questões de mídia e política

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Felippe Aníbal
27mar2020_18h02
Efe/Joédson Alves

Era o oitavo dia de panelaço. Criticado até por aliados, o presidente Jair Bolsonaro levava uma surra nas redes sociais por causa das medidas do governo diante da epidemia de coronavírus. Na noite de terça-feira (24), Bolsonaro partiu para o contra-ataque: num pronunciamento em rede nacional, classificou as preocupações com a Covid-19 como “pânico” e “histeria”, disse que a doença era similar a “uma gripezinha ou um resfriadinho” e conclamou os brasileiros a abandonarem o confinamento – que vinha sendo defendido pelo próprio Ministério da Saúde. Era apenas a primeira ofensiva de Bolsonaro. No dia seguinte – quarta-feira (25) –, o presidente voltou a falar do assunto: defendeu o isolamento vertical, no qual são mantidos em casa apenas pessoas dos grupos de maior risco para o coronavírus, como idosos, ou então os já infectados. No mesmo dia, o governo lançou a campanha “O Brasil não pode parar”, estimulando que o país retomasse as atividades econômicas. As peças publicitárias começaram a ser disseminadas em grupos no WhatsApp e no Telegram, insuflando as hordas bolsonaristas. Se a estratégia de incentivar o fim do isolamento social contraria as diretrizes das autoridades de saúde pública, tanto o discurso de Bolsonaro quanto a campanha retroalimentaram os apoiadores virtuais do presidente, reduzindo a desvantagem absoluta nas redes.

Um levantamento da consultoria Arquimedes realizado a pedido da piauí mostra que, no dia 25 – um dia após o pronunciamento e no dia do lançamento da campanha –, 85% dos tuítes relacionados à pandemia de coronavírus eram desfavoráveis a Bolsonaro, e só 15% a favor. No dia seguinte, em 26 de março, a estratégia parece ter encontrado respaldo nos defensores mais fiéis do presidente. Após o disparo em massa de vídeos da campanha e de memes nos grupos bolsonaristas, o volume de menções críticas a Bolsonaro caiu 20 pontos percentuais: 65% das postagens no Twitter eram negativas. Ainda segundo os dados monitorados pela Arquimedes, as postagens gerais favoráveis a Bolsonaro – levando-se em conta todos os temas, não só o coronavírus – estavam na casa dos 41 pontos, mas depois do discurso em rede nacional e o início da campanha, as menções positivas ao presidente subiram para 49. Uma reação rápida, em poucos dias.

Mas a campanha de Bolsonaro pelo fim do isolamento vai contra a percepção da população, conforme uma pesquisa realizada pelo instituto Ideia Big Data, que ouviu 1.555 pessoas de todas as regiões do país, entre 24 e 25 de março. Para 81% dos entrevistados, estão corretas medidas restritivas, que determinam o fechamento de alguns estabelecimentos. Para 9%, essas medidas são um exagero, enquanto 11% não souberam responder. A pesquisa também fez a avaliação das ações de Bolsonaro frente à pandemia. Neste aspecto, 13% avaliaram o governo federal como “ótimo” e 21%, como bom. O perfil predominante de quem respondeu com essas classificações é composto por entrevistados do sexo masculino, de 30 a 39 anos, moradores das regiões Norte ou Centro-Oeste, com renda de três salários-mínimos e evangélico. Na outra ponta, 16% apontaram o desempenho de Bolsonaro como “ruim” e 20%, como péssimo. Nesta faixa, o perfil básico é formado por mulheres, de 18 a 29 anos, moradoras de capitais e com renda de um salário-mínimo.

 

 

Fonte: Ideia Big Data

 

Conforme a Arquimedes, há indícios da atuação de robôs no impulsionamento de mensagens positivas a Bolsonaro. Segundo relatório da consultoria, a ação orquestrada começou na madrugada de 25 de março, com os bolsonaristas reagindo em defesa do presidente – horas depois do pronunciamento em rede nacional. Ou seja, não foi um levante imediato, como se os seguidores do presidente tivessem passado um período considerável digerindo o conteúdo do discurso. Quando voltaram a postar, no entanto, o volume foi bastante expressivo. Por mais de 14 horas, a hashtag #BolsonaroTemRazão permaneceu entre os assuntos mais comentados do dia, com mais de 760 mil menções. “Interessante notar que a hashtag subiu por volta de 3h30 da manhã e em duas horas atingiu 180 mil menções. Esteve fora dos trending topics nas próximas duas horas (até por volta de 8h) retornando já com 220 mil menções. Todo esse comportamento denota uma ação orquestrada do exército bolsonarista no Twitter”, consta do relatório da Arquimedes. 

