Igualdades

A dança das filiações partidárias

Luigi Mazza, Plínio Lopes e Renata Buono
28set2020_10h46

Os dados de filiação partidária sinalizam uma tendência para as eleições municipais deste ano: partidos tradicionais encolheram de tamanho, enquanto partidos mais jovens dispararam em número de filiados. No campo da direita, PSDB e DEM perderam, somados, 158 mil filiados de abril de 2019 a abril de 2020. Já PSL e Novo, representantes da “nova” direita, ganharam 172 mil filiados nesse mesmo período. Na esquerda, a tendência é similar: o PT perdeu 64 mil filiados desde o ano passado, enquanto PSOL e Rede ganharam 41 mil novos membros. O MDB, que na eleição de 2018 sofreu forte abalo, elegendo pouco mais da metade dos deputados que elegera em 2014, continua encolhendo. Desde o ano passado, perdeu 229,3 mil filiados – tanta gente que daria para lotar três estádios do Maracanã. O =igualdades faz um retrato da maré de filiações partidárias na corrida eleitoral de 2020.

O PSDB e o DEM, dois expoentes da “velha” direita brasileira, perderam 158 mil filiados de abril de 2019 até abril de 2020. Já o PSL e o Novo, representantes da “nova” direita, ganharam 172 mil filiados no mesmo período. O maior salto foi do PSL, que cresceu 60%, passando de 271,7 mil para 435,8 mil filiados. O Novo cresceu 24%, saltando de 33,8 mil filiados para 42 mil.

De abril de 2019 a abril de 2020, o PT perdeu 64,8 mil filiados. Essa queda se deu no mesmo momento em que partidos menores ligados à esquerda e à centro-esquerda tiveram crescimento expressivo. Juntos, Psol e Rede ganharam 41 mil novos filiados nesse período. O Psol cresceu 20%, passando de 155,3 mil filiados para 186,6 mil, enquanto a Rede cresceu 41%, passando de 23,4 mil filiados para 33,2 mil.

O PSL, apesar do desembarque de Bolsonaro, foi um dos partidos que mais cresceu desde o início de 2020. De janeiro a agosto, ganhou 88,9 mil filiados. É quase o triplo de pessoas que tiveram a assinatura validada para a criação do partido Aliança pelo Brasil até o final de setembro (foram 32,9 mil assinaturas). Uma das possíveis explicações para essa migração é o fato de que o PSL é o segundo partido com maior volume de recursos recebidos do Fundo Eleitoral – terá R$ 199 milhões para gastar nas eleições deste ano.



O MDB foi o partido que mais perdeu filiados nos últimos anos. Vem perdendo desde 2017, mas a queda se acentuou no ano passado. De abril de 2019 a abril de 2020, o partido perdeu 229,3 mil filiados – quantidade suficiente para lotar três estádios do Maracanã.

O Novo é, proporcionalmente, o partido político com o menor número de mulheres entre seus filiados. De cada 100 filiados ao partido, só 21 são mulheres. Mesmo no segundo partido com menor participação de mulheres, o PSL, essa proporção já é muito maior: são 35 mulheres a cada 100 filiados.

O MDB é atualmente o partido mais idoso do Brasil. A cada 10 filiados, 4 têm 60 anos de idade ou mais. No extremo oposto da pirâmide etária está a Unidade Popular (UP), partido criado no final do ano passado – a cada 10 filiados à UP, só 1 tem 60 anos ou mais.

A cada 100 eleitores filiados ao PT, 13 têm sobrenome Silva, um dos mais comuns do Brasil. No Partido Novo, essa proporção é bem menor: só 5 a cada 100 filiados são Silva.

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Plínio Lopes (siga @Plluis no Twitter)

Repórter freelancer, trabalhou na Agência Lupa e é especializado em jornalismo de dados e fact-checking

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Podcast Praia dos Ossos chega ao último episódio

Ouça já o capítulo final da série produzida pela Rádio Novelo

Quando gente vira cobaia

Fernando Reinach explica quais são e como funcionam os controles que existem para cientistas não ultrapassarem limites éticos em suas pesquisas

Vacinas na mira dos boatos

De carona na recusa do governo federal à vacina chinesa, conteúdos falsos e enganosos sobre imunização se intensificam nas redes sociais

Faltou combinar com a Bahia

Defensor do apoio a Ciro Gomes em 2018, senador Jaques Wagner minimiza encontro do pedetista com Lula e diz que presidenciável cearense se aproxima da direita

As incríveis aventuras do ministro-astronauta

Pontes nomeou para cargo de confiança sócia com quem mantém rede de empresas para venda de bonecos, livros, palestras motivacionais e viagens ao espaço

A esquerda que se arma contra Trump

Cultura armamentista típica dos conservadores americanos ganha cada vez mais adeptos entre minorias e grupos de tradição democrática

Foro de Teresina #124: O bolsonarismo frita seus generais

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
4

Dado Dolabella exige que seus namoros sejam cobertos pelo SUS

RIO DE JANEIRO – O ator, cantor e enfant terrible Dado Dolabella declarou ontem que tem mais de dez anos de bons serviços prestados à saúde pública brasileira "sem jamais ter recebido um tostão por isso”. Dolabella se referia à afirmação do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, segundo a qual o sexo é um dos meios mais eficientes para combater a hipertensão, um mal que aflige uma fatia crescente da população brasileira.

5

Os melhores momentos do futebol-arte

O que Van Gogh, Manet e Edvard Munch têm a dizer sobre o nobre esporte

7

Mikhail Zygar e a Rússia de Vladimir Putin

Mikhail Zygar conversou com João Moreira Salles, editor da piauí, e Raul Juste Lores, da Folha de S.Paulo. Zygar passou os últimos dezesseis anos – desde que Vladimir Putin assumiu o poder na Rússia – entrevistando pessoas ligadas direta e indiretamente ao presidente e ao Kremlin.

9

Margalit Fox e os perfis póstumos de heróis e heroínas anônimos

Assista a um trecho da participação de Margalit Fox no primeiro dia de evento

10

O bispo e os bicheiros

Os contraventores do Carnaval carioca ajudaram a eleger o prefeito Marcelo Crivella. Estão arrependidos