Igualdades

Uma cidade nas calçadas de São Paulo

Marcella Ramos e Renata Buono
08jul2019_08h00

A Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social da prefeitura de São Paulo fez 107,5 mil atendimentos de pessoas nas ruas de São Paulo em 2018. Se essas pessoas formassem uma cidade, ela seria do tamanho de Paulínia, o 76º município mais populoso do estado.  Esse número não representa a quantidade de pessoas que de fato vive nas ruas, pois muitas estão em situação de rua momentaneamente, mas voltam para suas casas no fim do dia ou do mês. A Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social da capital mapeia essa população por meio de abordagens e questionários. Com base nesse levantamento, a piauí fez as comparações visuais desta semana.

 

 

A prefeitura de São Paulo identificou 107.578 pessoas nas ruas da capital em 2018. Isso não quer dizer que elas moraram o ano todo na rua, mas estiveram nas ruas em algum momento. É o dobro da população em situação de rua em Nova York (63.498) em dezembro de 2018. E 21,6 vezes a de Tóquio (4.977) em julho do mesmo ano.

 

Em comparação com a população, foram abordadas nas ruas em São Paulo 883 pessoas por cem mil habitantes, enquanto nas ruas de Nova York há 736 por cem mil e em Tóquio, 53 por cem mil.

 

 

Além de formar uma população igual à do 76º município mais populoso do estado, o total de pessoas identificadas nas ruas de São Paulo é equivalente à quantidade de empregados da BRF dentro e fora do Brasil (105 mil).



 

 

Ao todo, 15 mil pessoas declararam estar nas ruas por causa do desemprego. Essa quantidade é próxima ao número de funcionários da Havan (16 mil).

 

 

Das pessoas que deram um motivo para estarem nas ruas de São Paulo, o desemprego foi o mais frequente, citado por uma em cada três. Oito anos antes, em 2010, a maioria citou problemas com a família. A frequência também foi de uma para três.

 

 

Nas ruas da capital paulista, foram identificados seis vezes mais homens (92 mil) que mulheres (15,5 mil).

 

 

Uma em cada seis pessoas abordadas pela prefeitura admitiu ter dependência química. O principal problema é o alcoolismo, citado por 12 mil pessoas, enquanto menos da metade declararam ser usuários de crack (5,1 mil).

 

 

301 pessoas declararam ter ensino superior completo. Para cada diplomado, há 4,4 analfabetos (1.322). E para cada formado no ensino médio (4.419), 5,4 que não passaram do ensino fundamental (23.903)

 

 

A prefeitura identificou também 4.576 crianças de 0 a 14 anos nas ruas em 2018. Para cada uma delas, encontrou 7 adultos de 35 a 44 anos (31.693) na mesma situação.

 

Fontes: Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social da Cidade de São Paulo; Coalition for the Homeless; Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão; Havan; BRF; IBGE.

* Texto alterado às 12h27 para esclarecer que nem todas as pessoas abordadas vivem nas ruas de São Paulo permanentemente

 

Marcella Ramos (siga @marcellamrrr no Twitter)

Repórter e coordenadora de checagem da piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Gatinhos que rugem e outros bichos

Na política e nos negócios, manada digital manipula incautos

Desespero e solidariedade em Manaus

Rapaz que perdeu três parentes para a Covid relata os dias em que lutou para que sua mãe pudesse ter oxigênio 

2020 – Deletar ou nunca esquecer?

Esquecimento apaga a avaliação de erros e responsabilidades; urgente é construir memorial em homenagem às vítimas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Mais textos
1

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

2

Pontes e perdas – carta do leitor

O engenheiro civil Ubirajara Ferreira da Silva, “autor do projeto básico da ponte Forte-Redinha”, em Natal, escreve dizendo-se surpreso com os comentários feitos no post publicado semana passada. Transcrevo a seguir a carta recebida, na qual o missivista explica as razões técnicas que levaram a ponte a ser construída na foz do rio Potenji, e reconhece a ocorrência indicada de “retenções de trânsito que afligem a população, sobretudo nas horas de pico”:

3

Planos de candidatos para alfabetizar adultos são vagos

País não cumpre meta acertada com a Unesco e analfabetos são 11,5 milhões – e 4,4% dos 147 milhões de eleitores

4

“Snowden foi um herói de nosso tempo”

A pedido de piauí, o historiador Perry Anderson – autor do artigo A pátria americana, publicado nesta edição de outubro – enviou os seguintes comentários a respeito das recentes revelações sobre a espionagem cibernética dos Estados Unidos.

“O fato de nenhum país ocidental ter ousado dar asilo a Snowden diz muito sobre a realidade da Pax Americana”

5

Sinfonia para os sem-orquestra

Uma Heróica sob medida para instrumentistas espalhados pelo mundo inteiro

9

Lula se oferece para suceder Mandela

COSTA DO SAUÍPE – Profundamente abatido com o falecimento de Nelson Mandela, Lula convocou a imprensa para anunciar que está preparado para preencher a lacuna deixada pelo líder sul-africano. "O companheiro Mandela fez muita coisa boa, disso ninguém duvida. Não lhe coube, contudo, vencer a inflação, estabilizar a economia, transpor as águas do São Francisco, criar o Bolsa Família, lutar contra a pobreza, tourear a mídia burguesa, estabelecer cotas nas universidades, descobrir o Pré-Sal e difundir o Luz Para Todos”, disse. “Diante disto, ponho-me à disposição da Humanidade para sucedê-lo", concluiu, já posando para a estátua.

10

Ricardo Aronovich & Eduardo Coutinho

A foto de Eduardo Coutinho publicada na piauí 82, deste mês, foi feita por Ricardo Aronovich, o que explica a qualidade excepcional do registro.

Não tendo sido possível identificar a autoria a tempo, porém, a revista saiu sem o devido crédito, e só hoje, graças à suspeita levantada pelo próprio Coutinho ao ver a foto impressa, chegou a confirmação por e-mail do Aronovich de que a foto é mesmo dele.