Igualdades

O custo do voto

Amanda Gorziza, Lianne Ceará, Marcos Amorozo, Hellen Guimarães e Renata Buono
23nov2020_11h09

A discrepância no custo dos votos e a alta taxa de reeleição no Executivo no país foram alguns dos números revelados nesta eleição. O =igualdades faz um raio-X de mais resultados do primeiro turno das eleições municipais.

Entre os quatro partidos que elegeram mais candidatos no Executivo, proporcionalmente, o PSD foi o teve mais prefeitos negros eleitos – 228 – representando 35,1% do total da legenda. Numericamente, o MDB foi o partido que elegeu mais – 234. Já o PSDB teve o menor índice de prefeitos negros eleitos – apenas 18,2%. Entre os que elegeram algum negro para o Executivo municipal, DC e PSOL só elegeram um prefeito pardo cada. PMB, PTC e Rede não elegeram nenhum prefeito preto ou pardo: cada um deles tem pelo menos um prefeito branco eleito em 2020.*

Quatro cidades brasileiras definiram o vencedor do Executivo municipal pela diferença de um voto. Em Itapuca, município no norte do Rio Grande do Sul, Marcos José Scorsatto (DEM) venceu seu adversário Airton Scorsatto (PTB) por apenas um voto . O prefeito eleito fez 814 votos; o opositor, que ficou em segundo lugar, teve 813 votos. Em Piquerobi (SP), Adriana do Bó (MDB) teve 1.289 votos; Gustavo, do PSDB, recebeu 1.288 votos. Em Quinta do Sol (PR), Leonardo Romero, do PSD, foi eleito com 1.703 votos. Seu adversário, Jilvan Ribeiro, do Cidadania, recebeu 1.702 votos. Em Santa Terezinha (SC), o cenário foi parecido, Genir Antonio Junckes (MDB) ganhou a prefeitura com 2.546 votos; Valquiria Schwarz (PSD) ficou em segundo lugar – 2.545 votos.

Pracuúba, no Amapá, teve o voto mais caro – R$ 115 – do Brasil, considerando a arrecadação da campanha vencedora e o total de votos obtidos; já em Pajeú do Piauí, no Piauí, o voto custou R$ 0,01. Na relação entre investimento e resultado, foi o voto mais barato do país. O voto de cidade do Amapá custou 11.500 vezes o de município no Piauí.



O PT perdeu 75 prefeituras nesta eleição se comparado com 2016. Entretanto é a legenda com maior número de candidatos a prefeitos no segundo turno – 15 das 57 cidades em que terá disputa. Seguido do PSDB, com 14 candidatos. O MDB está em 3º lugar com 12 concorrentes. Em 2016, 57 cidades definiram os prefeitos no segundo turno e o PT disputava apenas sete. Na época, o PSDB tinha candidatos em 19 cidades e o MDB em 14. A presença de candidatos petistas no segundo turno aumentou 114% de 2016 a 2020.

A reeleição foi alta em todo país. No primeiro turno, 1.714 candidatos ao Executivo conseguiram se reeleger – 55,8% do total de concorrentes. Dos 29 concorrentes à prefeitura em Mato Grosso do Sul, 75,9% conseguiram continuar no cargo – é o estado com maior taxa de reeleição. O Pará tem a menor taxa de reeleição (38,9%), mas ainda é alta – de 54 concorrentes, 21 foram reeleitos.

Com os resultados do primeiro turno, o Democratas vai governar a maior cidade – Salvador (BA) – que tem 2.886.698 habitantes. Por outro lado, o MDB, que obteve o maior número de representantes no Executivo, tem a maior cidade – Aparecida de Goiânia (GO) – com 590.146 habitantes. Já o PTB, legenda que aparece como o 9º partido que mais elegeu prefeitos, tem como maior cidade conquistada – Franco da Rocha (SP) – a população com apenas 156.492 habitantes. Ou seja, a maior cidade que um prefeito do DEM vai governar tem 16,1 vezes mais habitantes que a maior cidade conquistada pelo PTB.

Entre as capitais que vão às urnas no segundo turno para definir seus representantes, São Paulo é a maior, com uma disputa entre PSOL e PSDB. A maior capital em disputa pelo Republicanos e Democratas é o Rio de Janeiro. O PT aparece no segundo turno em Recife contra o PSB. Por outro lado, a maior cidade em que o Solidariedade está no páreo é Boa Vista – com 419.652 habitantes – contra o MDB. Ou seja, a maior capital a ser disputada por PSOL e PSDB tem 1,8 vezes mais habitantes que a disputada por Republicanos e DEM.

*Nota metodológica: foram considerados os partidos que elegeram ao menos um prefeito

Fonte: Justiça Eleitoral / Tabulação: ASK-AR

Amanda Gorziza (siga @amandalcgorziza no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Lianne Ceará (siga @lianneceara no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Marcos Amorozo (siga @marcosamrz no Twitter)

Estagiário de jornalismo na piauí

Hellen Guimarães

Repórter da piauí. Trabalhou em O Globo, Extra, Época e Agência Lupa

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.