=igualdades

Proporção de negros e indígenas nas universidades triplicou em 21 anos no Brasil

Lianne Ceará, Marcos Amorozo e Renata Buono
13maio2021_10h55

O percentual de estudantes pretos, pardos e indígenas nas universidades brasileiras  era historicamente muito baixo. Em 1999, eles eram apenas 15 a cada 100 estudantes, embora representassem quase metade da população brasileira. A partir de 2000, a participação de negros e indígenas só aumentou, graças a políticas públicas de ação afirmativa e democratização do ensino superior. A Lei de Cotas, instituída em 2012, foi decisiva para esse processo ao reservar para negros, indígenas e alunos da escola pública pelo menos 50% das vagas disponíveis no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), principal porta de entrada na universidade. Com isso, a parcela de alunos negros e indígenas nas universidades triplicou em 20 anos no Brasil: em 2019, eles eram 46 a cada 100. 

Até hoje, porém, que a democratização do acesso à universidade não se deu de forma igual em todos os cursos.  Estudantes negros e indígenas ainda estão sub-representados em cursos considerados “de elite”, como medicina, direito e as engenharias. Para especialistas, questões estruturais, como a qualidade do ensino básico e a altíssima competitividade nos exames de ingresso nas universidades, acaba atrapalhando uma distribuição igualitária das vagas em todas as áreas.

Fonte: Caderno de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais do Inep

Lianne Ceará (siga @lianneceara no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Marcos Amorozo (siga @marcosamrz no Twitter)

Estagiário de jornalismo na piauí, é estudante da Universidade de Brasília (UnB)

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

O padre, o filho e a pensão alimentícia

Justiça manda religioso pagar três salários mínimos mensais a ex-fiel que diz ter tido um romance e um filho com ele; o padre nega

Pela simplificação dos planos diretores

Legislação complicada e genérica precisa ser substituída por outra capaz de ser entendida pela população

O encalhe de Pantanal e Dona Beija

Acervo com mais de 25 mil fitas da Rede Manchete vai a leilão, mas não atrai nenhum comprador

Foro de Teresina #154: Boom, bola e bolso

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dias de alívio e de pranto

Vestibulanda relata angústia de ver sua avó, vacinada, se recuperar da Covid, enquanto um amigo chorava a morte do pai, sem vacina

Mais textos