Igualdades

Sua casa, sua dívida

Luigi Mazza, Amanda Rossi e Renata Buono
18nov2019_06h05

Desde que foi criado, em 2009, o Minha Casa Minha Vida – programa do governo federal que subsidia e facilita o financiamento de casas e apartamentos – entregou mais de 4 milhões de imóveis populares no Brasil. Se estivessem todos numa mesma cidade, ela teria o tamanho de São Paulo, maior metrópole do hemisfério sul. São tantas casas que, a cada 13 brasileiros, um foi beneficiado pelo programa. O número de construções, no entanto, vem caindo nos últimos anos, depois de atingir um pico em 2013. Para cada 7 unidades que foram contratadas naquele ano, apenas 4 foram contratadas em 2018. O =igualdades desta semana faz um balanço dos dez anos do Minha Casa Minha Vida.

Em pouco mais de dez anos de existência, o programa Minha Casa Minha Vida entregou 4,3 milhões de unidades habitacionais. É como se o programa tivesse gerado uma nova cidade de São Paulo, em número de domicílios.

A cada 100 casas entregues pelo programa, 36 foram no Sudeste, 27 no Nordeste, 20 no Sul, 12 no Centro-Oeste e 5 no Norte.

A cada 10 casas contratadas, 2 ainda não foram entregues. Em números absolutos, trata-se de 1,3 milhão de casas cujas chaves não foram disponibilizadas.

O programa atingiu seu auge em 2013, quando foram contratadas 922 mil unidades habitacionais. Desde então, o projeto encolheu. Para cada 7 unidades habitacionais contratadas em 2013, 4 foram contratadas em 2018.

O Minha Casa Minha Vida tem tipos diferentes de imóvel e financiamento, de acordo com a faixa de renda da família. A faixa 1 é para as famílias mais pobres, com renda de até R$ 1,8 mil mensais; o programa subsidia 90% do imóvel, e as prestações não têm juros. Na faixa 1,5, a renda familiar vai até R$ 2,6 mil, e o subsídio máximo é de R$ 47,5 mil, com taxas de juros facilitadas. A faixa 2, para famílias com até R$ 4 mil de renda, tem subsídio de R$ 29 mil e taxas de juros um pouco maiores. Já a faixa 3 beneficia famílias com renda até R$ 9 mil. O imóvel não é subsidiado, e as taxas de juros são mais altas.

Desde o início do programa, de cada 100 casas contratadas, 34 foram para a faixa 1, 2 para a faixa 1,5, 52 para a faixa 2, e 12 para a faixa 3.

A faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, que recebe subsídios mais altos, está perdendo terreno. Nos primeiros cinco anos do programa, 47% das casas eram da faixa 1. Nos cinco anos seguintes, o percentual caiu para 16%. Em 2019, até julho, o governo não contratou nenhuma unidade na faixa 1.

Na faixa 1, o beneficiário precisa pagar 10% do valor do imóvel em até dez anos. As parcelas mensais vão de R$ 80 a 270. A inadimplência é alta. Este ano, de cada 10 pessoas com empréstimos ativos, 4 estão devendo.

Fontes: Ministério do Desenvolvimento Regional, via Lei de Acesso à Informação.

Dados abertos: acesse a planilha que serviu de base para a reportagem

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

8

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

9

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

10

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução