Samira Bueno

É socióloga e diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Tem mestrado e doutorado em administração pública e governo pela FGV

histórias publicadas

Sangue na floresta
questões de segurança pública

Sangue na floresta

Pesquisa inédita mostra que, em meio ao avanço do crime organizado, homicídios cresceram quase 10% em áreas da Amazônia de 2018 a 2020 – enquanto caíram em outros municípios rurais

A cada minuto, oito mulheres agredidas
questões de gênero

A cada minuto, oito mulheres agredidas

Pesquisa inédita mostra que, na pandemia, uma em cada quatro brasileiras sofreu algum tipo de violência

Mata primeiro, investiga depois
questões de segurança pública

Mata primeiro, investiga depois

Presença da Polícia Civil fluminense em operações com morte é mais que o dobro do que em outros estados

A cada minuto, 25 brasileiras sofrem violência doméstica
questões de gênero

A cada minuto, 25 brasileiras sofrem violência doméstica

Dados inéditos do Ipec mostram que, no último ano, 13 milhões de mulheres disseram ter sido alvo de ofensa, agressão física ou sexual

A polícia não pode tudo
questões de segurança

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

A mão boba não existe
questões de gênero

A mão boba não existe

Silêncio e risadas perseguem mulheres que, como deputada paulista, sofrem importunação ou assédio sexual

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder
questões de gênero

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

Cresce força de PMs na política
questões de segurança

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

A tropa de choque de Bolsonaro
atlas do bolsonarismo

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso