Igualdades

Renda para poucos, imposto para todos

Luigi Mazza e Renata Buono
29jul2019_08h02

No Brasil, a declaração do Imposto de Renda existe para apenas 29 milhões de pessoas, ou 14% da população. Sobre os demais brasileiros, recaem principalmente os tributos sobre o consumo – que abarcam quase toda a população e, diferentemente das taxas sobre renda, cobram a mesma porcentagem de dinheiro dos pobres e dos ricos. Estes, por sua vez, deveriam arcar com a maior fatia dos impostos de renda, mas recebem tratamento especial do Leão: no clube dos 4% mais ricos, metade dos rendimentos não são taxados. O =igualdades desta semana é sobre a carga tributária no Brasil.

A carga tributária no Brasil é de 32,3% do PIB nacional – fatia maior do que na Turquia (25,5%) e no Chile (20,4%), países com PIB per capita similar ao brasileiro. No entanto, tomando como base a arrecadação per capita, os três países têm a mesma carga tributária anual: US$ 2,8 mil por habitante.

Os impostos sobre renda e lucros representam 19,2% da carga tributária do Brasil. Já os impostos sobre consumo de bens e serviços respondem por 48,4% dessa carga. Ou seja, para cada R$ 1 arrecadado com impostos de renda, R$ 2,50 são arrecadados com impostos sobre bens e serviços, pagos igualmente por todos.

No ano passado, 29,1 milhões de pessoas declararam Imposto de Renda no Brasil. Desse total, os 4% mais ricos (1,1 milhão de pessoas) declararam rendimentos de R$ 1 trilhão à Receita Federal – o equivalente a um terço de tudo o que foi declarado. Os 96% restantes declararam os outros dois terços.

A cada R$ 5 declarados pelo grupo dos 4% mais ricos, R$ 2,50 foram isentos de tributação. Já entre os demais contribuintes, de cada R$ 5 declarados, apenas R$ 1 foi isento.

O Distrito Federal é a unidade da federação onde os declarantes de Imposto de Renda têm a maior renda tributável per capita: R$ 95 mil por ano. Isso equivale a 1,6 vezes a renda tributável per capita do estado de São Paulo (R$ 59 mil).

A renda tributável per capita dos funcionários públicos no Brasil (R$ 89 mil) é 2,5 vezes maior que a dos donos de empresas (R$ 33,8 mil).

A indústria de transformação é o setor da economia brasileira que mais recolhe impostos no Brasil. Em 2018, arrecadou R$ 258 bilhões. Isso é o dobro do que foi arrecadado com impostos no comércio (R$ 126,5 bilhões).

Fontes: Receita Federal; Banco Mundial; Instituição Fiscal Independente (IFI); Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí e produtor da rádio piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

7

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

8

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor

10

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos