Igualdades

Poder de compra ladeira abaixo

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
30set2019_08h13

A crise econômica empobreceu o Brasil e reduziu o poder de compra de grande parte da população. Desde o início da crise, em 2014, as classes de consumo A e B encolheram. Com isso, cada vez mais gente passou a ocupar os andares de baixo. Até 2018, as classes C, D e E ganharam 4,2 milhões de domicílios, total equivalente a uma cidade de São Paulo. O =igualdades explica o que mudou na dinâmica das classes de consumo no país, de acordo com medição da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep). A estimativa da renda média domiciliar de cada grupo é de R$ 25,6 mil para a classe A; R$ 6,8 mil para a classe B; R$ 2,3 mil para a classe C; e R$ 720 para as classes D e E.

Em 2018, a divisão das classes de consumo brasileira parecia um diamante invertido. De cada 100 casas, 28 estavam nas classes D e E. Outras 48 casas faziam parte da classe C. Mais 21 integravam a classe B, e 2,5 estavam na classe A.

A definição das classes de consumo leva em conta, além da renda média, as características de cada domicílio, o grau de instrução do chefe de família e o acesso a bens de consumo. Assim, é possível traçar um perfil médio de cada classe. Na ponta de cima, a classe A se distingue pela quantidade de automóveis e pela presença de empregados domésticos. Já na base, as classes E são marcadas, principalmente, pela falta de saneamento básico e água encanada.

Para cada 100 domicílios que existiam na classe A em 2014, 9 desceram para os andares de baixo até 2018. Isso representa 171 mil domicílios a menos. A classe B, apesar de ter abrigado parte dos que caíram da classe A, também encolheu – no balanço final, perdeu 128 mil domicílios.

O mercado de carros importados também caiu. Para cada 5 carros importados licenciados no Brasil em 2014, apenas 2 foram licenciados em 2018

As classes C, D e E cresceram. Para cada 100 domicílios que pertenciam a essas classes em 2014, passou a haver 108 em 2018. Isso é um aumento de 4,2 milhões de residências. Esse crescimento ocorreu de duas formas: os andares de baixo receberam famílias vindas dos andares de cima e, além disso, abrigaram a maior parte dos lares que surgiram nesse período.

O Norte foi a região onde houve maior mudança nas classes de consumo desde o início da crise: o que antes era um diamante se transformou numa pirâmide. De 2014 a 2018, as classes D e E passaram de 39 para 47 entre 100 casas. Hoje, o Norte é a região do Brasil com mais gente no andar de baixo, proporcionalmente.

Fontes: Abep (Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa); IBGE; Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores); Ministério da Cidadania.

Dados abertos: Acesse a planilha que serviu de base para a reportagem.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

2020 – Esperança vã

Propósito deliberado do governo Bolsonaro é asfixiar atividade cinematográfica

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

Em busca do centro perdido

Cinco partidos se reúnem em torno de Rodrigo Maia, assumem o nome de Centro e investem nas redes contra a "guerra dos extremos"

Coringa – violência e corrupção globalizada

Filme lida com sentimento de revolta da população contra opressão sofrida nas grandes cidades

Dourando a bala

Pela décima primeira vez, Bolsonaro quer aprovar excludente de ilicitude; presidente ressuscita projetos de quando era deputado para eximir agentes de segurança que cometam “excessos”

Conexão Argentina – nova rota de armas frias

Pistola usada para matar marido de deputada saiu de Buenos Aires, passou pelo Paraguai e pelo Complexo da Maré antes de chegar a Niterói 

Mais textos
1

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

2

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

3

Em busca do centro perdido

Cinco partidos se reúnem em torno de Rodrigo Maia, assumem o nome de Centro e investem nas redes contra a "guerra dos extremos"

5

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

7

Contagem regressiva

A responsabilidade do campo democrático para evitar a catástrofe

8
10

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas