Igualdades

A polícia que mais mata

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
26ago2019_06h18

A polícia do estado do Rio de Janeiro é a mais letal do Brasil. Em 2018, foi responsável pelas mortes de 9 a cada 100 mil habitantes – uma taxa três vezes e meia maior que nos demais estados do país. O número de vítimas da polícia fluminense vem crescendo de forma ininterrupta há cinco anos. Em 2018, foi recorde. Os dados iniciais de 2019 apontam para nova alta. De janeiro a julho, policiais do Rio de Janeiro mataram 1.075 pessoas – o dobro de mortes cometidas pela polícia dos Estados Unidos nesse mesmo período. Esta semana, o =igualdades explica em números a violência policial do Rio de Janeiro.

Em 2018, a taxa de mortos pela polícia no Rio de Janeiro (9 a cada 100 mil habitantes) foi cerca de 5 vezes a taxa de mortes provocadas pela polícia em São Paulo (2 a cada 100 mil).

No Brasil, 6.160 pessoas morreram nas mãos da polícia em 2018. Dessas, 1.534 foram mortas no Rio de Janeiro. Ou seja, a cada 4 mortes cometidas pela polícia no Brasil, 1 foi no Rio de Janeiro.

Os assassinatos cometidos pela polícia no estado do Rio de Janeiro vêm crescendo desde 2014. Naquele ano, foram 584 vítimas da polícia. Em 2018, o número quase triplicou, chegando a 1.534 mortes, um recorde histórico.

Os números iniciais de 2019 indicam que o recorde de 2018 pode ser superado. Nos primeiros sete meses do ano passado, a polícia matou 899 pessoas – em média, 29 por semana. Já de janeiro a julho deste ano, foram 1.075 mortos – em média, 35 por semana. Nos últimos vinte anos, a polícia carioca nunca havia matado tanto em um período de sete meses.

O número de pessoas mortas pela polícia do Rio entre janeiro e julho deste ano, 1.075, é o dobro de todas as mortes causadas pela polícia nos Estados Unidos nesse mesmo período (528). Os Estados Unidos têm 19 vezes a população do estado do Rio.

De cada 13 mortos pela polícia no Rio de Janeiro no ano passado, 7 eram pardos, 4 pretos e 2 brancos. A declaração de cor das vítimas é feita pelo próprio policial no momento em que a ocorrência é registrada.

O Rio de Janeiro também é um dos estados do Brasil onde mais morrem policiais. Entre janeiro e julho deste ano, 29 policiais militares foram mortos em serviço e fora dele. Ainda assim, para cada agente morto em 2019 no Rio, 37 pessoas foram mortas por policiais.

 

Fontes: Instituto de Segurança Pública (ISP); Monitor da Violência; IBGE; United States Census Bureau; Polícia Militar do Rio de Janeiro; The Washington Post.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Foro de Teresina #102: Tensão máxima no Planalto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

5

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

6

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

7

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

8

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

9

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA