anais da sucessão

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

Josette Goulart
14set2018_16h20
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

Fundador do PSL, Luciano Bivar entregou seu partido para que Jair Bolsonaro o usasse para disputar a eleição presidencial. Foi em janeiro. Desde então, muita coisa mudou: Bivar deixou a presidência da sigla, a sede mudou do Recife para Brasília e um novo presidente assumiu – Gustavo Bebianno, advogado carioca e um dos coordenadores da campanha de Bolsonaro. A contrapartida para Bivar chegou oito meses depois. Candidato a deputado federal por Pernambuco, o fundador do partido recebeu duas doações do Diretório Nacional do PSL entre 20 e 23 de agosto, totalizando 1,8 milhão de reais. Ninguém recebeu mais que ele. Até agora, Bivar, sozinho, foi o destinatário de 28% das despesas pagas pela cúpula nacional do partido que ele cedeu a Bolsonaro.

Com o diretório de São Paulo inteiro, que tem 57 candidatos a deputado federal, o PSL gastou até agora 500 mil reais (8% das despesas pagas pela sigla até esta sexta-feira). Essa é a segunda maior despesa do diretório nacional do partido. Entre os 485 candidatos à Câmara pela sigla, Bivar não é o único a receber diretamente do fundo nacional, sem passar pelo diretório estadual. Mas os valores são bem menores do que os repassados ao ex-presidente do partido. O segundo candidato a deputado com quem o diretório nacional do PSL mais gastou é Waldir Soares de Oliveira, o Delegado Waldir, que recebeu 420 mil para tentar uma vaga à Câmara por Goiás.

Já para uma estrela do partido, a apresentadora Joice Hasselmann, o diretório nacional destinou 100 mil reais até agora para sua campanha à Câmara por São Paulo. Isso se ela conseguir de fato se candidatar, pois sua candidatura foi indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo. Os magistrados apontaram problemas na documentação, e Hasselmann entrou com recurso. Para os outros candidatos do PSL vinculados ao diretório paulista, as quantias são muito mais modestas: 5 mil reais a cada candidato, conforme disse à piauí o presidente do diretório de São Paulo e candidato ao Senado, Major Olímpio.

Um dos integrantes da nova executiva nacional, que se filiou ao PSL junto com Bebianno, também foi privilegiado na divisão de despesas feitas até aqui pela cúpula do partido. Candidato a deputado federal pela Paraíba, vice-presidente da sigla e coordenador da campanha de Bolsonaro no Nordeste, Gulliem Charles Bezerra Lemos, o Julian Lemos, recebeu 250 mil reais. Lemos integra o comando do partido formado em fevereiro, depois que Bivar deixou a presidência da sigla.

À piauí, Bivar disse que o direcionamento de parte dos recursos dos fundos do partido para sua campanha e para o diretório de Pernambuco havia sido uma “promessa” da época do acordo para a filiação de Bolsonaro. Mas ele nega que tenha alugado ou entregue o partido. “O partido já tinha os fundos e o que está sendo distribuído agora foi dinheiro comprometido no passado [antes de o partido abrigar Bolsonaro] com alguns candidatos. O que foi prometido antes dele está sendo cumprido agora”, disse. Segundo o ex-presidente, os recursos direcionados diretamente à sua campanha serão distribuídos a outros candidatos. “A decisão de aglutinar os recursos em uma única pessoa foi tomada para ver se nada está frio [referindo-se a notas frias de fornecedores]. Isso é um direcionamento do Bebianno e da direção do partido”, prosseguiu. “E o dinheiro não é só para mim, eu vou direcionar recursos para os outros candidatos da coligação.”

Após a filiação de Bolsonaro, Bivar chegou a ser cogitado como candidato a vice-presidente em uma chapa com ex-capitão. Meses depois, já não era considerado para a vaga. Bivar minimizou o episódio e disse que era “importante” não ser o candidato a vice, para não enfrentar “acusações de fisiologismo”.

No total, o PSL declarou à Justiça Eleitoral que vai distribuir cerca de 13 milhões de reais. Desse valor, 9,2 milhões de reais são do fundo especial de financiamento, com recursos do Tesouro Nacional e que se não forem distribuídos para campanha devem ser devolvidos. Com isso, o percentual recebido por Bivar e pelas outras candidaturas até esta sexta-feira tende a  mudar. Se o partido distribuir o total dos recursos, Bivar ainda terá pelo menos 13% do total do fundo, percentual que em outros partidos só são atribuídos a candidaturas majoritárias.

Procurados, o presidente do partido, Gustavo Bebianno, e a assessoria de imprensa do PSL não atenderam os pedidos de entrevista para falar sobre a distribuição das despesas do partido.

 

Bivar foi um dos fundadores do PSL e, desde 1998, quando o partido recebeu definitivamente seu registro, já era presidente do partido. Morador do Recife, ele é empresário e declarou um patrimônio de quase 18 milhões de reais ao TSE. Em 2010, o empresário vendeu sua empresa de seguro saúde, a Excelsior de Seguros, para a Amil, operadora que pertencia ao empresário Edson Bueno. Na época, o Valor Econômico estimou a venda entre 50 e 70 milhões de reais. Bivar já foi dono de empresas de factoring, mas diz que não possui mais nenhuma delas. Durante seis mandatos, distribuídos entre os anos de 1989 e 2014, foi presidente do time de futebol Sport Club do Recife.

Na política, foi deputado federal e candidato a presidente pelo PSL, em 2006. Nas eleições de 2014, concorreu ao cargo de deputado e teve votos suficientes apenas para ficar como suplente. Ele espera que, neste ano, o PSL de Pernambuco eleja dois deputados federais, reforçado pelo nome de Bolsonaro. “Eu sou um presidente de honra do partido e não tenho intenção de voltar ao dia a dia, até porque viajo muito. E às vezes questões práticas do partido requerem uma assinatura, ou algo assim”, disse Bivar. Ele lembra que não é incomum que o seu partido tenha presidentes com a nomeação de “interino” – como Bebianno.

A maior parte do dinheiro do PSL – segundo o presidente do diretório paulista, Major Olímpio – está sendo distribuído entre candidatos a deputados porque Bolsonaro, seus filhos Flávio e Eduardo, e candidatos ao Senado como o próprio Olímpio “não quiseram” receber as verbas do que chamaram de “fundão da vergonha”. Eles incentivam os candidatos a não receberem o recurso, disse Olímpio. A orientação é uma espécie de bandeira dos candidatos que votaram contra a criação do fundo que usa dinheiro público para financiar as campanhas. Ao todo, o fundo tem 1,7 bilhão de reais e foi repartido entre os partidos. A divisão foi feita de acordo com o número de congressistas. Enquanto o PSL, por exemplo, recebeu os 9,2 milhões de reais, o MDB do presidente Michel Temer recebeu 234 milhões de reais. Além do fundo, os partidos também podem usar recursos do fundo partidário que recebem regularmente para financiar as atividades do dia a dia.

Josette Goulart (siga @JosetteGoulart no Twitter)

Repórter investigativa e documentarista. Trabalhou no Valor Econômico, O Estado de S. Paulo, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

10

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante