questões de governo

Bate-cabeça na folha de pagamento

Medida para cortar salário de empregados tentou atender demanda de empresários e evitar demissões, mas governo atropelou articulação com Congresso, apanhou e recuou

Thais Bilenky
23mar2020_21h41
FOTO: PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

O governo Bolsonaro tentou dar uma resposta a previsões preocupantes de empresários sobre desemprego e acabou causando novo tumulto na já conturbada relação com o Legislativo. Apesar do esforço do ministro Paulo Guedes, da Economia, de se reaproximar do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a equipe econômica decidiu, na noite de domingo (22), atropelar a negociação com o Congresso e antecipou a publicação da Medida Provisória que, entre outras iniciativas, permitia que empregadores mantivessem funcionários sem salário por quatro meses. A medida não sobreviveu a críticas nem 24 horas e foi revogada na segunda-feira (23) pelo presidente Jair Bolsonaro.

A equipe de Paulo Guedes negociava com a cúpula do Congresso um pacote para mitigar a crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus. Buscava maneiras de empregadores reduzirem custos sem que a conta sobrasse para os funcionários. Uma das propostas era o governo pagar 25% da remuneração do trabalhador formal que recebe até dois salários mínimos, teve a jornada reduzida e pediu o benefício do seguro-desemprego. Segundo as contas da equipe econômica, essa medida atenderia a mais de 11 milhões de pessoas e custaria R$ 10 bilhões aos cofres públicos em três meses. De forma geral, o Congresso a apoia.

Na tarde de domingo, no entanto, empresários e agentes de peso do mercado financeiro fizeram uma transmissão ao vivo na internet na qual se mostraram alarmados com os impactos da crise. O executivo Guilherme Benchimol, presidente da XP Investimentos, uma das principais corretoras do Brasil, afirmou que o desemprego pode atingir mais de 40 milhões de brasileiros a depender do tamanho da crise – há hoje 11,6 milhões de pessoas sem emprego, de acordo com o IBGE.  “O que temos até agora de estímulos é uma gota no oceano. Tem de ser um plano de verdade. Os números são assustadores, o buraco é muito mais embaixo”, afirmou Benchimol, que sugeriu a reedição de uma espécie de Plano Marshall, lançado na Europa depois da Segunda Guerra Mundial. 

O governo Bolsonaro decidiu então se apressar. Para facilitar a tramitação, dividiu o pacote negociado com o Congresso em dois. Em uma primeira medida, publicaria propostas que não teriam impacto orçamentário. Foram incluídas, por exemplo, a regularização do trabalho remoto, a antecipação de férias individuais e a concessão de férias coletivas. O lay-off – a suspensão temporária do contrato de trabalho – também foi inserido no texto, que estipulava que caberia ao empregador negociar diretamente com o funcionário um pagamento no período. Como a medida não impunha contraprestações obrigatórias ao empregador, a reação de congressistas, analistas e economistas foi imediata. 



A ideia elaborada pela equipe econômica era, em seguida, editar uma segunda medida provisória com iniciativas que trariam custos aos cofres públicos, na qual entraria por exemplo a do pagamento de parcela do salário pelo governo. Segundo relatos feitos à piauí, a Secretaria da Fazenda, liderada por Waldery Rodrigues Junior, pediu mais tempo para avaliar o impacto fiscal dessas propostas, o que impediu sua publicação imediata. 

O resultado foi “uma crise desnecessária”, nas palavras de Rodrigo Maia, que tachou a medida provisória de “capenga” e deu por certa sua recusa na Câmara. O Palácio do Planalto se atrapalhou na comunicação. Por volta de 13 horas de segunda, anunciou uma entrevista do presidente Bolsonaro ao lado de Guedes. Uma hora depois informou que a teleconferência estava suspensa “por motivos técnicos”. Passados quinze minutos, disse que o evento fora cancelado. No meio tempo, Bolsonaro revogou o trecho da medida que permitia a manutenção temporária de empregados sem salários. 

Paulo Guedes tentou minimizar o impacto. Disse ao jornal O Globo que a confusão fora fruto de um “erro de redação” – ele e Bolsonaro assinam juntos a medida provisória. “O que se queria era evitar as demissões em massa, dando alguma flexibilidade de salário, mas com o governo complementando, como está sendo feito em várias economias”, justificou. Ao Estado de S.Paulo o ministro admitiu que o presidente não gostou da repercussão da medida. “Ele disse: ‘Tira porque estou apanhando muito'”, contou Guedes.

Horas depois, em pronunciamento sem perguntas de jornalistas, Bolsonaro anunciou um pacote de ajuda de R$ 85,8 bilhões a estados e municípios com medidas como a transferência de R$ 8 bilhões para gastos em saúde e a suspensão das dívidas dos estados com a União, que somam R$ 12,6 bilhões. No final do dia, membros da equipe econômica foram convocados ao Palácio do Planalto para uma entrevista à imprensa que esclarecesse a iniciativa. Nem Guedes nem Bolsonaro estavam presentes.

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Lobo nasce endividado

Com a dívida da União batendo recorde em 2020, governo federal emite títulos públicos até para pagar propaganda da nota de 200 reais

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

121

2

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

5

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

6

Ceci n’est pas une poire

Um retratista da polícia insiste em trabalhar com lápis e papel

7

Documentário Obit será exibido na véspera do Festival

Margalit Fox é uma das entrevistadas do filme que estará em cartaz em São Paulo

8

Retrospectiva 2011: Biografia de Jobs revela que Apple lançará iSarney

CUPERTINO – A biografia de Steve Jobs que chegou hoje às livrarias americanas causou impacto imediato nas ações da Apple, que subiram 23% só na parte da manhã. A valorização se deve à revelação de que, nos meses que antecederam sua morte, Jobs trabalhou incansavelmente no desenvolvimento do iSarney, um aplicativo para dispositivos móveis que permitirá ao usuário criar, em menos de 30 segundos, cinco ONGs de inclusão social, dois ministérios com orçamento superior a um bilhão de reais e pelo menos um novo estado nordestino.

9

Cria Bolsonaros

Mais popular cabo eleitoral do presidenciável do PSL no Nordeste, cearense de 20 anos abandonou sonho de ser candidato a Whindersson Nunes para ser candidato a deputado

10

Ndongo quer ser titular

A viagem e o sonho de um imigrante senegalês em terras gaúchas