=igualdades

Superpensões de parentes de militares bancariam 35,5 milhões de doses da vacina da Astrazeneca

Taís Seibt, Bernardo Baron, Maria Vitória Ramos e Renata Buono
15jul2021_09h31

Em 2020, um total de 2.521 pessoas acumulou mais de uma pensão do governo federal. São pensionistas que têm parentesco com mais de um servidor que já morreu, seja ele civil ou militar. É o caso, por exemplo, de mulheres que são ao mesmo tempo filhas e viúvas de militares. Juntos, esses superpensionistas receberam R$ 582,5 milhões do governo federal no ano passado. Esse valor seria suficiente para comprar 35,5 milhões de doses da vacina da Astrazeneca contra a Covid-19 (considerando a cotação do dólar no dia 6 de julho). Ou seja: com tanto dinheiro, seria possível aplicar duas doses de vacina em praticamente toda a população da região Norte.

Ao todo, somando parentes de servidores civis e militares, o governo federal desembolsou R$ 36,6 bilhões para pagar pensões no ano passado. É um valor maior que o orçamento do Bolsa-Família, de R$ 32 bilhões. A maior fatia desse bolo vai para as famílias militares (R$ 19,3 bilhões). Isso porque os parentes de integrantes das Forças Armadas receberam, em média, R$ 6,9 mil por mês, ao passo que parentes de servidores civis ganharam em média R$ 4,7 mil. Os dados foram divulgados no Portal da Transparência no final de junho, após a agência de dados Fiquem Sabendo cobrar reiteradamente o Tribunal de Contas da União (TCU), que já havia determinado, em janeiro de 2020, que o governo tornasse públicas essas informações.

Fonte: Agência Fiquem Sabendo, com dados do Portal da Transparência; Fiocruz

Taís Seibt

Repórter e gerente de projetos da Fiquem Sabendo, agência de dados independente especializada no acesso à informação. Foi repórter e editora do Zero Hora, colaborou com diversos veículos e lidera a iniciativa Afonte Jornalismo de Dados, que promove o conhecimento sobre dados no jornalismo

Bernardo Baron

Cientista de dados da Fiquem Sabendo, agência independente especializada no acesso à informação. Também trabalha na Impulso Gov e é embaixador de tecnologia cívica da Open Knowledge Brasil

Maria Vitória Ramos

Cofundadora e diretora da Fiquem Sabendo, agência de dados independente especializada no acesso à informação. Foi repórter da Ponte Jornalismo e é autora de Indigentes: o Estado que enterra sem avisar

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

Leia também

Últimas

A noite mais fria, na capital mais fria

As histórias de quem vive nas ruas geladas de Curitiba  - e por que muitos ainda recusam acolhimento nos abrigos públicos

O limbo brasileiro em Cannes

No maior festival de cinema do mundo, protestos contra Bolsonaro e apreensão com o futuro dos filmes no país

Após o fogo, o remendo

Um dia depois do incêndio em galpão da Cinemateca Brasileira, governo publica chamada aguardada há quase um ano para tentar resolver crise da instituição; proposta inclui até cobrança de taxa para quem quiser guardar filmes no acervo

Foro de Teresina #161: Bolsonaro, o Arenão e suas obras

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Cinemateca Brasileira em chamas

Filmes e documentos foram relegados a abandono criminoso; incêndio de hoje se tornou tragédia anunciada

A farra das emendas pix no Congresso

Deputados e senadores já liberaram mais de 1 bilhão de reais em dinheiro público transferido diretamente para o caixa de estados e municípios, sem finalidade definida nem transparência

‘Bico’ proibido emprega ao menos 47 mil guardas e policiais

Pesquisa inédita revela que 6% dos profissionais da segurança pública admitem trabalhar por fora em segurança privada - o que é barrado por lei

Mais textos