questões criminais

Uma “mula” ocasional de 2 milhões de euros

Os 39 quilos de cocaína apreendidos com militar da comitiva de Bolsonaro chamam a atenção da Polícia Federal; “mulas” costumam transportar entre um e dois quilos

Allan de Abreu e José Roberto de Toledo
26jun2019_20h36
REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

O presidente interino, Hamilton Mourão, disse nesta quarta-feira, 26, que o militar da comitiva de Jair Bolsonaro preso em flagrante com 39 quilos de cocaína na Espanha é uma “mula qualificada”. Apesar da quantidade de droga, pouco comum para esse tipo de transporte, e do valor que o carregamento alcança no mercado europeu – 2 milhões de euros – há indícios de que o militar seja uma mula ocasional a serviço de um traficante, esse sim, qualificado.

Segundo-sargento da Aeronáutica, Manoel Silva Rodrigues, 37 anos, é tocantinense radicado em Brasília – em 2014, ele ganhou uma casa popular do governo do Distrito Federal. Atua como comissário de bordo no Grupo de Transportes Especiais da Força Aérea, com salário de pouco mais de 7 mil reais por mês. A maior parte de seus deslocamentos a trabalho foi dentro do Brasil. Antes da viagem desta terça-feira, Rodrigues fez poucas rotas internacionais. Segundo o repórter Fábio Fabrini, da Folha de S.Paulo, em janeiro do ano passado o comissário acompanhou a comitiva do então presidente Michel Temer até a Suíça para o Fórum Econômico Mundial. Antes, em 2011, Rodrigues acompanhou representantes do Itamaraty na capital norte-americana e em Antígua e Barbuda, Caribe – rotas pouco usuais para narcotraficantes brasileiros.

Rodrigues foi preso durante um controle aduaneiro de rotina no aeroporto de Sevilha, sul da Espanha, onde o avião em que ele estava, um Embraer 190 da FAB, fez escala. A aeronave seguiria para o Japão, onde Bolsonaro participa de um encontro dos 20 países mais ricos do mundo, o chamado G20. O militar levava na bagagem 37 tabletes de cocaína, com um total de 39 quilos da droga. O setor de combate ao narcotráfico da Polícia Federal disse que o flagrante foi por acaso, já que o militar não era investigado no Brasil.

Rodrigues ficou detido na Espanha, enquanto o avião seguiu viagem para o Japão. Bolsonaro estava em outra aeronave, que, após o flagrante em Sevilha, mudou a escala do voo para Lisboa, Portugal.



A Aeronáutica já constatou que o militar burlou o aparelho de raio X da base aérea da FAB, na capital federal. Segundo agentes da PF ouvidos pela piauí, esse pode ser o motivo pelo qual ele levou grande quantidade de cocaína na bagagem – em voos comerciais, as “mulas” costumam levar bem menos droga, entre dois e três quilos. 

Devido ao alto poder aquisitivo de sua população, o Distrito Federal é uma rota importante da cocaína que sai da Bolívia, com escala em Mato Grosso ou Goiás. “Tudo indica que ele estava a serviço de um traficante brasileiro com certo poder aquisitivo”, diz um agente antinarcóticos da Polícia Federal.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela editora Record

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Mais textos
3

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

4

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

6

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

7

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

9

Para voltar à mídia, Aécio Neves adota 12 beagles

POSTO 12 - Escanteado do debate sucessório depois da polarização entre Dilma Rousseff e Marina Silva, Aécio Neves resolveu adotar 12 beagles resgatados do Instituto Royal. "Um partido que tem um tucano como símbolo é o verdadeiro defensor dos povos das florestas e dos bichos fofinhos", explicou Aécio, com um dos animaizinhos no colo, assegurando-se de que todos os beagles que levou para casa são fêmeas.

10

Por que i-piauí Herald não reproduz rumores sobre a vida privada de autoridades

Há alguns dias, correm rumores (sinistros e espantosos) sobre a vida privada de determinadas autoridades da República. Apesar de não ter nenhuma base material tangível, tais rumores foram reproduzidos por numerosos órgãos de imprensa estrangeiros, notadamente do Paraguai, do Togo e de Burkina Fasso. Foi o que bastou, infelizmente, para que publicações da auto-cognominada “grande imprensa”, insensatamente, repetissem o zunzunzum.