Igualdades

A polícia que mais mata

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
26ago2019_06h18

A polícia do estado do Rio de Janeiro é a mais letal do Brasil. Em 2018, foi responsável pelas mortes de 9 a cada 100 mil habitantes – uma taxa três vezes e meia maior que nos demais estados do país. O número de vítimas da polícia fluminense vem crescendo de forma ininterrupta há cinco anos. Em 2018, foi recorde. Os dados iniciais de 2019 apontam para nova alta. De janeiro a julho, policiais do Rio de Janeiro mataram 1.075 pessoas – o dobro de mortes cometidas pela polícia dos Estados Unidos nesse mesmo período. Esta semana, o =igualdades explica em números a violência policial do Rio de Janeiro.

Em 2018, a taxa de mortos pela polícia no Rio de Janeiro (9 a cada 100 mil habitantes) foi cerca de 5 vezes a taxa de mortes provocadas pela polícia em São Paulo (2 a cada 100 mil).

No Brasil, 6.160 pessoas morreram nas mãos da polícia em 2018. Dessas, 1.534 foram mortas no Rio de Janeiro. Ou seja, a cada 4 mortes cometidas pela polícia no Brasil, 1 foi no Rio de Janeiro.

Os assassinatos cometidos pela polícia no estado do Rio de Janeiro vêm crescendo desde 2014. Naquele ano, foram 584 vítimas da polícia. Em 2018, o número quase triplicou, chegando a 1.534 mortes, um recorde histórico.

Os números iniciais de 2019 indicam que o recorde de 2018 pode ser superado. Nos primeiros sete meses do ano passado, a polícia matou 899 pessoas – em média, 29 por semana. Já de janeiro a julho deste ano, foram 1.075 mortos – em média, 35 por semana. Nos últimos vinte anos, a polícia carioca nunca havia matado tanto em um período de sete meses.

O número de pessoas mortas pela polícia do Rio entre janeiro e julho deste ano, 1.075, é o dobro de todas as mortes causadas pela polícia nos Estados Unidos nesse mesmo período (528). Os Estados Unidos têm 19 vezes a população do estado do Rio.

De cada 13 mortos pela polícia no Rio de Janeiro no ano passado, 7 eram pardos, 4 negros e 2 brancos. A declaração de cor das vítimas é feita pelo próprio policial no momento em que a ocorrência é registrada.

O Rio de Janeiro também é um dos estados do Brasil onde mais morrem policiais. Entre janeiro e julho deste ano, 29 policiais militares foram mortos em serviço e fora dele. Ainda assim, para cada agente morto em 2019 no Rio, 37 pessoas foram mortas por policiais.

 

Fontes: Instituto de Segurança Pública (ISP); Monitor da Violência; IBGE; United States Census Bureau; Polícia Militar do Rio de Janeiro; The Washington Post.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí e produtor da rádio piauí

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

5

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

8

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

10

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana