Igualdades

Porteira aberta para os agrotóxicos

Emily Almeida, Luigi Mazza e Renata Buono
27maio2019_09h55

Poucas coisas funcionam com tanta eficiência no governo Bolsonaro quanto a liberação do uso de agrotóxicos. Em menos de cinco meses de mandato, o país abriu as portas para 169 venenos desse tipo – que são usados em larga escala para combater pragas na agricultura e podem causar danos ao meio ambiente, aos animais e ao ser humano. Não é de hoje que o país tem destaque no uso desses produtos: em 2016, as lavouras brasileiras receberam um quinto de todo o agrotóxico usado no mundo.

A média mensal de liberação de agrotóxicos durante o governo Bolsonaro é 3 vezes maior do que a de 2009 a 2015. A aprovação de uso de agrotóxicos cresceu no governo Temer e continua acelerando.

Em média, o Brasil importa por ano 363 mil toneladas de agrotóxicos – o mesmo peso do Empire State Building, em Nova York.

Em 2016, o Brasil aplicou 777,4 mil toneladas de agrotóxicos agrícolas nas suas lavouras – praticamente o dobro do que foi aplicado nos Estados Unidos (407,7 mil toneladas). Os Estados Unidos são os maiores exportadores mundiais de produtos agrícolas, enquanto o Brasil ocupa o quinto lugar nesse ranking.

Registrar um agrotóxico no Brasil custava, em 2015, 526 dólares. Segundo a Anvisa, naquele ano, a mesma operação saía por 630 mil dólares nos Estados Unidos – 1.197 vezes mais caro.

Para cada litro de cerveja que o Brasil exportou para a Argentina em 2018, importou do país dois quilos de inseticida.

O risco de alguém se contaminar com agrotóxicos ao consumir uvas é 4 vezes maior que ao comer morangos. A uva e o morango estão entre as frutas sem casca com maior prevalência de agrotóxicos.

Fontes: Ministério da Agricultura; Ibama; FAO; Ministério da Economia; Anvisa.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no jornal O Globo

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí e produtor da rádio piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #56: Moro na berlinda, Santos Cruz e Levy no olho da rua

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Moro em baixa, Bolsonaro em alta

Monitoramento revela que, após demissões e vazamentos da Lava Jato, sentimento positivo do Twitter sobre o presidente atinge ponto mais alto desde a posse

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Mais textos
1

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

2

Democracia corrompida

Políticos, empresários e partidos em vertigem no documentário de Petra Costa

3

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

4

Moro em baixa, Bolsonaro em alta

Monitoramento revela que, após demissões e vazamentos da Lava Jato, sentimento positivo do Twitter sobre o presidente atinge ponto mais alto desde a posse

6

Foro de Teresina #56: Moro na berlinda, Santos Cruz e Levy no olho da rua

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

7

O radical

Como Roberto Alvim faz teatro

8

Desastres em cascata

O sistema climático sob o qual foi criada a civilização está morto