Igualdades

A dança das filiações partidárias

Luigi Mazza, Plínio Lopes e Renata Buono
28set2020_10h46

Os dados de filiação partidária sinalizam uma tendência para as eleições municipais deste ano: partidos tradicionais encolheram de tamanho, enquanto partidos mais jovens dispararam em número de filiados. No campo da direita, PSDB e DEM perderam, somados, 158 mil filiados de abril de 2019 a abril de 2020. Já PSL e Novo, representantes da “nova” direita, ganharam 172 mil filiados nesse mesmo período. Na esquerda, a tendência é similar: o PT perdeu 64 mil filiados desde o ano passado, enquanto PSOL e Rede ganharam 41 mil novos membros. O MDB, que na eleição de 2018 sofreu forte abalo, elegendo pouco mais da metade dos deputados que elegera em 2014, continua encolhendo. Desde o ano passado, perdeu 229,3 mil filiados – tanta gente que daria para lotar três estádios do Maracanã. O =igualdades faz um retrato da maré de filiações partidárias na corrida eleitoral de 2020.

O PSDB e o DEM, dois expoentes da “velha” direita brasileira, perderam 158 mil filiados de abril de 2019 até abril de 2020. Já o PSL e o Novo, representantes da “nova” direita, ganharam 172 mil filiados no mesmo período. O maior salto foi do PSL, que cresceu 60%, passando de 271,7 mil para 435,8 mil filiados. O Novo cresceu 24%, saltando de 33,8 mil filiados para 42 mil.

De abril de 2019 a abril de 2020, o PT perdeu 64,8 mil filiados. Essa queda se deu no mesmo momento em que partidos menores ligados à esquerda e à centro-esquerda tiveram crescimento expressivo. Juntos, Psol e Rede ganharam 41 mil novos filiados nesse período. O Psol cresceu 20%, passando de 155,3 mil filiados para 186,6 mil, enquanto a Rede cresceu 41%, passando de 23,4 mil filiados para 33,2 mil.

O PSL, apesar do desembarque de Bolsonaro, foi um dos partidos que mais cresceu desde o início de 2020. De janeiro a agosto, ganhou 88,9 mil filiados. É quase o triplo de pessoas que tiveram a assinatura validada para a criação do partido Aliança pelo Brasil até o final de setembro (foram 32,9 mil assinaturas). Uma das possíveis explicações para essa migração é o fato de que o PSL é o segundo partido com maior volume de recursos recebidos do Fundo Eleitoral – terá R$ 199 milhões para gastar nas eleições deste ano.

O MDB foi o partido que mais perdeu filiados nos últimos anos. Vem perdendo desde 2017, mas a queda se acentuou no ano passado. De abril de 2019 a abril de 2020, o partido perdeu 229,3 mil filiados – quantidade suficiente para lotar três estádios do Maracanã.

O Novo é, proporcionalmente, o partido político com o menor número de mulheres entre seus filiados. De cada 100 filiados ao partido, só 21 são mulheres. Mesmo no segundo partido com menor participação de mulheres, o PSL, essa proporção já é muito maior: são 35 mulheres a cada 100 filiados.

O MDB é atualmente o partido mais idoso do Brasil. A cada 10 filiados, 4 têm 60 anos de idade ou mais. No extremo oposto da pirâmide etária está a Unidade Popular (UP), partido criado no final do ano passado – a cada 10 filiados à UP, só 1 tem 60 anos ou mais.

A cada 100 eleitores filiados ao PT, 13 têm sobrenome Silva, um dos mais comuns do Brasil. No Partido Novo, essa proporção é bem menor: só 5 a cada 100 filiados são Silva.

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí

Plínio Lopes (siga @Plluis no Twitter)

Repórter freelancer, trabalhou na Agência Lupa e é especializado em jornalismo de dados e fact-checking

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Nome aos números

No dia em que o Brasil ultrapassa a marca de 500 mil mortos pela Covid-19, um pouco da história de 133 deles

Doria x Ciro, o duelo pelo terceiro lugar

O que funciona ou não nas estratégias de quem se vende como “alternativo”

Um país que vai ficando sem ar

Confira o ritmo das 500 mil mortes pela Covid-19 no Brasil

Séculos de escuridão nas Forças Armadas

Se uma mesma pessoa pedisse acesso a todos os documentos desclassificados pelo Exército desde 2013, levaria 695 anos para receber todas as respostas

Cinco anos para protestos de junho de 2013, sigilo eterno para a exportação de armas

Documentos com informações sobre junho de 2013 ficaram ocultos até 2018; dados sobre armas vendidas ao Zimbábue permanecem sob sigilo industrial

A história do coveiro filósofo

Sepultador narra de que forma a filosofia alemã o ajuda a enfrentar os horrores da pandemia, como tirar o caixão de um filho das mãos da mãe ou enterrar doze pessoas no mesmo dia

Foro de Teresina #155: O apagão de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quinze anos de sigilo sobre “reunião da boiada” e cinco anos para relatórios do Ministério da Justiça sobre rolezinhos

Monitoramento de rolezinhos de jovens mereceu segredo por cinco anos; vídeo da reunião ministerial de abril de 2020, pelo triplo desse tempo

Candidato a animador

A não candidatura que promoveu Luciano Huck das tardes de sábado para as de domingo na Globo

Foro de Teresina ao vivo

Podcast de política da piauí terá edição especial em vídeo

Mais textos