Igualdades

Sob a sombra do apagão

Hellen Guimarães, João Gado F. Costa, Antonio S. Piltcher e Renata Buono
07jun2021_09h00

O Brasil vive sua pior crise hídrica em 91 anos, diante de uma escassez de chuvas que se estende desde 2019 e se intensificou em fevereiro de 2021. Desde que o país começou a medir os níveis de chuva, em 1931, os registros de setembro a maio nunca foram tão baixos como neste último período. O resultado é que a estação mais seca começa com os reservatórios em nível crítico: o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, o maior do país, está no patamar mais baixo desde 2015, com menos de 35% da capacidade preenchida. As consequências já chegam ao bolso: a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai usar a bandeira vermelha 2, a mais cara, para as contas de junho, e diz que o baixo nível dos reservatórios “aponta para um horizonte com reduzida geração hidrelétrica e aumento da produção termelétricas”. Como 65% da matriz elétrica brasileira é composta pela energia produzida nas usinas hidrelétricas, a sombra do apagão se projeta. Para atender à demanda de Sudeste/Centro-Oeste, já é necessário “puxar energia” do Norte, onde os reservatórios estão mais abastecidos. Uma falha nessa transmissão, segundo o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, é a causa do apagão em algumas áreas do país na virada do mês. Veja mais detalhes no =igualdades, em parceria da piauí com o site de jornalismo de dados Pindograma.

Na série histórica registrada desde o ano 2000, os reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste têm um volume útil mediano de 64% no mês de maio. O abastecimento de maio de 2021, 32,1%, só é maior que os volumes registrados em 2015 e 2001, 31,6% e 30,4%, respectivamente. 2020, um ano mais próximo do padrão histórico, teve volume de 54,6% no mês de maio, por exemplo.

Ao fim de maio de 2021, o subsistema Sudeste/Centro-Oeste operava com apenas 32,11% da capacidade, o menor nível do país. O Norte tinha a melhor situação entre as cinco regiões brasileiras: seus reservatórios estavam com 84,47% da capacidade. Já o subsistema do Nordeste, o segundo mais abastecido do Brasil, operava com 63,44% de sua capacidade, duas vezes o nível do Sudeste/Centro-Oeste. Os reservatórios do Sul estavam em 57,46%, o equivalente a 1,8 vezes o nível registrado no subsistema Sudeste/Centro-Oeste.

Nota: Os dados consideram a Energia Armazenada (EAR) disponível em cada subsistema. Ela corresponde à energia que pode ser produzida pelo volume de água armazenado nos reservatórios.

Em junho de 2020, o Brasil consumiu 35.630 GWh de energia elétrica. Considerando um consumo similar para o mesmo mês deste ano e a determinação da bandeira tarifária vermelha 2, que encarece o custo da energia em todo o país, a conta de luz do Brasil pode subir R$ 2,7 bilhões e junho de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado.

Em maio, o acumulado de chuva na Bacia do Paraná foi de 27 mm. Isso equivale a pouco mais de um quarto da média climatológica histórica do período, que é de 98 mm. A situação fez o Sistema Nacional de Meteorologia emitir, pela primeira vez na história, um alerta conjunto de emergência hídrica para a bacia, reiterado pela Agência Nacional das Águas (ANA) nesta terça (1). A bacia abrange, além do estado homônimo, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás. A média climatológica considera os valores mensais disponíveis nas duas séries climatológicas de referência, 1931-1960 e 1961-1990, mantidas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).

Dos 63,8 GWmed de energia elétrica produzidos no país em maio de 2021, as usinas térmicas brasileiras produziram 9,6 GWmed – 15% do total. Em 2020, as térmicas produziram 5,3 de 56,5 GWmed em maio, isto é, 9,4%. Além de mais caras para operar, esse tipo de usina também depende da queima de combustíveis, gerando mais poluição que outras fontes energéticas. Apesar do aumento, a proporção ainda está abaixo dos anos de 2014 e 2015, quando as térmicas representaram mais de 20% da energia produzida no mês de maio.

No Sudeste, o consumo médio de água é de 143 litros por dia para cada membro de uma família. Isso corresponde a um gasto 70% maior do que aquele verificado no Norte. Nessa região, cada pessoa usa, em média, 84 litros de água por dia. É a segunda região mais econômica do Brasil, superada apenas pelo Nordeste, onde a média é de 83 litros.

Em maio de 2021, a média do nível do Rio Negro foi de 29,63 metros, isto é, 1,81 metro mais alto que a média para todos os meses de maio desde 2000, ficando atrás apenas do mês de maio de 2012. Nos dias 30 e 31 de maio, o nível do rio atingiu 29,97 metros, igualando os recordes de maio de 2012.

Hellen Guimarães (siga @HellenGuimaraes no Twitter)

Repórter da piauí. Trabalhou em O Globo, Extra, Época e Agência Lupa

João Gado F. Costa (siga @jgfcosta no Twitter)

É repórter do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de linguística na Universidade de Columbia, em Nova York.

Antonio S. Piltcher (siga @pindograma no Twitter)

É cientista de dados do Pindograma, site de jornalismo de dados, e estudante de filosofia e ciência da computação na Universidade de Columbia, em Nova York.

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Um hospital de referência onde falta de tudo

Médico residente no Hospital São Paulo relata como, diante do sucessivo corte de verbas federais, profissionais trabalham sem agulha nem medicamentos

O berço dos ‘nobres guerreiros de alma leve’

Como funciona o projeto social em Salvador de onde saíram Hebert Conceição, finalista olímpico no boxe, e outros campeões

Terceira dose, eis a questão

Especialistas discutem riscos de usar aplicação extra de vacina contra a Covid antes de garantir imunização completa para toda a população

A linha cruzada de Max

Como um empurrão de Flávio Bolsonaro ajudou a minúscula telecom do dono da Precisa Medicamentos – e por que a Xis está no jogo bilionário do 5G

Cinemateca Brasileira em chamas – II

Foi preciso um fogaréu para comover quem ignorou o abandono da instituição

Garras olímpicas

Mais presentes nos pódios brasileiros do que em edições passadas, unhas decoradas também são parte da história dos jogos

Mais textos