Entre os principais compartilhamentos nos grupos bolsonaristas está um vídeo de um minuto e meio de duração, carro-chefe da campanha “O Brasil não pode parar”. O conteúdo vem sendo replicado tanto como arquivo quanto por meio de links do YouTube e do Twitter. Ilustrado apenas com fotos de trabalhadores de diversos setores, o vídeo se centra no mote da campanha e faz parte de um conjunto de peças produzidas pela agência iG Comunicação,  contratada sem licitação por R$ 4,8 milhões para elaborar toda a campanha, conforme consta do Diário Oficial de 26 de março. Nesta sexta, Bolsonaro manteve a estratégia de desacreditar a epidemia e, em entrevista à Band, disse não acreditar no número de mortos, pedindo a volta ao trabalho.

 

 

Monitoramento do dia 25/03: 85% dos retuítes contra Bolsonaro e 15% a favor

 

Monitoramento do dia 26/03 (até às 17h): 65% dos retuítes contra Bolsonaro e 35% a favor - 

 

A ofensiva bolsonarista também surtiu efeito para além do ambiente virtual. Uma série de carreatas foi marcada em diversas cidades do Brasil – Montes Claros (MG), Bauru (SP), Rio Preto (SP), Porto Nacional (TO) e Joinville (SC). Em Curitiba (PR), a manifestação aconteceu no início da tarde desta sexta (27). Foi convocada por Eder Fabiano Borges Adão, funcionário comissionado na Assembleia Legislativa do Paraná e assessor do deputado Coronel Lee (PSL), da “bancada da bala”. De acordo com os convites compartilhados reiteradamente nos grupos pró-Bolsonaro, os atos têm como objetivo pressionar as autoridades locais a determinar o fim do confinamento e a reabertura do comércio. Entre mensagens que insuflam os apoiadores a promoverem carreatas em seus municípios, alguns membros dos grupos também divulgaram vídeos de manifestações que teriam ocorrido na última quinta-feira (26) em Ipatinga (MG), Maringá (PR), Balneário Camboriú (SC) e Florianópolis. Nas redes, no entanto, o tiro saiu pela culatra: até o fim da tarde desta sexta (27), houve mais de 53 mil tuítes relacionados às carreatas. Segundo os dados da Arquimedes, 87,3% das postagens eram negativas a Bolsonaro. Entre os tuítes com maior número de engajamento, está um da atriz Leandra Leal. “Os empresários estão fazendo carreata para pedir o fim da quarentena em nome da economia? Mas por que não fazem passeatas? Não é só uma gripe? #Covardes”, escreveu.

A identidade visual dos cards que incitam às carreatas, em regra, vêm carregados de elementos visuais com referências ao militarismo e ao patriotismo – sempre em verde e amarelo, com brasões e bandeiras. A estética combina com o tom das postagens, em que os membros dos grupos falam como se estivessem em uma guerra. “Nós somos soldados patriotas como o General Heleno que retorno ao seu trabalho. Vamos a guerra nem que seja de chinelo se não tiver coturno" [sic], escreveu Neire, participante do grupo bolsonarista “Vem Pra Rua Brasil”. A alusão a Heleno se deve ao fato de o ministro ter sido diagnosticado com Covid-19. “De amanhã em diante nós brasileiros que apoiamos as ideias de Bolsonaro e queremos o Brasil funcionando vamos colocar nossos carros nas ruas em apoio a um Brasil aberto com consciência e com toda precaução. Usando luvas, máscaras e álcool" [sic], compartilhou Deni Baptista, em letras garrafais, no grupo “Brasil nas Ruas”.

Há um mês, a prefeitura de Milão, na Itália, deflagrou uma campanha parecida com a do governo brasileiro – lá, o slogan era “Milano non si ferma” [“Milão não para”] – convocando as pessoas a abandonarem o isolamento social e a voltarem ao trabalho. Agora, com mais de 4,4 mil mortes causadas pela Covid-19 na Lombardia, província que tem Milão como capital, o prefeito Giuseppe Sala reconheceu o erro e pediu desculpas. "Ninguém ainda havia entendido a virulência do vírus, e aquele era o espírito”, disse. No Brasil, principalmente a partir do pronunciamento de Bolsonaro, os ativistas virtuais também têm minimizado os efeitos da pandemia, a exemplo do presidente, e divulgado informações falsas relacionadas à possível eficiência de 100% da hidroxicloroquina na cura da doença (não comprovada por pesquisadores).

