Igualdades

Recuperação lenta do emprego

Emily Almeida, Amanda Rossi e Renata Buono
28out2019_11h00

O número de brasileiros desempregados ainda é preocupante – em agosto, cerca de 12,6 milhões de cidadãos estavam sem ocupação. Mas dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged, mostram que, de janeiro a setembro, o ano de 2019 teve mais contratações com carteira assinada que demissões, sendo o terceiro ano seguido com saldo positivo em nível nacional. Ainda assim, algumas cidades tiveram mais postos de trabalho fechados que abertos, e nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste há mais vagas para os cidadãos que na região Norte e Nordeste. No =igualdades desta semana, a situação do emprego no Brasil. 

Para cada 10 empregos com carteira assinada perdidos este ano, de janeiro a setembro, foram criados outros 11

 

É o terceiro ano seguido com criação de vagas com carteira assinada, depois de dois anos com mais demissões que contratações. Porém, a criação de novos postos de trabalho registrados ainda é bem menor do que antes da crise. 

Todas as regiões ganharam vagas com carteira assinada este ano. Mas o ritmo de crescimento no Centro-Oeste é mais de 3 vezes o visto no Nordeste.



Nos últimos doze meses, o setor do comércio criou 116 mil novas vagas. Já o de serviços – que inclui trabalhadores no setor de transporte, educação, saúde –, teve 377 mil vagas a mais. Assim, para cada vaga que o setor de comércio criou, o de serviços criou 3

Minas Gerais lidera na criação de vagas no setor de construção civil desde janeiro, com 27 mil novas posições. O estado do Ceará segue o caminho oposto – perdeu, até setembro, 2,3 mil vagas. Para cada 10 vagas geradas em Minas, 1 foi perdida no Ceará. 

A maior parte dos brasileiros não têm carteira assinada. Segundo a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), 93,6 milhões de pessoas estão ocupadas no Brasil, sendo que apenas 36 milhões são registradas. Outras 43 milhões trabalham sem carteira ou por conta própria.

O setor que mais tem empregos com carteira assinada é o de serviços. São 17,7 milhões de vagas. É mais que o número de empregos na indústria e no comércio juntos.

Nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste há, em média, 23 vagas com carteira assinada para cada 100 pessoas da população. Nas regiões Norte e Nordeste o número é mais reduzido – há 11 vagas para cada 100 pessoas, em média.

 

Fontes: Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, e Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), do IBGE.

Dados abertos: Acesse a planilha que serviu de base para a reportagem.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

No rastro da Covid-19

Como duas cidades brasileiras aplicam a metodologia do contact tracing para reconstituir o percurso do vírus e reduzir o contágio

A irreverência contra o ódio

Comediante alerta para a máquina de disseminação de mentiras na internet

Brasil precisa de um SUS no transporte público

Ônibus e trens ficaram ainda mais cheios na pandemia; contágio entre os mais pobres escancara abismo social no país

A Terra é redonda: Depois da pandemia

Especialistas discutem como ficam a saúde mental, a luta contra o racismo, a vigilância e a confiança na ciência no mundo pós-coronavírus

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

3

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

4

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

5

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

6

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

8

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

9

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

10

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados