maratona piauí cbn de podcast

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

11maio2019_18h52
A mesa quatro teve presença do editor-chefe do B9, Carlos Merigo, e do diretor executivo da CBN, Ricardo Gandour, com mediação de Branca Vianna, presidente da Rádio Novelo
A mesa quatro teve presença do editor-chefe do B9, Carlos Merigo, e do diretor executivo da CBN, Ricardo Gandour, com mediação de Branca Vianna, presidente da Rádio Novelo

Podcast dá, sim, dinheiro. E bastante. Foi assim, sem hesitação, que o editor-chefe do portal B9, Carlos Merigo, respondeu à pergunta formulada pela presidente da Rádio Novelo, Branca Vianna, na quarta mesa da Maratona piauí CBN de Podcast, intitulada “Podcast como negócio”.

Ricardo Gandour, diretor executivo da Rádio CBN, participante da mesa, disse que uma das principais formas de financiamento são os conteúdos patrocinados por empresas, o chamado branded content.

No portal B9, o principal negócio hoje é a produção de podcasts – são doze ao todo, entre eles, o Mamilos, que tem 1 milhão de ouvintes mensais, e o Braincast, o mais antigo programa da plataforma.

“Nossa arrecadação é uma junção do crowdfunding com os anunciantes. Fazemos programas temáticos em parceria com empresas. Os anúncios são sempre na voz dos apresentadores”, conta Merigo, que virou podcaster em 2006, com o Braincast. “Tem ofertas de publicidade que a gente não faz porque não têm nada a ver com o nosso conteúdo. Temos que manter a credibilidade construída por anos com a audiência. Se eu critico algo e depois apareço fazendo publicidade disso, é um contrassenso.”

Merigo e Gandour, porém, apresentaram pontos de vista distintos sobre a publicidade nos podcasts e a relação dos apresentadores com os anunciantes. Na B9, os próprios apresentadores fazem os anúncios e dizem usar os produtos. Para Gandour, porém, esse é um limite que o jornalismo não deve cruzar.

“Temos um pano de fundo do mundo jornalístico. No final das contas, é melhor se você separar. Não vejo como adequado o apresentador do programa fazer anúncio. Quando o apresentador dá um testemunhal, não é bom nem para o anunciante. É um atalho fácil. Não estimula a cadeia produtiva, não estimula as agências a produzirem áudios encantadores, porque o apresentador resolve aquilo rapidamente”, afirmou Gandour.

Para Merigo, o “Santo Graal” dos dados de audiência é a taxa de retenção, ou seja a proporção de pessoas que ouvem o podcast até o final. “Temos de 75 a 80% de retenção nos nossos programas. Não vejo isso acontecer com vídeos, filmes. Temos esse grupo fidelizado. O anúncio não é um estorvo, não está lá para te interromper.”

A mediadora Branca Vianna perguntou se os dados de acesso provocam mudanças no formato dos podcasts. Merigo afirmou que não: “A gente pensa mais na qualidade da história do que no formato. Não acompanho tanto os dados. Já cortamos seções porque o programa estava muito longo. Quando entregamos episódios de menos de uma hora e meia, os ouvintes reclamam. Eles brincam: ‘Quero minha mensalidade de volta.’ Nunca recebi o feedback ‘tá longo demais’ ou ‘faz menos programa’.”

Gandour contou ainda sobre como foi sua transição do rádio tradicional para os podcasts e como a CBN passou a investir nesse tipo de mídia. “Eu venho de uma mídia analógica, sou ‘imigrante’. Então tinha receio de canibalizar o próprio negócio original. Meus colegas de trabalho me convenceram a mudar esse pensamento. Antigamente, formávamos ouvintes no banco de trás do carro, ouvindo a rádio que o pai ouvia. Não mais. Hoje formamos o ouvinte de podcasts, está tudo no fone.”

Leia também

Últimas Mais Lidas

Para não sair do hospital no escuro

A diferença que faz, para os pacientes, receber seus dados sobre tratamento e alta hospitalar – como manda novo Código de Ética Médica

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

Foro de Teresina #51: Moro no STF, o sigilo de Queiroz e Flavio e os protestos contra o governo

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Ministro toma caldo no #TsunamiDaEducação

Maia viaja, governo escorrega e Centrão deixa Weintraub falando sozinho na Câmara enquanto protestos tomam conta do país

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

Varda por Agnès – narcisismo encantador

Interação é a pedra angular na obra da cineasta

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

Uma motosserra na mão e um projeto na cabeça

Proposta de Flávio Bolsonaro extingue reserva legal obrigatória; espaço sob risco de desmatamento equivale a seis vezes a área do estado de São Paulo

Mais textos
2

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

3

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

5

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

8

Foro de Teresina #51: Moro no STF, o sigilo de Queiroz e Flavio e os protestos contra o governo

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Uma motosserra na mão e um projeto na cabeça

Proposta de Flávio Bolsonaro extingue reserva legal obrigatória; espaço sob risco de desmatamento equivale a seis vezes a área do estado de São Paulo

10

Para não sair do hospital no escuro

A diferença que faz, para os pacientes, receber seus dados sobre tratamento e alta hospitalar – como manda novo Código de Ética Médica