentos a beneficiários de planos de saúde, entre 2001 e o primeiro semestre de 2018. Em cada 10 pacientes, 6 eram mulheres.

Somados, os usuários de planos de saúde ficaram 449.888 dias internados no SUS apenas no primeiro semestre de 2018. É um número de dias equivalente a 1,2 mil anos.

 

Fontes: Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Conselho Federal de Medicina (CFM).

Dados abertos: acesse planilha com os dados utilizados pela reportagem.

*

Nota: O Grupo NotreDame Intermédica enviou nota afirmando que depositou em juízo cerca de R$ 240 milhões por cobranças que considera indevidas. A reportagem foi atualizada no dia 28 de janeiro para incluir tais esclarecimentos.

 

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

5

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

7

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana