Igualdades

Sua casa, sua dívida

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
18nov2019_06h05

Desde que foi criado, em 2009, o Minha Casa Minha Vida – programa do governo federal que subsidia e facilita o financiamento de casas e apartamentos – entregou mais de 4 milhões de imóveis populares no Brasil. Se estivessem todos numa mesma cidade, ela teria o tamanho de São Paulo, maior metrópole do hemisfério sul. São tantas casas que, a cada 13 brasileiros, um foi beneficiado pelo programa. O número de construções, no entanto, vem caindo nos últimos anos, depois de atingir um pico em 2013. Para cada 7 unidades que foram contratadas naquele ano, apenas 4 foram contratadas em 2018. O =igualdades desta semana faz um balanço dos dez anos do Minha Casa Minha Vida.

Em pouco mais de dez anos de existência, o programa Minha Casa Minha Vida entregou 4,3 milhões de unidades habitacionais. É como se o programa tivesse gerado uma nova cidade de São Paulo, em número de domicílios.

A cada 100 casas entregues pelo programa, 36 foram no Sudeste, 27 no Nordeste, 20 no Sul, 12 no Centro-Oeste e 5 no Norte.

A cada 10 casas contratadas, 2 ainda não foram entregues. Em números absolutos, trata-se de 1,3 milhão de casas cujas chaves não foram disponibilizadas.

O programa atingiu seu auge em 2013, quando foram contratadas 922 mil unidades habitacionais. Desde então, o projeto encolheu. Para cada 7 unidades habitacionais contratadas em 2013, 4 foram contratadas em 2018.

O Minha Casa Minha Vida tem tipos diferentes de imóvel e financiamento, de acordo com a faixa de renda da família. A faixa 1 é para as famílias mais pobres, com renda de até R$ 1,8 mil mensais; o programa subsidia 90% do imóvel, e as prestações não têm juros. Na faixa 1,5, a renda familiar vai até R$ 2,6 mil, e o subsídio máximo é de R$ 47,5 mil, com taxas de juros facilitadas. A faixa 2, para famílias com até R$ 4 mil de renda, tem subsídio de R$ 29 mil e taxas de juros um pouco maiores. Já a faixa 3 beneficia famílias com renda até R$ 9 mil. O imóvel não é subsidiado, e as taxas de juros são mais altas.

Desde o início do programa, de cada 100 casas contratadas, 34 foram para a faixa 1, 2 para a faixa 1,5, 52 para a faixa 2, e 12 para a faixa 3.

A faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, que recebe subsídios mais altos, está perdendo terreno. Nos primeiros cinco anos do programa, 47% das casas eram da faixa 1. Nos cinco anos seguintes, o percentual caiu para 16%. Em 2019, até julho, o governo não contratou nenhuma unidade na faixa 1.

Na faixa 1, o beneficiário precisa pagar 10% do valor do imóvel em até dez anos. As parcelas mensais vão de R$ 80 a 270. A inadimplência é alta. Este ano, de cada 10 pessoas com empréstimos ativos, 4 estão devendo.

Fontes: Ministério do Desenvolvimento Regional, via Lei de Acesso à Informação.

Dados abertos: acesse a planilha que serviu de base para a reportagem

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

2020 – Esperança vã

Propósito deliberado do governo Bolsonaro é asfixiar atividade cinematográfica

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

Em busca do centro perdido

Cinco partidos se reúnem em torno de Rodrigo Maia, assumem o nome de Centro e investem nas redes contra a "guerra dos extremos"

Mais textos