Igualdades

Sobre o óleo derramado

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
04nov2019_10h04

Já faz dois meses que manchas de óleo começaram a aparecer nas praias do Nordeste, dando início a uma das maiores crises ambientais da história do país. Até o momento, foram recolhidas mais de 4,5 mil toneladas de óleo misturado com areia em todos os estados nordestinos. Considerando apenas o óleo, seria suficiente para preencher 27 mil barris de petróleo. E é provável que o número aumente: como esse material tóxico não afunda nem boia, mas fica mergulhado, podem aparecer no litoral novas manchas ainda não identificadas no mar. O =igualdades desta semana explica o que se sabe até agora sobre o óleo encontrado no Nordeste.

O volume de óleo recolhido no Nordeste já ultrapassa 4,5 mil toneladas, segundo estimativas de oito de nove estados da região. Para retirar essa quantidade de material das praias, são necessários cerca de 750 caminhões de eixo simples.

A quantidade removida inclui tanto óleo quanto areia, que acabou sendo retirada junto e equivale a cerca de 10% do volume total. Considerando apenas o óleo, seriam 4 mil toneladas, suficientes para preencher cerca de 27 mil barris.

O navio grego Bouboulina – apontado até agora pela Polícia Federal como responsável pelo vazamento – tem capacidade para carregar 164 mil toneladas. Isso corresponde a 40 vezes o total de óleo que foi coletado até agora nas praias do Nordeste. Ainda não se sabe quanto o navio carregava nem quanto teria vazado.



O navio do Greenpeace que passou pela costa brasileira, o Esperanza, tem capacidade para carregar no máximo 425 toneladas (incluindo tripulação, combustível, bagagens e equipamentos). Para transportar todo o óleo que já foi recolhido nas praias do Nordeste, seriam necessários 10 navios como esse, sem carregar nada além de óleo.

A cada 10 toneladas de óleo e areia removidas no Nordeste, 4 foram no estado de Alagoas, 3 em Pernambuco, 2 no Sergipe e 1 nos demais estados.

Em número de praias contaminadas pelo óleo, o destaque é a Bahia. Dos 283 locais atingidos até 30 de outubro, 74 estão na Bahia. Outros 51 estão no Rio Grande do Norte e 46 em Alagoas.

Na Praia de Jauá, em Camaçari, Bahia, foram recolhidas 3,2 toneladas de óleo com areia. Considerando apenas o óleo, é como se 18 barris tivessem sido derramados apenas nessa praia.

O óleo foi avistado pela primeira vez em 30 de agosto, nas praias de Pitimbu e do Conde, ambas na Paraíba. Portanto, já são dez semanas de desastre ambiental. Até agora, o pior momento ocorreu na oitava semana, entre os dias 18 e 24 de outubro, quando foram registrados 56 novos pontos onde havia óleo. É quase o dobro da primeira semana (30). 

O volume de óleo recolhido até agora em todo o Nordeste é equivalente ao que Petrobras produz de petróleo em pouco mais de 10 minutos.

Fontes: Governos dos estados nordestinos (exceto Maranhão), Marine Traffic, Ibama, Petrobras, Defesa Civil de Camaçari, cálculos do professor da Coppe/UFRJ Paulo Couto e do professor da UPE Clemente Coelho Júnior.

Dados abertos: acesse a planilha que serviu de base para a reportagem. 

Nota metodológica: para converter as toneladas de óleo em barris de petróleo, estimou-se para o óleo uma densidade equivalente a 95% da densidade da água. O resultado em metros cúbicos foi convertido em litros. Cada barril comporta 159 litros de petróleo.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

7

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

8

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

9

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

10

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer