Igualdades

Um país ainda mais desigual

Plínio Lopes e Renata Buono
11maio2020_10h46

Um brasileiro que está entre os 10% mais ricos da população ganha o mesmo que 54 brasileiros entre os 10% mais pobres. E essa diferença cresceu nos últimos cinco anos por dois motivos: os ricos ficaram mais ricos, e os pobres, mais pobres. A desigualdade só diminuiu no Amapá e no Distrito Federal, mas aumentou nos outros 25 estados. O =igualdades desta semana mostra os abismos na renda dos brasileiros nos últimos anos.

Em 2015, um brasileiro no grupo dos 10% mais ricos recebia 39 vezes a renda de uma pessoa do grupo dos 10% mais pobres. Em 2019, a desigualdade cresceu, e o mesmo brasileiro passou a ganhar o mesmo que 54 pobres.

A desigualdade cresceu ainda mais na comparação entre os muito ricos – o 1% com maior renda – e os 10% mais pobres. Em 2015, um brasileiro muito rico o mesmo que 107 pessoas pobres. Em 2019, passou a receber o mesmo que 155 pobres.

Os pobres ficaram mais pobres. Em 2015, um brasileiro que estava entre os 10% mais pobres recebia R$ 142 mensais, em média. Em 2019, esse valor caiu 21% e foi para R$ 112. Ou seja, para cada R$ 100 que um pobre recebia em 2015, passou a receber R$ 79 em 2019.



Os muito ricos também ficaram mais ricos. Em 2015, alguém do 1% mais rico da população recebia R$ 15,2 mil, em média. Já em 2019, esse valor aumentou em 14% e foi para R$ 17,4 mil. Para cada R$ 100 que um rico recebia em 2015, passou a receber R$ 114 em 2019.

Roraima foi a unidade da federação onde a desigualdade mais cresceu. Em 2015, alguém do grupo dos 10% mais ricos do estado ganhava o mesmo que 33 pessoas do grupo dos 10% mais pobres. Em 2019, um rico ganhava o mesmo que 66 pobres. Isso aconteceu porque a renda dos mais pobres caiu pela metade. A cada R$ 100 reais que um pobre recebia em 2015, passou a receber R$ 45 em 2019.

A desigualdade só diminuiu em duas unidades da federação, Distrito Federal e Amapá, sendo que foi nesse estado a maior queda. Em 2015, considerando todos os rendimentos, uma pessoa dos 10% mais ricos do Amapá recebia por mês o mesmo que 43 do grupo dos 10% mais pobres. Em 2019, a diferença diminuiu, e um rico ganha o mesmo que 32 pobres. Isso aconteceu porque a renda dos mais ricos caiu 18% e a dos pobres subiu 11%. A cada R$ 100 reais que um rico recebia em 2015, passou a receber R$ 82 em 2019.

Os pobres são mais pobres no Maranhão: entre os 10% mais pobres, a renda domiciliar per capita média é R$ 41. E os ricos são mais ricos no Distrito Federal, onde quem está na faixa dos 10% mais ricos ganha em média R$ 10,8 mil. A cada R$ 1 que um maranhense pobre ganha, um rico no DF ganha R$ 263.

São Paulo e Distrito Federal têm os brasileiros mais ricos. No grupo dos 10% mais ricos, o DF tem renda mais alta (R$ 10,8 mil) que São Paulo (R$ 8,1 mil). Considerando só o 1% mais rico, São Paulo passa na frente (R$ 23,7 mil) do Distrito Federal (R$ 22,8 mil). Para cada R$ 100 que um paulista super-rico ganha, um do DF ganha R$ 96.

Fonte: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADc) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

* Foram considerados os rendimentos médios mensais domiciliares per capita. Todos os valores foram deflacionados para 2019.

 

Plínio Lopes (siga @Plluis no Twitter)

Repórter freelancer, trabalhou na Agência Lupa e é especializado em jornalismo de dados e fact-checking

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

4

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos