Igualdades

Poder de compra ladeira abaixo

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
30set2019_08h13

A crise econômica empobreceu o Brasil e reduziu o poder de compra de grande parte da população. Desde o início da crise, em 2014, as classes de consumo A e B encolheram. Com isso, cada vez mais gente passou a ocupar os andares de baixo. Até 2018, as classes C, D e E ganharam 4,2 milhões de domicílios, total equivalente a uma cidade de São Paulo. O =igualdades explica o que mudou na dinâmica das classes de consumo no país, de acordo com medição da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep). A estimativa da renda média domiciliar de cada grupo é de R$ 25,6 mil para a classe A; R$ 6,8 mil para a classe B; R$ 2,3 mil para a classe C; e R$ 720 para as classes D e E.

Em 2018, a divisão das classes de consumo brasileira parecia um diamante invertido. De cada 100 casas, 28 estavam nas classes D e E. Outras 48 casas faziam parte da classe C. Mais 21 integravam a classe B, e 2,5 estavam na classe A.

A definição das classes de consumo leva em conta, além da renda média, as características de cada domicílio, o grau de instrução do chefe de família e o acesso a bens de consumo. Assim, é possível traçar um perfil médio de cada classe. Na ponta de cima, a classe A se distingue pela quantidade de automóveis e pela presença de empregados domésticos. Já na base, as classes E são marcadas, principalmente, pela falta de saneamento básico e água encanada.

Para cada 100 domicílios que existiam na classe A em 2014, 9 desceram para os andares de baixo até 2018. Isso representa 171 mil domicílios a menos. A classe B, apesar de ter abrigado parte dos que caíram da classe A, também encolheu – no balanço final, perdeu 128 mil domicílios.

O mercado de carros importados também caiu. Para cada 5 carros importados licenciados no Brasil em 2014, apenas 2 foram licenciados em 2018

As classes C, D e E cresceram. Para cada 100 domicílios que pertenciam a essas classes em 2014, passou a haver 108 em 2018. Isso é um aumento de 4,2 milhões de residências. Esse crescimento ocorreu de duas formas: os andares de baixo receberam famílias vindas dos andares de cima e, além disso, abrigaram a maior parte dos lares que surgiram nesse período.

O Norte foi a região onde houve maior mudança nas classes de consumo desde o início da crise: o que antes era um diamante se transformou numa pirâmide. De 2014 a 2018, as classes D e E passaram de 39 para 47 entre 100 casas. Hoje, o Norte é a região do Brasil com mais gente no andar de baixo, proporcionalmente.

Fontes: Abep (Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa); IBGE; Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores); Ministério da Cidadania.

Dados abertos: Acesse a planilha que serviu de base para a reportagem.



Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Ovo indiciado

Delegada qualifica arremesso de ovo como tentativa de homicídio e prende acusada de atacar Marcha pela Família Cristã

Quem é o terrorista?

Dez questões para ajudar a entender por que o novo projeto de lei contra o terrorismo ameaça seu direito de manifestação

Descontrole total

Documentário mostra como Trump desdenhou da Covid – inspiração seguida pelo ocupante do Planalto

Covid rouba dois anos da expectativa de vida dos brasileiros

Mortalidade associada à doença diminui esperança de vida de 77 para 75 anos; Rio e Porto Alegre registraram mais mortes que nascimentos em 2020

Desenvolver vacina no Brasil é dose

Além do coronavírus, cientista batalha contra negacionismo, orçamento curto, burocracia e exaustão

Memória de uma dor sem fim

Mãe da menina Isabella Nardoni, assassinada em 2008, troca mensagens de apoio com o pai do menino Henry Borel

“Queremos testar medicamento contra Covid no Brasil”

Brasileiro reproduz em laboratório de universidade americana anticorpos que combatem coronavírus

Mais textos