Igualdades

No futuro, um Brasil com menos gente

Luigi Mazza e Renata Buono
01jul2019_08h09

O Brasil entrou no século XXI como a quinta nação mais populosa do mundo, mas sairá dele na 12ª posição do ranking global. O país já foi desbancado pelo Paquistão, que nos últimos anos tem crescido em ritmo acelerado: a cada brasileiro que vem ao mundo, nascem dois paquistaneses. Nas próximas décadas, será a vez de países africanos como Nigéria, Angola e Tanzânia ultrapassarem o Brasil. Enquanto reduz seu ritmo de crescimento, a população brasileira envelhece rapidamente. Em 1985, apenas 6% dos brasileiros eram idosos. Em 2015, os mais velhos já eram 12% da população.

Entre 2015 e 2019, a população brasileira aumentou em 6,5 milhões de pessoas. A população da Nigéria cresceu o triplo disso no mesmo período (19,8 milhões).

Hoje, a população do Brasil é igual à da Nigéria. Em 2055, haverá o dobro de pessoas vivendo na Nigéria.

Para cada pessoa que nasce hoje no Brasil, duas nascem no Paquistão.

Em 2008, uma a cada quatro mortes no Brasil era de pessoas com 80 anos ou mais. Em 2017, uma a cada três mortes era de pessoas nessa mesma faixa etária.

Em 1985, no Brasil, para cada criança com até 1 ano de idade havia uma pessoa com mais de 60 anos. Já em 2015, para cada criança nessa faixa etária, havia quatro idosos.

Em 2010, a proporção de idosos no Uruguai – onde os idosos têm maior peso na população, entre vários países da América do Sul – era quase duas vezes a do Brasil. Em 2050, os dois países terão a mesma proporção de idosos.

No Catar, país com a menor proporção de mulheres, há três homens para cada mulher. Na Letônia, país com a maior proporção de mulheres, há quase duas mulheres para cada homem.

A população de mulheres na Índia (656,2 milhões) é igual à população total de toda a América Latina mais Caribe (648 milhões).

Fontes: Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (ONU); Ministério da Saúde.

 

* O título deste texto foi modificado às 12h do dia 2 de julho após reclamações de leitores.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

6

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

7

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

8

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

10

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado