questões criminais

Uma “mula” ocasional de 2 milhões de euros

Os 39 quilos de cocaína apreendidos com militar da comitiva de Bolsonaro chamam a atenção da Polícia Federal; “mulas” costumam transportar entre um e dois quilos

Allan de Abreu e José Roberto de Toledo
26jun2019_20h36
REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

O presidente interino, Hamilton Mourão, disse nesta quarta-feira, 26, que o militar da comitiva de Jair Bolsonaro preso em flagrante com 39 quilos de cocaína na Espanha é uma “mula qualificada”. Apesar da quantidade de droga, pouco comum para esse tipo de transporte, e do valor que o carregamento alcança no mercado europeu – 2 milhões de euros – há indícios de que o militar seja uma mula ocasional a serviço de um traficante, esse sim, qualificado.

Segundo-sargento da Aeronáutica, Manoel Silva Rodrigues, 37 anos, é tocantinense radicado em Brasília – em 2014, ele ganhou uma casa popular do governo do Distrito Federal. Atua como comissário de bordo no Grupo de Transportes Especiais da Força Aérea, com salário de pouco mais de 7 mil reais por mês. A maior parte de seus deslocamentos a trabalho foi dentro do Brasil. Antes da viagem desta terça-feira, Rodrigues fez poucas rotas internacionais. Segundo o repórter Fábio Fabrini, da Folha de S.Paulo, em janeiro do ano passado o comissário acompanhou a comitiva do então presidente Michel Temer até a Suíça para o Fórum Econômico Mundial. Antes, em 2011, Rodrigues acompanhou representantes do Itamaraty na capital norte-americana e em Antígua e Barbuda, Caribe – rotas pouco usuais para narcotraficantes brasileiros.

Rodrigues foi preso durante um controle aduaneiro de rotina no aeroporto de Sevilha, sul da Espanha, onde o avião em que ele estava, um Embraer 190 da FAB, fez escala. A aeronave seguiria para o Japão, onde Bolsonaro participa de um encontro dos 20 países mais ricos do mundo, o chamado G20. O militar levava na bagagem 37 tabletes de cocaína, com um total de 39 quilos da droga. O setor de combate ao narcotráfico da Polícia Federal disse que o flagrante foi por acaso, já que o militar não era investigado no Brasil.

Rodrigues ficou detido na Espanha, enquanto o avião seguiu viagem para o Japão. Bolsonaro estava em outra aeronave, que, após o flagrante em Sevilha, mudou a escala do voo para Lisboa, Portugal.

A Aeronáutica já constatou que o militar burlou o aparelho de raio X da base aérea da FAB, na capital federal. Segundo agentes da PF ouvidos pela piauí, esse pode ser o motivo pelo qual ele levou grande quantidade de cocaína na bagagem – em voos comerciais, as “mulas” costumam levar bem menos droga, entre dois e três quilos. 

Devido ao alto poder aquisitivo de sua população, o Distrito Federal é uma rota importante da cocaína que sai da Bolívia, com escala em Mato Grosso ou Goiás. “Tudo indica que ele estava a serviço de um traficante brasileiro com certo poder aquisitivo”, diz um agente antinarcóticos da Polícia Federal.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #8: Feminismo negro

A socióloga Márcia Lima encerra a terceira temporada numa gravação especial com participação da plateia

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

2020 – Esperança vã

Propósito deliberado do governo Bolsonaro é asfixiar atividade cinematográfica

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

Mais textos
1

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

2

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

4

Contagem regressiva

A responsabilidade do campo democrático para evitar a catástrofe

5

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

7

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

8

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

9

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

10

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana