questões da política

Conflito com Rede Globo é chave para candidatura de Huck

Apresentador tem até sexta para responder ultimato da emissora; disputa contratual pode ser usada contra pecha de “candidato da Globo”

José Roberto de Toledo
15fev2018_15h36
FOTO: EDUARDO ANIZELLI_FOLHAPRESS

Éamanhã. Luciano Huck recebeu ultimato para definir até esta sexta-feira se é candidato ou não. Foi dado pela Rede Globo, que evocou a cláusula padrão dos contratos da emissora segundo a qual todo contratado tem que avisar com um ano de antecedência se disputará cargo eletivo. Encontros de Huck com políticos como Fernando Henrique Cardoso dariam base, em tese, para a emissora cobrar a multa rescisória, equivalente a vários “salários” do apresentador. Pagar dezenas de milhões de reais de indenização – ou levar a disputa à Justiça – é o preço para Huck viabilizar sua candidatura à Presidência. Talvez não seja tão caro assim.

Simulado ou real, o conflito público com o empregador permitiria ao apresentador tentar se livrar da pecha de “candidato da Globo”. Seria também uma maneira de a emissora dizer que não tem candidato naquela que promete ser a eleição presidencial mais acirrada desde o fim da ditadura. A disputa contratual pode ser a base de um acordo tácito entre Huck e a Globo. Ou não.

A pressão da mulher, dos pais e do irmão para que Huck não seja candidato não arrefeceu. Apresentadora como o marido, Angélica também perderia seu contrato com a emissora. De horário próprio na programação da tevê passaria a ser candidata a primeira-dama. A tempestade nas mídias sociais durante o Carnaval – motivada pela notícia de que Huck teve seu jatinho financiado pelo BNDES a juros negativos (menores do que a inflação) – deu uma amostra do que ele tende a enfrentar se vier a confirmar sua candidatura.

Há também questões judiciais envolvidas na decisão. Nesta quinta-feira, o ministro Napoleão Nunes, do Tribunal Superior Eleitoral, arquivou denúncia de dois senadores do PT contra Huck e seu colega Fausto Silva por abuso de poder econômico. O motivo foi uma aparição do apresentador no Domingão do Faustão, em 7 de janeiro, que os petistas consideraram campanha antecipada. Na sua defesa, Huck disse que não é candidato. Essa afirmação foi repetida na sentença do ministro. Se o apresentador se candidatar, o caso pode ressuscitar.

Falando no outro ouvido do apresentador estão políticos como FHC e Roberto Freire – presidente do PPS, partido pelo qual Huck se candidataria. Mas não só. Entres os apoiadores da candidatura presidencial estão alguns dos maiores empresários do país, como Jorge Paulo Lemann, e financistas como Armínio Fraga e Eduardo Mufarrej. Este último criou um mecanismo para apoiar candidatos – a maioria a deputado federal – chamado RenovaBr. Esboço de uma base parlamentar huckiana? O vídeo com uma fala do apresentador foi uma das atrações do evento de lançamento do movimento.

Mas nenhum empresário ou político levantou argumentos mais fortes para reanimar o Huck candidato do que a condenação de Lula em segunda instância e a perspectiva de o ex-presidente vir a ser preso. Pesquisas encomendadas pelo apresentador mostram que ele tem potencial para conquistar uma fatia dos eventuais órfãos da candidatura do petista, especialmente os mais pobres.

Nesse segmento do eleitorado a história de Huck tem mais apelo. É entre quem cola melhor o que os estrategistas do apresentador gostam de chamar de narrativa “aspiracional”. Segundo ela, o Huck candidato seria um novo capítulo do Huck apresentador. Como na tevê, ele representaria o facilitador que ajuda outros a realizarem seus sonhos. A diferença seria de escala: em vez de um telespectador por programa, milhões de eleitores por eleição.

Da idealização do roteiro ao sucesso nas urnas vai um longo caminho, cheio de armadilhas e contradições. Resolver a primeira delas é condição indispensável para a jornada do candidato poder mesmo começar: ser um nome global sem ser o candidato da Globo.

P.S.: O anúncio oficial só sai nesta sexta, mas o colunista Lauro Jardim, de O Globo, publicou nota em sua coluna on-line afirmando que Huck decidiu não se candidatar. Sinal de que não conseguiu resolver o conflito com a Rede Globo.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Da várzea à taça, os astronautas da bola

Em série de vídeos da piauí, grandes jogadores recuperam histórias de seus mundiais e iluminam a maior paixão coletiva do Brasil

O sistema funciona. Mas a que preço?

Arranjo institucional brasileiro garante a governabilidade, mas sacrifica a divisão de Poderes e a relevância das eleições legislativas

Depois do desemprego vem o desalento

Crise econômica converteu Salvador na capital brasileira dos desalentados, aqueles que se frustram com o insucesso e param de procurar trabalho

Civilização e barbárie

Jair Bolsonaro não é um candidato a mais na disputa

Maria vai com as outras #4: Profissão família

A jornalista Leticia Nascimento, o radialista Paulinho Coruja e a atriz Vanessa Lóes contam como deixaram suas carreiras para cuidar dos filhos e da vida doméstica

Lula, da cela à tela

Após prende e solta, candidatura do PT volta a ficar em evidência e tumultua a corrida presidencial

Vai uma quentinha aí?

Com a crise econômica, um desempregado alimenta o outro, literalmente

piauí estreia colunas diárias sobre as eleições

Nove cientistas políticos e jornalistas vão debater a campanha deste ano

As Boas Maneiras – sinal de alerta

Filme de Marco Dutra e Juliana Rojas coloca em cena a improvável relação homossexual entre patroa e empregada para despistar o espectador de seu verdadeiro tema

Dario, o órfão, ex-ladrão e ex-grosso que virou Dadá

O campeão mundial em 70 relembra o seu começo no futebol, do primeiro chute aos 19 anos ao técnico que percebeu nele, apesar dos tropeções, um goleador

Mais textos