Igualdades

Tsunami de mortes

Amanda Gorziza e Renata Buono
01fev2021_11h04

Até 27 de janeiro, o coronavírus matou 2,1 milhões de pessoas no planeta, das quais 220 mil eram brasileiras. Em termos numéricos, é como se toda a população dos bairros de Copacabana, Ipanema e Leblon, no Rio de Janeiro, fosse varrida do mapa. Assolado pela segunda onda da pandemia, o Brasil tem hoje uma taxa de mortes pela Covid nove vezes maior que a da Índia. Ao todo, já morreram 541 indígenas que viviam em reservas homologadas no país – número equivalente a todas as mortes por Covid na Noruega. Em Manaus, onde a situação é dramática, a segunda onda conseguiu superar a letalidade da primeira: a cada cem brasileiros mortos pela Covid em janeiro, sete eram manauaras. O =igualdades dessa semana ilustra o avanço da segunda onda da pandemia sobre o Brasil.

No dia 27 de janeiro, o Brasil chegou a mais de 220 mil mortos pela Covid. As vidas perdidas até então pela doença equivalem a quase toda a população que mora nos bairros Copacabana, Ipanema e Leblon, no Rio de Janeiro.

O Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de óbitos pela Covid, logo atrás dos Estados Unidos. Em terceiro lugar está a Índia, com 153.724 óbitos. A taxa de mortes no Brasil é de 103 a cada 100 mil habitantes; na Índia, 11 mortes a cada 100 mil pessoas. Ou seja, proporcionalmente à população, a taxa de mortes pela Covid no Brasil é nove vezes a da Índia.

Até 27 de janeiro, a Covid matou pelo menos 541 indígenas que viviam em territórios homologados no Brasil. O número de mortes é equivalente aos óbitos na Noruega inteira até a mesma data. Entretanto, os dados de mortes de indígenas tendem a ser subnotificados. A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) estima que o número seja muito maior. De acordo com a organização, 947 indígenas foram mortos pela Covid-19 até 3 de fevereiro.

A capital do Rio registrou pela segunda semana consecutiva risco alto para a Covid-19. A taxa de mortes no município foi de 251 óbitos por 100 mil habitantes – quase o dobro da registrada em Paris, que teve 131 óbitos por 100 mil pessoas.

Os números de óbitos em São Paulo não trazem boas notícias. No estado, foram registradas 52.170 mortes pela Covid até 27 de janeiro. Esse número é equivalente às mortes causadas pela doença em toda a Alemanha, totalizando 53.972 até a mesma data. Entretanto, o país tem quase o dobro da população do estado de São Paulo.

Após a primeira onda, em maio, o Amazonas voltou a registrar números elevados de óbitos pela Covid no primeiro mês de 2021. A recrudescência da doença no estado fez com que aumentasse 482% o número de óbitos em janeiro, na comparação com dezembro. Foram registradas 391 mortes em dezembro e 2.275 em janeiro (até o dia 27). Enquanto isso, São Paulo teve um crescimento menor, de 18%.

A segunda onda da Covid em Manaus está sendo ainda mais letal que a primeira. Em maio de 2020, no auge da primeira onda, foram registradas 1.054 mortes pela doença na cidade. Já em janeiro, houve 1.772 novos óbitos. Ou seja, a cada 100 novas mortes registradas no país no mês de maio, 4,5 foram em Manaus. Em janeiro, são 7 a cada 100.

 

Fontes: Secretaria Especial da Saúde Indígena; Organização Mundial da Saúde; Ministério da Saúde; Santé Publique France; IBGE; Data Rio; Brasil.io; Governo de São Paulo; Consórcio de veículos de imprensa



Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje