Igualdades

Um país ainda mais desigual

Plínio Lopes e Renata Buono
11maio2020_10h46

Um brasileiro que está entre os 10% mais ricos da população ganha o mesmo que 54 brasileiros entre os 10% mais pobres. E essa diferença cresceu nos últimos cinco anos por dois motivos: os ricos ficaram mais ricos, e os pobres, mais pobres. A desigualdade só diminuiu no Amapá e no Distrito Federal, mas aumentou nos outros 25 estados. O =igualdades desta semana mostra os abismos na renda dos brasileiros nos últimos anos.

Em 2015, um brasileiro no grupo dos 10% mais ricos recebia 39 vezes a renda de uma pessoa do grupo dos 10% mais pobres. Em 2019, a desigualdade cresceu, e o mesmo brasileiro passou a ganhar o mesmo que 54 pobres.

A desigualdade cresceu ainda mais na comparação entre os muito ricos – o 1% com maior renda – e os 10% mais pobres. Em 2015, um brasileiro muito rico o mesmo que 107 pessoas pobres. Em 2019, passou a receber o mesmo que 155 pobres.

Os pobres ficaram mais pobres. Em 2015, um brasileiro que estava entre os 10% mais pobres recebia R$ 142 mensais, em média. Em 2019, esse valor caiu 21% e foi para R$ 112. Ou seja, para cada R$ 100 que um pobre recebia em 2015, passou a receber R$ 79 em 2019.

Os muito ricos também ficaram mais ricos. Em 2015, alguém do 1% mais rico da população recebia R$ 15,2 mil, em média. Já em 2019, esse valor aumentou em 14% e foi para R$ 17,4 mil. Para cada R$ 100 que um rico recebia em 2015, passou a receber R$ 114 em 2019.

Roraima foi a unidade da federação onde a desigualdade mais cresceu. Em 2015, alguém do grupo dos 10% mais ricos do estado ganhava o mesmo que 33 pessoas do grupo dos 10% mais pobres. Em 2019, um rico ganhava o mesmo que 66 pobres. Isso aconteceu porque a renda dos mais pobres caiu pela metade. A cada R$ 100 reais que um pobre recebia em 2015, passou a receber R$ 45 em 2019.

A desigualdade só diminuiu em duas unidades da federação, Distrito Federal e Amapá, sendo que foi nesse estado a maior queda. Em 2015, considerando todos os rendimentos, uma pessoa dos 10% mais ricos do Amapá recebia por mês o mesmo que 43 do grupo dos 10% mais pobres. Em 2019, a diferença diminuiu, e um rico ganha o mesmo que 32 pobres. Isso aconteceu porque a renda dos mais ricos caiu 18% e a dos pobres subiu 11%. A cada R$ 100 reais que um rico recebia em 2015, passou a receber R$ 82 em 2019.

Os pobres são mais pobres no Maranhão: entre os 10% mais pobres, a renda domiciliar per capita média é R$ 41. E os ricos são mais ricos no Distrito Federal, onde quem está na faixa dos 10% mais ricos ganha em média R$ 10,8 mil. A cada R$ 1 que um maranhense pobre ganha, um rico no DF ganha R$ 263.

São Paulo e Distrito Federal têm os brasileiros mais ricos. No grupo dos 10% mais ricos, o DF tem renda mais alta (R$ 10,8 mil) que São Paulo (R$ 8,1 mil). Considerando só o 1% mais rico, São Paulo passa na frente (R$ 23,7 mil) do Distrito Federal (R$ 22,8 mil). Para cada R$ 100 que um paulista super-rico ganha, um do DF ganha R$ 96.

Fonte: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADc) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

* Foram considerados os rendimentos médios mensais domiciliares per capita. Todos os valores foram deflacionados para 2019.

 

Plínio Lopes (siga @Plluis no Twitter)

Repórter freelancer, trabalhou na Agência Lupa e é especializado em jornalismo de dados e fact-checking

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Às vésperas de protestos, PM associa “antifas” à violência

Polícia mineira usa símbolos e bandeiras do movimento antifascista para “reconhecimento de  possíveis manifestantes violentos”

Aula de longe, mas ao pé do ouvido

Municípios do Rio Grande do Norte apostam no rádio para manter ensino durante a quarentena e atraem adultos de volta à escola

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Mais textos
1

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

4

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

6

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

7

A gestação do menino diabo

Como traduzir Memórias Póstumas de Brás Cubas para o inglês com dicionários frágeis e bases de dados gigantescas

8

Alexandre de Moraes absolve Alexandre de Moraes em caso de plágio

Antenado com o espírito de seu tempo, Alexandre de Moraes, recém-aprovado como ministro do Supremo Tribunal Federal, usou de suas prerrogativas para se defender das acusações de plágio. "Vou escolher meu julgador. Nesse caso, serei eu mesmo."

9

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

10

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão