anais do crime

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

Allan de Abreu
27fev2018_17h21
ILUSTRAÇÃO: JOÃO BRIZZI

Ao comprar uma pistola Taurus calibre 9 milímetros, em setembro passado, o segundo sargento do Exército Bruno Albuquerque Cazuca, de 35 anos, comentou em casa que buscava proteção para a onda de violência contra policiais no Rio de Janeiro – foram 134 PMs mortos em 2017. Mas o efeito foi o inverso: a arma está diretamente ligada aos assassinatos do próprio Cazuca e do tenente da Polícia Militar Guilherme Lopes da Cruz, de 26 anos, nos dias 20 e 21 de fevereiro. As duas mortes compõem um enredo de coincidências trágicas, que se desenrolou na Zona Oeste da cidade, em menos de 24 horas.

Ao escolher a arma, o sargento Cazuca sabia o que queria. A fabricante afirma em seu site que a pistola G2C 9 milímetros é “a arma ideal para o porte velado e pronto emprego”. Tem o cano curto, pesa só 610 gramas e tem capacidade para treze disparos. O militar, no Exército há mais de dez anos, era um sniper, atirador de elite da corporação. No Centro de Instrução e Operações Especiais, em Niterói, Cazuca dava aulas no Curso de Ações de Comandos, local do treinamento que inspirou a formação de policiais do Bope exibido no filme Tropa de Elite. Além de tiro, sua especialidade era o atendimento de feridos em combate. O objetivo é que, mesmo machucado, a depender da gravidade, o soldado possa continuar atirando. Nem a nova arma nem o treinamento, porém, lhe serviram nas primeiras horas da manhã do dia 20, diante de oito criminosos armados.

Natural do Rio de Janeiro, segundo mais novo de quatro irmãos, Cazuca ambicionava o posto de major do Exército. Currículo não lhe faltava. O sargento participou de operações importantes, como a missão de paz no Haiti, no segundo semestre de 2016, e a ocupação da Vila Cruzeiro, em novembro de 2010, quando dezenas de traficantes fugiram para o Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio.

Em meados de 2017, Cazuca passou a se preocupar com os sucessivos episódios de violência na antiga estrada Rio-São Paulo, na Linha Amarela e na Avenida Brasil, com arrastões e tiroteios. As duas vias ficavam no caminho entre sua casa, em Campo Grande, Zona Oeste carioca, e o centro de treinamento do Exército, em Niterói. Ele tomou então a decisão de comprar sua primeira arma de uso pessoal. No dia 22 de setembro de 2017, pagou 6 204 reais, divididos em doze parcelas de 517 reais, pela pistola – número de série TKO65466, adquirida numa loja de armamentos de Niterói –, que acabou se tornando um elemento definidor de sua vida e desta história. Era uma arma de uso restrito, que só pode ser vendida a integrantes das polícias, das Forças Armadas, do Ministério Público e do Judiciário.

No trajeto entre a casa e o trabalho, o sargento tinha o cuidado de não deixar a farda visível no carro, levando-a no porta-malas. A pistola ficava oculta entre a coxa e o assento do veículo. O militar saía de casa por volta das 5 horas da manhã e só retornava no fim da tarde. Mas, naquele dia, ninguém sabe a razão, Cazuca levou a farda verde-oliva no banco traseiro de seu Kia Picanto. Na antiga estrada Rio-São Paulo, o militar foi surpreendido por dois carros que pararam em diagonal na rodovia e fecharam a passagem. Deles saíram oito homens, todos armados com pistolas.

Neste ponto o enredo ainda é pouco conhecido da Polícia Civil. Uma das hipóteses é que o sargento saiu do carro, reagiu e foi baleado em seguida. Outra hipótese é a farda ou a pistola terem sido notadas pelos assaltantes, que o obrigaram a sair do veículo e o mataram – a Polícia Civil aguarda perícia na 9 mm para saber se houve algum disparo. Câmeras de segurança de uma empresa próxima mostram só o fim da ação, quando Cazuca cai e é assassinado com nove tiros – no ombro, pescoço, peito e coração. “A gente mata mesmo. Se reagir, a gente mata”, gritou um dos assaltantes, de acordo com testemunhas.

Além da arma de Cazuca, a quadrilha levou uma caminhonete da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e um outro carro. A mulher do sargento, a professora Lara Maria Rodrigues, de 25 anos, soube da morte do marido minutos depois, quando estava a caminho da escola em que leciona. “Perdi o chão”, disse, emocionada. O casal tem uma filha de 5 anos e um bebê que há cinco meses é gestado por Lara. “Daríamos o nome de Arthur, mas agora vai se chamar Bruno Albuquerque Cazuca Filho.”

 

Com o assassinato do sargento, entrou em cena o tenente Guilherme Lopes da Cruz. Aos 26 anos, filho de um coronel do Exército e caçula de quatro irmãos, três deles militares, Cruz ingressou na Academia da Polícia Militar do Rio em 2014. No ano passado, formou-se tenente e passou a trabalhar na Unidade de Polícia Pacificadora do Salgueiro, em São Gonçalo. De lá foi para a UPP do Andaraí e, em novembro passado, para a unidade da Vila Kennedy, na Zona Oeste, onde tornou-se subcomandante. Segundo o irmão Gustavo Lopes da Cruz, major do Exército, o irmão instalou dois aparelhos de ar-condicionado da casa dos pais na UPP e participava de trabalhos sociais no bairro, como a distribuição de roupas e brinquedos.

Minutos depois do assassinato, o comando da PM acionou a equipe do tenente, já que a principal suspeita é de que o crime tivesse sido cometido por quadrilhas da Vila Kennedy. De acordo com a investigação posterior, no fim da tarde do dia 20 a equipe de Cruz trocou tiros com traficantes da comunidade e recuperou os dois veículos e a pistola 9 mm. A arma, na versão da polícia, foi deixada em um ponto de venda de drogas abandonado pelo tráfico durante o confronto. Ninguém foi preso. “Meu irmão nem almoçou nem jantou naquele dia, correndo atrás dos criminosos”, contou o irmão Gustavo. A Polícia Civil descarta a hipótese de que, ao invadir a Vila Kennedy atrás da arma, o tenente tenha contrariado policiais corruptos interessados em acobertar os assassinos.

Por volta das 2 horas da madrugada do dia 21, o tenente Cruz, já à paisana, e dois cabos da sua equipe foram até a Delegacia de Homicídios na Barra da Tijuca entregar a pistola. Depois de preencher papéis, ele deixou o prédio às 2h40. Só então, após um dia inteiro em jejum, decidiu parar para jantar. Contrariando os conselhos dos irmãos militares, parou o carro no drive-thru de uma lanchonete McDonald’s em Jacarepaguá. “Sempre dizíamos a ele para nunca parar o carro nesses locais, porque você fica muito exposto e não tem para onde sair”, afirmou o irmão Gustavo.

Quando o tenente pegava o lanche pela janela de seu carro, um Honda HRV, três homens armados desceram de uma caminhonete Hilux e anunciaram o assalto. De acordo com as testemunhas, o PM, armado com uma pistola calibre 40, reagiu e chegou a balear um dos criminosos de raspão. Mas foi atingido por pelo menos cinco tiros. Cruz foi socorrido pelos bombeiros e levado para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra, mas não resistiu. Os assaltantes roubaram a lanchonete e fugiram. Levaram, por sua vez, a arma do tenente. A pistola foi encontrada horas depois pela PM dentro de uma lixeira na comunidade da Cachoeirinha, que fica no Complexo do Lins, Zona Norte.

“Foi uma fatalidade incrível. Ele poderia ter deixado que dois subordinados entregassem a arma na delegacia, mas quis ir pessoalmente porque sempre foi proativo. Se não tivesse ido, não estaria na lanchonete no momento do assalto e estaria vivo agora”, lamentou o irmão.

As duas mortes são investigadas pelo delegado Brenno Carnevale, da Delegacia de Homicídios na Barra. Pelo menos um dos integrantes da quadrilha que matou o sargento, um jovem de 21 anos, foi identificado. Até a manhã desta terça-feira, 27 de fevereiro, porém, ninguém havia sido preso.

A 9 mm do sargento Cazuca foi entregue ao Instituto de Criminalística para perícia. Depois, ficará à disposição do juiz do inquérito, que decidirá se será destruída ou devolvida à família do sargento. Leonardo Cazuca, irmão do militar, já sabe o que fazer com a arma. “Pedimos para o Exército buscá-la e devolver à Taurus.” A decisão não foi tomada por motivos emocionais, mas pragmáticos: quitar a dívida que o irmão conferiu ao comprar a arma. Sete parcelas da pistola 9 mm ainda têm de ser pagas, e eles decidiram não voltar a adquiri-la.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela Record

Leia também

Relacionadas Últimas

Como o PCC superou a polícia para matar um dos seus

Reportagem da piauí reconstitui os últimos dias de “Gegê do Mangue”

Temer vence 1ª batalha da longa guerra que começou no Rio

Dizendo-se contrário a como intervenção foi feita, Bolsonaro se posiciona para lucrar com sucesso ou fracasso da operação

Delegado da Polícia Federal quer mandados de busca coletivos em favelas cariocas

Para chefe antinarcóticos da PF no Rio, armas escondidas justificariam autorização judicial para busca indiscriminada em casas nos morros; defensoria diz que isso é “ilegal” e reforça “seletividade do sistema penal”

Presos vigiam e ameaçam carcereiros no WhatsApp

Em cadeia sob o domínio da facção acusada pela maior chacina do Ceará, detentos "proíbem" agentes penitenciários de circular após as 22 horas

O terror como vingança

Repórter reconstitui a vida e a morte de adolescente grávida assassinada sem motivo junto com outras sete jovens mulheres em chacina no Ceará

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Bolsonaro e Haddad vão ao JN, bombam no Twitter e crescem

Jornal Nacional foi evento mais tuitado das campanhas dos candidatos do PSL e do PT; apresentadores viraram o assunto após as entrevistas

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

Mais textos
1

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

2

SUS salva Bolsonaro por R$ 367,06

Pago pelo sistema público brasileiro, cirurgião de veias e artérias de Juiz de Fora é tirado de almoço de família para achar e conter hemorragia no candidato

3

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

4

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

5

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

6

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

7

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

8

O mínimo e o justo

Menos Estado gera mais justiça social?

9

Restam três para uma

Haddad, Ciro, Alckmin e a vaga contra Bolsonaro