colunistas

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

José Roberto de Toledo
20fev2020_14h02

A oposição mais eficiente ao governo Bolsonaro é o bolsonarismo. Muito antes dos evangélicos, foram policiais e militares que transformaram o capitão em deputado. Catapultado à Presidência, Bolsonaro assiste agora a esses mesmos policiais e militares acenderem o pavio para implodir a agenda reformista de Paulo Guedes – e, por consequência, ameaçar a aliança da farda com o capital. Como sempre, os farialimers demoraram a se dar conta. Desenhemos, pois.

Os generais resistem à reforma administrativa do ministro da Economia, atrasaram o envio do projeto ao Congresso e motivaram o mimimi de Guedes. Bolsonaro teve que embalar o ministro com um discurso jurando ser fiel “até o último dia”. Promessa de fidelidade de quem demitiu Santos Cruz, Bebianno e Onyx com requintes de crueldade.

Para dificultar o caminho das reformas de Guedes no Congresso, o general de cabelos mais brancos do Planalto disse “foda-se” ao que qualificou de chantagem parlamentar e incitou Bolsonaro a convocar seus seguidores às ruas contra deputados e senadores. Deixou o microfone aberto e foi ouvido do outro lado da praça dos Três Poderes. Confrontado, dobrou a aposta.

A maior ameaça às ilusões dos usuários de patinetes da Faria Lima vem de outro quartel, porém. Os policiais amotinados do Ceará não estão sós. Seus colegas da Paraíba também se insubordinaram. A chantagem se repete contra governadores no Espírito Santo e na  Bahia, entre outros. Em Minas Gerais ela já deu certo: o governador ultraliberal do partido Novo correu a dar um aumento de 42% para os PMs ao primeiro bater de coturno. Nem precisou da carreata de veículos policiais mandando fechar o comércio, como aconteceu na cearense Sobral antes de o senador Cid Gomes lançar uma retroescavadeira contra os portões do quartel amotinado e ser parado a tiros pelos PMs mascarados.

Em Minas, a oposição surfou no fraquejar do governador Romeu Zema e estendeu o aumento a todos os servidores estaduais. Emenda de uma deputada petista foi aprovada por 47 votos na Assembleia, mais do que o dobro do que os parlamentares fieis ao governador novidadeiro. O aumento vai cavar ainda mais fundo o poço do déficit público mineiro. Zema nem sequer pagou o 13º dos funcionários públicos no ano passado. 

O êxito dos policiais em Minas foi o primeiro dominó a cair em uma sequência de motins pré-carnavalescos da PM Brasil afora. Se derrubarem a resistência de outros governadores, os policiais provocarão mais do que uma fissura no discurso reformista de Paulo Guedes. Será a maior demonstração de que a polícia se tornou um Poder autônomo e independente, que não está sujeito aos controles democráticos.

Os patinetes vão encarar tanques, caveirões e retroescavadeiras?

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Mais textos de José Roberto de Toledo

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Políticos, vetores e pandemia

Governantes ao redor do mundo estão entre os contaminados pelo novo coronavírus

PSL, do paraíso à perdição

Pesquisa inédita do Ibope Inteligência revela que mais eleitores não votariam de jeito nenhum no partido de Bolsonaro do que no PT de Lula: 50% a 43%

Metade da Amazônia sem proteção tem 81% das queimadas

Estudo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia revela que focos de fogo estão concentrados em propriedades privadas, terras griladas e assentamentos

Maia, Witzel e 2022

A aproximação entre o presidente da Câmara e o governador do Rio para isolar Bolsonaro

Políticos dominam agenda de Moro

Parlamentares pularam de 7% para 39% dos compromissos oficiais do ministro da Justiça entre janeiro e maio

“Michelle, encolhi os ministros”

Bolsonaro se emancipa de seus tutores e mostra quem manda no governo

Uma “mula” ocasional de 2 milhões de euros

Os 39 quilos de cocaína apreendidos com militar da comitiva de Bolsonaro chamam a atenção da Polícia Federal; “mulas” costumam transportar entre um e dois quilos

2019 não virou 1961

Ruas mostram ruim/péssimo maior que ótimo/bom, mas Bolsonaro tem militância que faltou a Dilma e a Collor; segue o impasse

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

Mais textos