Igualdades

A polícia que mais mata

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
26ago2019_06h18

A polícia do estado do Rio de Janeiro é a mais letal do Brasil. Em 2018, foi responsável pelas mortes de 9 a cada 100 mil habitantes – uma taxa três vezes e meia maior que nos demais estados do país. O número de vítimas da polícia fluminense vem crescendo de forma ininterrupta há cinco anos. Em 2018, foi recorde. Os dados iniciais de 2019 apontam para nova alta. De janeiro a julho, policiais do Rio de Janeiro mataram 1.075 pessoas – o dobro de mortes cometidas pela polícia dos Estados Unidos nesse mesmo período. Esta semana, o =igualdades explica em números a violência policial do Rio de Janeiro.

Em 2018, a taxa de mortos pela polícia no Rio de Janeiro (9 a cada 100 mil habitantes) foi cerca de 5 vezes a taxa de mortes provocadas pela polícia em São Paulo (2 a cada 100 mil).

No Brasil, 6.160 pessoas morreram nas mãos da polícia em 2018. Dessas, 1.534 foram mortas no Rio de Janeiro. Ou seja, a cada 4 mortes cometidas pela polícia no Brasil, 1 foi no Rio de Janeiro.

Os assassinatos cometidos pela polícia no estado do Rio de Janeiro vêm crescendo desde 2014. Naquele ano, foram 584 vítimas da polícia. Em 2018, o número quase triplicou, chegando a 1.534 mortes, um recorde histórico.



Os números iniciais de 2019 indicam que o recorde de 2018 pode ser superado. Nos primeiros sete meses do ano passado, a polícia matou 899 pessoas – em média, 29 por semana. Já de janeiro a julho deste ano, foram 1.075 mortos – em média, 35 por semana. Nos últimos vinte anos, a polícia carioca nunca havia matado tanto em um período de sete meses.

O número de pessoas mortas pela polícia do Rio entre janeiro e julho deste ano, 1.075, é o dobro de todas as mortes causadas pela polícia nos Estados Unidos nesse mesmo período (528). Os Estados Unidos têm 19 vezes a população do estado do Rio.

De cada 13 mortos pela polícia no Rio de Janeiro no ano passado, 7 eram pardos, 4 pretos e 2 brancos. A declaração de cor das vítimas é feita pelo próprio policial no momento em que a ocorrência é registrada.

O Rio de Janeiro também é um dos estados do Brasil onde mais morrem policiais. Entre janeiro e julho deste ano, 29 policiais militares foram mortos em serviço e fora dele. Ainda assim, para cada agente morto em 2019 no Rio, 37 pessoas foram mortas por policiais.

 

Fontes: Instituto de Segurança Pública (ISP); Monitor da Violência; IBGE; United States Census Bureau; Polícia Militar do Rio de Janeiro; The Washington Post.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

O resgate da sucuri amarela

Expedição avança no Pantanal Norte e se depara com centenas de animais mortos pelo fogo

Google vai pagar por conteúdos jornalísticos

No Brasil, mais de vinte veículos, entre eles a piauí, participam do "Destaques", projeto de licenciamento de conteúdo

Um remédio que evita a internação

Eli Lilly anuncia que, em testes clínicos, um anticorpo monoclonal criado pelo laboratório reduziu em 72% internações por Covid-19; chineses também avançam nessa terapia

Aldeias na mira do tráfico

Assassinatos de dois adolescentes indígenas, mortos com sinais de tortura no Acre, alertam para  o avanço de facções criminosas em territórios protegidos 

Sonhos de Patrício Guzmán e Jorgen Leth

Quanto tempo levaremos para nos recuperar após tudo isso?

Invasão de privacidade chancelada por lei

Professor da USP defende alteração na Lei de Proteção de Dados para que Estado brasileiro não seja autorizado a compartilhar em massa informações dos cidadãos

Brasil de costas para a ciência

Pesquisa inédita realizada em vinte países mostra que brasileiros são os que menos acreditam em seus cientistas

Mais textos
4

Um café na lanchonete

A história de Saeed, dos pais de Saeed – e o segredo de Nadia

5

Proust ─ Do pêndulo ao calendário

O acesso à riqueza de Tempo Perdido não requer preâmbulos. Demanda algo que está fora da obra e é cada vez mais complicado de conseguir: tempo e concentração

6

Desenhando esquinas

Andrés Sandoval explica o processo por trás das ilustrações que adornam a piauí desde a primeira edição.

9

Melhor que a véspera

Francenildo mais perto do desfecho