Nos grupos bolsonaristas, também não faltam ataques aos governadores que, nesta semana, criticaram o presidente e mencionaram o impeachment como saída para controlar a pandemia – segundo a Folha de S.Paulo. Entre eles, um dos mais visados pela rede bolsonarista foi o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que rompeu com Bolsonaro e disse ele “perdeu as condições de governar". “Minha indignação é ele – Bolsonaro – tratar de um assunto do qual ele não tem o menor conhecimento. Não se assessorou de ninguém para produzir um texto tão irresponsável”, disse Caiado, que é médico. Não faltaram posts classificando Caiado e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de “traidores”. Por outro lado, a militância digital de Bolsonaro vem compartilhando com entusiasmo notícias como a do prefeito de Sapezal (MT), Valcir Casagrande (PSC), que autorizou a reabertura do comércio da cidade, colocando fim à quarentena. “Entre morrer de fome e morrer de barriga cheia, prefiro morrer de barriga cheia”, disse, em áudio que viralizou na internet – e cuja veracidade foi confirmada pelo prefeito. As regras de reabertura de lojas, bancos, academias e transporte coletivo foram estabelecidas no decreto 037/2020, publicado em 26 de março.

Empresários bolsonaristas também têm criticado as medidas de isolamento. Junior Durski, proprietário da rede Madero e de outros restaurantes, publicou vídeo em seu Instagram na  última segunda-feira (23) afirmando que as consequências econômicas seriam piores que os “cinco ou sete mil que vão morrer”. “O Brasil não pode parar dessa maneira. O Brasil não aguenta. Tem que ter trabalho, as pessoas têm que produzir, têm que trabalhar”, defendeu. Antes disso, o dono da Havan, Luciano Hang, já havia atacado o confinamento e classificado os cuidados ante a pandemia como “histeria”. Ameaçou demitir todos os seus 22 mil funcionários. 

Mesmo frente às incertezas diante da pandemia, Bolsonaro tem conseguido manter seu um terço de aprovação. Nesta semana, pesquisa do DataFolha mostrou que 35% dos entrevistados avaliaram o desempenho do presidente no combate à Covid-19 como “ótimo/bom”. Por outro lado, a insatisfação é maior: 33% classificaram como “péssimo”, e 26%, como “regular”. Paralelamente, pesquisa do Data Favela mensurou o impacto que a crise causada pelo coronavírus pode causar na economia das famílias mais pobres. De acordo com o estudo, uma semana sem renda já é tempo suficiente para que 72% dos moradores de comunidades brasileiras não consigam manter seu padrão de vida, principalmente porque eles não têm renda suficiente para guardar uma poupança. O mesmo estudo mostra que, com a crise associada à epidemia, 32% dos habitantes das favelas podem ter dificuldades para comprar alimentos básicos. 

Na Vila das Torres, a primeira favela de Curitiba, onde vivem cerca de oito mil pessoas, os moradores voltaram a trabalhar nesta sexta, mas não sem uma boa dose de receio. Dono de uma mercearia, José Cordeiro estendeu uma corrente na entrada do estabelecimento, impedindo que os clientes entrem. Eles ficam na calçada, do lado de fora, e fazem os pedidos dali. “Eu estou preocupado. Se eu pudesse, ficava em casa, cuidando da minha família e não trabalharia. Estou tomando esse cuidado. Como a gente está lidando com algo desconhecido e invisível, a gente tem que botar as barbas de molho”, disse. “Quem quer que as pessoas voltem a trabalhar de todo jeito são os grandes empresários... Madero, Havan...”, enumerou. Para quem se vê obrigado a trabalhar no meio da epidemia, fica o medo.

*

Colaborou Emily Almeida (infografia)

 

Felippe Aníbal (siga @felippeanibal no Twitter)

Repórter freelancer em Curitiba.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de C

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

5

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

7

Tem cloroquina?

Um balconista de farmácia conta seu dia a dia durante a pandemia

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

10

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19