Igualdades

Autoridades pelos ares

Emily Almeida, Amanda Rossi e Renata Buono
19ago2019_09h03

Estar na linha sucessória da Presidência do Brasil ou mesmo ocupar um posto de ministro dá direito a um privilégio aéreo: solicitar voos para a Força Aérea Brasileira (FAB), nacionais ou internacionais. Ao longo dos sete primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro, 28 autoridades requisitaram 727 voos para a FAB – mais de três por dia. Quem mais fez pedidos foi o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Considerado um dos principais articuladores da Reforma da Previdência, Maia acumulou um sexto de todos os voos. Não é possível saber o custo das viagens, mantido sob sigilo por cinco anos. Além disso, a FAB não divulga os voos do presidente e do vice. O =igualdades desta semana apresenta quem são as autoridades que mais cruzaram os ares com a FAB e quais foram os trajetos mais frequentes.

Os presidentes da Câmara, do Senado, do Supremo e todos os ministros podem solicitar aeronaves da FAB. De janeiro a julho deste ano, foram 727 voos – excluindo as escalas. Desses, 122 atenderam Rodrigo Maia

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, foi o segundo que mais solicitou voos da FAB. Para cada 2 voos militares de Rodrigo Maia, Terra realizou 1.

A cada 5 vezes que Osmar Terra voou com a FAB, o ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro voou 1 vez.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, é a autoridade que foi para mais destinos diferentes. Sem contar os retornos para Brasília, voou 23 vezes para o Sudeste, onde vive, 8 para o Norte, 5 para o Nordeste, 3 para o Centro-Oeste, 3 para o Sul e 2 para o exterior

As autoridades transportadas pela FAB foram 208 vezes para o Sudeste e 187 vezes para todas as demais regiões juntas – excluídos os retornos para Brasília.

O principal motivo alegado para solicitar voos à FAB é trabalho. Apenas Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Davi Alcolumbre, presidente do Senado, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediram mais de um voo alegando necessidades de segurança, além do motivo de serviço. Praticamente todos os voos de Toffoli e Guedes estão nessa categoria. Já no caso de Alcolumbre, pouco mais da metade.

O ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo é quem acumulou a maior quilometragem em voos da FAB este ano: 168,4 mil. Isso equivale a 4,2 voltas na Terra.

De janeiro a julho, todos os voos realizados pela FAB a pedido das autoridades percorreram 947 mil quilômetros. É suficiente para dar 24 voltas na Terra.

 

Fonte: Força Aérea Brasileira

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

É estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no jornal O Globo

Amanda Rossi

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

5

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

9

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

10

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana