Igualdades

A debandada da Ford

Marcos Amorozo, Lianne Ceará e Renata Buono
18jan2021_12h26

A Ford durou 101 anos no Brasil. Foi a primeira fábrica de automóveis a se instalar por aqui, em 1919, e na semana passada anunciou o encerramento de todas as suas operações no país. Com isso, estima-se que, dos 6 mil funcionários que atualmente trabalham na Ford, 5 mil devem ser demitidos até o fim do ano. A empresa americana tinha linhas de montagem na Bahia, no Ceará e em São Paulo. Numa tacada só, deve cortar mais vagas de emprego do que todas aquelas que foram cortadas pelas montadoras de carro no Brasil em 2020. Ao todo, de janeiro a novembro do ano passado, o setor extinguiu 4,3 mil empregos – consequência da crise que se abateu sobre toda a indústria na pandemia. A produção de carros em 2020 foi um terço menor do que no ano anterior, assim como a exportação de veículos e autopeças. O =igualdades desta semana dimensiona o impacto da saída da Ford do Brasil.

Na última semana, a Ford anunciou o fim de suas operações no Brasil e, com isso, a demissão de cerca de 5 mil funcionários. É um número maior do que o de empregos que foram cortados por todas as montadoras do setor entre janeiro e novembro de 2020. Ao todo, foram extintas 4,3 mil vagas, segundo os dados do Caged.

De janeiro a novembro de 2020, considerando o saldo de demissões e admissões, os bancos comerciais extinguiram 10,3 mil empregos no Brasil. Isso corresponde a pouco mais que o dobro do que a Ford deve demitir até o final de janeiro (5 mil funcionários), após anunciar o fechamento de todas as suas fábricas no país. 

A Volkswagen, fabricante de automóveis alemã e concorrente da Ford, emprega 15 mil pessoas em suas unidades no Brasil.  A americana Ford possuía cerca de 6 mil empregados diretamente em suas fábricas.

Para cada funcionário da Ford, existem outros 19 funcionários das demais montadoras no Brasil. A companhia americana tinha aproximadamente 6 mil funcionários no fim de 2020, dos quais 5 mil devem ser demitidos; o setor tem 114,5 mil empregados no país. 

O número de demissões da Ford é mais que o dobro da quantidade de servidores comissionados no Ministério da Saúde, segundo dados de dezembro de 2019. Enquanto a Ford deve demitir 5 mil funcionários até o encerramento das atividades nas fábricas brasileiras, a pasta da Saúde possui 2,2 mil comissionados.

A exportação de carros e autopeças no Brasil caiu mais de 30% em um ano. Em 2020, o país arrecadou 6,7 bilhões de dólares com o envio de automóveis para o exterior; em 2019, foram arrecadados 9,7 bilhões de dólares.

 

Acompanhando a desaceleração da economia em 2020, a fabricação de automóveis foi um terço menor que em 2019. No ano passado, a indústria automotiva entregou 2 milhões de carros no mercado nacional; em 2019, foram 2,9 milhões de carros

 

Fontes: Ford, Anfavea, Volkswagen, Caged, Comex – Ministério da Economia.

Marcos Amorozo (siga @marcosamrz no Twitter)

Estagiário de jornalismo na piauí, é estudante da Universidade de Brasília (UnB)

Lianne Ceará (siga @lianneceara no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Infelizes como nunca

Pesquisa mostra que o brasileiro jamais se sentiu tão infeliz como na pandemia – e que o país é desigual até na infelicidade

Cinco anos para proteger dados sobre manutenção de veículos da Marinha e pesquisas aeroespaciais

Marinha mantém em sigilo por cinco anos documentos sobre veículos – mesmo tempo pelo qual a Agência Espacial Brasileira (AEB) oculta pesquisas sobre foguetes

Mais médicos mal formados

Em duas décadas, Brasil abriu 247 cursos de medicina – uns de excelência e outros onde falta de tudo, de microscópio a paciente para o aluno aprender procedimentos complexos

Até cem anos de sigilo para vacina de Bolsonaro e 41 para documentos americanos sobre ditadura no Brasil

Carteira de vacinação do presidente ficará em sigilo por até cem anos; papéis americanos sobre ditadura brasileira foram mantidos ocultos por 41 anos e 11 meses

Sangue e audiência

Plataformas de streaming apostam em crimes de repercussão nacional e, após sucesso de O Caso Evandro no Globoplay, Netflix responde com série documental sobre Elize Matsunaga

Atraso e confusão na segunda dose da vacina

Promessa de acelerar calendário de vacinação terá de concluir imunização de quem parou na primeira dose – pelo menos 1 milhão de pessoas em apenas oito estados do país

Até cem anos de proteção a Pazuello e cinco para quem denunciou milícia no Rio

Justificativa foi de que documentos continham informação pessoal; o de Pazuello ganhou sigilo de um século, e as cartas, de cinco anos

Mais textos