Novidades

Austerlitz – colapso da memória

Filme registra os passeios turísticos aos campos de concentração e mostra a falta de cerimônia dos visitantes, que fazem selfies nos fornos crematórios

Eduardo Escorel
14out2016_11h32

É preciso um esforço considerável, além de grande disponibilidade de tempo, para enfrentar o gigantismo do Festival do Rio e conseguir assistir a algum filme da sua eclética programação. No domingo à tarde, a escolha recaiu em Austerlitz, de Sergei Loznitsa, documentário que estreou em setembro no Festival de Veneza.

Ao tomar emprestado o título do grandioso romance de W.G.Sebald, publicado em 2001, Loznitsa estabelece um elo entre sua própria “crise existencial” e Jacques Austerlitz, o protagonista do relato ficcional do autor alemão, conforme declarou ao The New York Times. Diante do crematório de Buchenwald (um dos maiores campos de concentração estabelecido na Alemanha, perto de Weimar, em 1937), Loznitsa se deu conta de que ele mesmo “era como um turista”. E ao mesmo tempo pensou, em meio à pesquisa de campo para o projeto de um filme sobre assassinatos em massa na Ucrânia, durante a Segunda Guerra: “Como posso ser? Como posso ficar aqui? Era como em um romance de Kafka. Eu não posso estar neste lugar. E minha pergunta é: como podemos preservar a memória? De forma geral, é possível compartilhar a memória?”

Na tentativa de decifrar esses enigmas, a camera de Loznitsa observa detidamente hordas de turistas em dois outros campos de concentração, também na Alemanha – Sachsenhausen, nos arredores de Berlim, e Dachau, ao norte de Munique. Ao longo desse aparente dia único de visita, a observação das levas de visitantes que vêm e vão, sempre em longos planos fixos, sugere o movimento das marés, impressão acentuada pelo oscilação entre momentos menos ruidosos e os de maior turbulência sonora.

Com a camera mantida à distância, não há sinais de que as pessoas observadas percebam que estão sendo gravadas. Elas usam roupas leves, com predomínio de shorts e camisetas, algumas estampadas com “Cool Story, Bro” ou “Jurassic Park”. É primavera ou verão e ninguém demonstra compreender o significado do lugar em que se encontra.

Sem narração em off, muito menos quaisquer entrevistas, além das imagens em preto e branco há tão somente som ambiente que permite ouvir algumas frases esparsas, principalmente dos guias turísticos (“Não se preocupe, esta não é a última vez que você poderá comer”, avisa, por exemplo, uma guia).

O olhar de Loznitsa não privilegia as instalações do campo em si. A camera se concentra mais nas atitudes ligeiras dos próprios turistas, na expressão dos seus rostos, sem revelar muito do que estão vendo. Conforme descrito no romance de Sebald, o olhar inquiridor de Loznitsa é tal qual “o encontrado em certos pintores e filósofos que exclusivamente olhando e pensando procuram penetrar a escuridão que nos cerca”.

O espectador, por sua vez, é induzido pela duração e fixidez dos planos a também perscrutar as imagens e aguçar os ouvidos – a olhar e pensar na tentativa de “penetrar a escuridão” que os cerca.

Sergei Loznitsa
Sergei Loznitsa
É só próximo ao fim do filme que a camera de Loznitsa oferece o ponto de vista dos visitantes. Por instantes, eles deixam de ser vistos de frente, passando a ser gravados de costas para a camera. É um dos momentos paroxísticos de Austerlitz, no qual os turistas são vistos diante dos fornos crematórios.

A falta absoluta de reverência dos visitantes observados por Loznitsa, e a ausência de qualquer ritual na visita, parecem confirmar a preocupação expressa por W.C.Sebald, em Austerlitz, com “a dissolução da nossa capacidade de lembrar, o colapso, l’effondrement […] que está em curso, correlato à propagação inexorável de dados processados”, e também com “a manifestação oficial do desejo progressivamente inoportuno de romper com tudo que ainda possui alguma conexão viva com o passado.”

Os visitantes estão mais preocupados com seus selfies do que qualquer outra coisa, como Austerlitz nos mostra diante do portão gradeado que abre e fecha filme, onde está reproduzida a infame frase Arbeit Macht Frei (o trabalho liberta), encontrada, entre outros campos de concentração, no de Auschwitz, na Polônia.

Cena final igualmente paroxística que um crítico americano chegou a considerar uma citação dos irmãos Lumière – “turistas saindo da ‘fábrica’ infernal” – na qual está flagrado “o uso de cair o queixo mais grosseiro imaginável de um ‘pau de selfie’.”

Nota: O post acima foi corrigido em 2 de fevereiro de 2017. A expressão “campos de concentração e extermínio” que havia três vezes no original, e estava errada, foi substituída por apenas campos de concentração.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina especial: aguarde

O programa, que contou com a participação da jornalista Maria Cristina Fernandes, foi gravado ao vivo durante o evento que reuniu os melhores podcasters do país

Entre gargalhadas, cotidiano e estratégia: os podcasts de humor

Linguagem politicamente incorreta e medo da repetição estão entre as preocupações dos realizadores 

Em podcasts jornalísticos, muito planejamento e pouco improviso

Produção diversificada e roteiro bem construído ajudam a resumir informação e análise

Um podcast pra chamar de seu: os temas de cada tribo

Futebol, feminismo e história motivam conteúdos produzidos para grupos específicos; para realizadores, nem todo patrocínio é bom

Podcast, um novo modelo de negócio

Mesa de abertura da segunda edição do evento discutiu estratégias de financiamento 

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

Sem saúde nem plano

Por que os planos de saúde privados se tornam inviáveis a partir dos 60 anos e como algumas operadoras conseguem cobrar menos

Foro de Teresina #64: A fritura de Moro, a expulsão de Frota e o acordo de Itaipu

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Acordo de WhatsApp para manter Frota no PSL não resiste a canetada de Bolsonaro

Bancada selou em grupo de aplicativo permanência do deputado, que acabou expulso depois de criticar Eduardo; outros parlamentares devem ser enquadrados

O direito ao cinema

Reflexões de Antonio Candido sobre literatura podem ser adaptadas ao cinema, uma aventura equivalente

Mais textos
1

A vovó fashion

Uma influencer e seus looks ousados

2

A imprevidência chilena

Elogiado por Bolsonaro e Guedes, regime de capitalização implantado no Chile tem aposentadoria média inferior ao salário mínimo

3

Acordo de WhatsApp para manter Frota no PSL não resiste a canetada de Bolsonaro

Bancada selou em grupo de aplicativo permanência do deputado, que acabou expulso depois de criticar Eduardo; outros parlamentares devem ser enquadrados

4

Por que João Gilberto é João Gilberto

Diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo comenta, ao violão, legado do inventor da bossa nova; veja os vídeos

6

Sem saúde nem plano

Por que os planos de saúde privados se tornam inviáveis a partir dos 60 anos e como algumas operadoras conseguem cobrar menos

7

Foro de Teresina #64: A fritura de Moro, a expulsão de Frota e o acordo de Itaipu

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

Um novo epílogo para Eike Batista

Investigação que levou empresário de volta à cadeia mostra como ele enganou investidores e manipulou preço das ações

9

Operação zangão

O combate ao furto de abelhas no interior de Minas Gerais

10

Congresso abana o fogo entre Moro e Bolsonaro

Deputados comemoram desgaste do ministro da Justiça com Bolsonaro, impõem derrotas ao pacote anticrime e mostram descontentamento com o ex-juiz símbolo da Lava Jato