Igualdades

A debandada da Ford

Marcos Amorozo, Lianne Ceará e Renata Buono
18jan2021_12h26

A Ford durou 101 anos no Brasil. Foi a primeira fábrica de automóveis a se instalar por aqui, em 1919, e na semana passada anunciou o encerramento de todas as suas operações no país. Com isso, estima-se que, dos 6 mil funcionários que atualmente trabalham na Ford, 5 mil devem ser demitidos até o fim do ano. A empresa americana tinha linhas de montagem na Bahia, no Ceará e em São Paulo. Numa tacada só, deve cortar mais vagas de emprego do que todas aquelas que foram cortadas pelas montadoras de carro no Brasil em 2020. Ao todo, de janeiro a novembro do ano passado, o setor extinguiu 4,3 mil empregos – consequência da crise que se abateu sobre toda a indústria na pandemia. A produção de carros em 2020 foi um terço menor do que no ano anterior, assim como a exportação de veículos e autopeças. O =igualdades desta semana dimensiona o impacto da saída da Ford do Brasil.

Na última semana, a Ford anunciou o fim de suas operações no Brasil e, com isso, a demissão de cerca de 5 mil funcionários. É um número maior do que o de empregos que foram cortados por todas as montadoras do setor entre janeiro e novembro de 2020. Ao todo, foram extintas 4,3 mil vagas, segundo os dados do Caged.

De janeiro a novembro de 2020, considerando o saldo de demissões e admissões, os bancos comerciais extinguiram 10,3 mil empregos no Brasil. Isso corresponde a pouco mais que o dobro do que a Ford deve demitir até o final de janeiro (5 mil funcionários), após anunciar o fechamento de todas as suas fábricas no país. 

A Volkswagen, fabricante de automóveis alemã e concorrente da Ford, emprega 15 mil pessoas em suas unidades no Brasil.  A americana Ford possuía cerca de 6 mil empregados diretamente em suas fábricas.

Para cada funcionário da Ford, existem outros 19 funcionários das demais montadoras no Brasil. A companhia americana tinha aproximadamente 6 mil funcionários no fim de 2020, dos quais 5 mil devem ser demitidos; o setor tem 114,5 mil empregados no país. 

O número de demissões da Ford é mais que o dobro da quantidade de servidores comissionados no Ministério da Saúde, segundo dados de dezembro de 2019. Enquanto a Ford deve demitir 5 mil funcionários até o encerramento das atividades nas fábricas brasileiras, a pasta da Saúde possui 2,2 mil comissionados.

A exportação de carros e autopeças no Brasil caiu mais de 30% em um ano. Em 2020, o país arrecadou 6,7 bilhões de dólares com o envio de automóveis para o exterior; em 2019, foram arrecadados 9,7 bilhões de dólares.

 

Acompanhando a desaceleração da economia em 2020, a fabricação de automóveis foi um terço menor que em 2019. No ano passado, a indústria automotiva entregou 2 milhões de carros no mercado nacional; em 2019, foram 2,9 milhões de carros

 

Fontes: Ford, Anfavea, Volkswagen, Caged, Comex – Ministério da Economia.



Marcos Amorozo (siga @marcosamrz no Twitter)

Estagiário de jornalismo na piauí, é estudante da Universidade de Brasília (UnB)

Lianne Ceará (siga @lianneceara no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje