questões de governo

Bate-cabeça na folha de pagamento

Medida para cortar salário de empregados tentou atender demanda de empresários e evitar demissões, mas governo atropelou articulação com Congresso, apanhou e recuou

Thais Bilenky
23mar2020_21h41
FOTO: PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

O governo Bolsonaro tentou dar uma resposta a previsões preocupantes de empresários sobre desemprego e acabou causando novo tumulto na já conturbada relação com o Legislativo. Apesar do esforço do ministro Paulo Guedes, da Economia, de se reaproximar do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a equipe econômica decidiu, na noite de domingo (22), atropelar a negociação com o Congresso e antecipou a publicação da Medida Provisória que, entre outras iniciativas, permitia que empregadores mantivessem funcionários sem salário por quatro meses. A medida não sobreviveu a críticas nem 24 horas e foi revogada na segunda-feira (23) pelo presidente Jair Bolsonaro.

A equipe de Paulo Guedes negociava com a cúpula do Congresso um pacote para mitigar a crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus. Buscava maneiras de empregadores reduzirem custos sem que a conta sobrasse para os funcionários. Uma das propostas era o governo pagar 25% da remuneração do trabalhador formal que recebe até dois salários mínimos, teve a jornada reduzida e pediu o benefício do seguro-desemprego. Segundo as contas da equipe econômica, essa medida atenderia a mais de 11 milhões de pessoas e custaria R$ 10 bilhões aos cofres públicos em três meses. De forma geral, o Congresso a apoia.

Na tarde de domingo, no entanto, empresários e agentes de peso do mercado financeiro fizeram uma transmissão ao vivo na internet na qual se mostraram alarmados com os impactos da crise. O executivo Guilherme Benchimol, presidente da XP Investimentos, uma das principais corretoras do Brasil, afirmou que o desemprego pode atingir mais de 40 milhões de brasileiros a depender do tamanho da crise – há hoje 11,6 milhões de pessoas sem emprego, de acordo com o IBGE.  “O que temos até agora de estímulos é uma gota no oceano. Tem de ser um plano de verdade. Os números são assustadores, o buraco é muito mais embaixo”, afirmou Benchimol, que sugeriu a reedição de uma espécie de Plano Marshall, lançado na Europa depois da Segunda Guerra Mundial. 

O governo Bolsonaro decidiu então se apressar. Para facilitar a tramitação, dividiu o pacote negociado com o Congresso em dois. Em uma primeira medida, publicaria propostas que não teriam impacto orçamentário. Foram incluídas, por exemplo, a regularização do trabalho remoto, a antecipação de férias individuais e a concessão de férias coletivas. O lay-off – a suspensão temporária do contrato de trabalho – também foi inserido no texto, que estipulava que caberia ao empregador negociar diretamente com o funcionário um pagamento no período. Como a medida não impunha contraprestações obrigatórias ao empregador, a reação de congressistas, analistas e economistas foi imediata. 

A ideia elaborada pela equipe econômica era, em seguida, editar uma segunda medida provisória com iniciativas que trariam custos aos cofres públicos, na qual entraria por exemplo a do pagamento de parcela do salário pelo governo. Segundo relatos feitos à piauí, a Secretaria da Fazenda, liderada por Waldery Rodrigues Junior, pediu mais tempo para avaliar o impacto fiscal dessas propostas, o que impediu sua publicação imediata. 

O resultado foi “uma crise desnecessária”, nas palavras de Rodrigo Maia, que tachou a medida provisória de “capenga” e deu por certa sua recusa na Câmara. O Palácio do Planalto se atrapalhou na comunicação. Por volta de 13 horas de segunda, anunciou uma entrevista do presidente Bolsonaro ao lado de Guedes. Uma hora depois informou que a teleconferência estava suspensa “por motivos técnicos”. Passados quinze minutos, disse que o evento fora cancelado. No meio tempo, Bolsonaro revogou o trecho da medida que permitia a manutenção temporária de empregados sem salários. 

Paulo Guedes tentou minimizar o impacto. Disse ao jornal O Globo que a confusão fora fruto de um “erro de redação” – ele e Bolsonaro assinam juntos a medida provisória. “O que se queria era evitar as demissões em massa, dando alguma flexibilidade de salário, mas com o governo complementando, como está sendo feito em várias economias”, justificou. Ao Estado de S.Paulo o ministro admitiu que o presidente não gostou da repercussão da medida. “Ele disse: ‘Tira porque estou apanhando muito'”, contou Guedes.

Horas depois, em pronunciamento sem perguntas de jornalistas, Bolsonaro anunciou um pacote de ajuda de R$ 85,8 bilhões a estados e municípios com medidas como a transferência de R$ 8 bilhões para gastos em saúde e a suspensão das dívidas dos estados com a União, que somam R$ 12,6 bilhões. No final do dia, membros da equipe econômica foram convocados ao Palácio do Planalto para uma entrevista à imprensa que esclarecesse a iniciativa. Nem Guedes nem Bolsonaro estavam presentes.



Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

A Copa industrializada

Revendo algumas imagens, graças ao santo youtube, é fácil notar que a Copa de 66, na Inglaterra, teve um jeitão todo inglês. A de 70, no México, foi mexicana até o último burrito. O raciocínio parece óbvio, mas ele melhora se pegarmos as copas disputadas neste século: todas foram iguais, sem qualquer sabor local. Por incrível que pareça, conseguiram fazer uma Copa na África idêntica a uma Copa na Alemanha. A Fifa acha isso bom. Eu acho péssimo.

6

Touchdowns no ABC

A batalha de São Bernardo Cougars contra Sorocaba Vipers

7

Princesa Kate: “Edison Lobão foi minha desgraça.” 

PALÁCIO DE BUCKINGHAM – Aos prantos, três horas após aceitar como seu legítimo esposo William Arthur Philip Louis, duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, Kate Middleton confessou ao pai: “Amo Edison Lobão.” A notícia, não confirmada pela Casa de Windsor, causou perplexidade no Reino Unido e já é considerada a pior crise da monarquia desde a renúncia de Eduardo VIII, em 1936.

8

Furo: a exemplo de falso fotógrafo exposto pela BBC, famoso blogueiro também copiava textos

A história era de grudar os olhos na tela: um blogueiro brasileiro se lançara às principais zonas de guerra do Brasil, entre elas Brasília, São Bernardo do Campo, Guarujá e Atibaia, para registrar o sofrimento humano

10

Chico Buarque é visto vendendo miçanga na praia para sobreviver

LEBLON - O fim do Ministério da Cultura fez com que artistas consagrados finalmente começassem a trabalhar.