Igualdades

Autoridades pelos ares

Emily Almeida, Amanda Rossi e Renata Buono
19ago2019_09h03

Estar na linha sucessória da Presidência do Brasil ou mesmo ocupar um posto de ministro dá direito a um privilégio aéreo: solicitar voos para a Força Aérea Brasileira (FAB), nacionais ou internacionais. Ao longo dos sete primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro, 28 autoridades requisitaram 727 voos para a FAB – mais de três por dia. Quem mais fez pedidos foi o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Considerado um dos principais articuladores da Reforma da Previdência, Maia acumulou um sexto de todos os voos. Não é possível saber o custo das viagens, mantido sob sigilo por cinco anos. Além disso, a FAB não divulga os voos do presidente e do vice. O =igualdades desta semana apresenta quem são as autoridades que mais cruzaram os ares com a FAB e quais foram os trajetos mais frequentes.

Os presidentes da Câmara, do Senado, do Supremo e todos os ministros podem solicitar aeronaves da FAB. De janeiro a julho deste ano, foram 727 voos – excluindo as escalas. Desses, 122 atenderam Rodrigo Maia

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, foi o segundo que mais solicitou voos da FAB. Para cada 2 voos militares de Rodrigo Maia, Terra realizou 1.

A cada 5 vezes que Osmar Terra voou com a FAB, o ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro voou 1 vez.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, é a autoridade que foi para mais destinos diferentes. Sem contar os retornos para Brasília, voou 23 vezes para o Sudeste, onde vive, 8 para o Norte, 5 para o Nordeste, 3 para o Centro-Oeste, 3 para o Sul e 2 para o exterior

As autoridades transportadas pela FAB foram 208 vezes para o Sudeste e 187 vezes para todas as demais regiões juntas – excluídos os retornos para Brasília.

O principal motivo alegado para solicitar voos à FAB é trabalho. Apenas Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Davi Alcolumbre, presidente do Senado, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediram mais de um voo alegando necessidades de segurança, além do motivo de serviço. Praticamente todos os voos de Toffoli e Guedes estão nessa categoria. Já no caso de Alcolumbre, pouco mais da metade.

O ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo é quem acumulou a maior quilometragem em voos da FAB este ano: 168,4 mil. Isso equivale a 4,2 voltas na Terra.

De janeiro a julho, todos os voos realizados pela FAB a pedido das autoridades percorreram 947 mil quilômetros. É suficiente para dar 24 voltas na Terra.

 

Fonte: Força Aérea Brasileira

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Amanda Rossi (siga @amanda_rossi no Twitter)

Jornalista, trabalhou na BBC, TV Globo e Estadão, e é autora do livro Moçambique, o Brasil é aqui

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

6

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

7

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

8

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA