Igualdades

É de matar

Luigi Mazza e Renata Buono
06maio2019_09h55

Para um brasileiro, a chance de morrer num tropeço, escorregão ou passo em falso é quatro vezes maior que a chance de morrer de dengue. E o perigo é crescente: esse tipo de morte mais que triplicou entre 2007 e 2017. O =igualdades desta semana é sobre mortes incomuns – que, entre raios, fogos de artifício e picadas de aranha, tiraram a vida de mais de 31 mil brasileiros nesse período.

Entre 2007 e 2017, mais de 12 mil brasileiros morreram ao tropeçar, escorregar ou pisar em falso – número igual à soma das mortes causadas por dengue, leptospirose e esquistossomose nesse mesmo período.

Em 2017, 360 brasileiros morreram caindo da cama. É um número quase igual ao de mulheres que morreram vítimas de úlcera no duodeno (362).

No Brasil, é 4 vezes mais provável que alguém morra caindo de uma árvore do que picado por aranha venenosa ou escorpião. A cada ano, 172 brasileiros morrem ao cair de árvores, enquanto 38 morrem devido ao contato com esse tipo de aracnídeo.

Por ano, 12 brasileiros morrem em acidentes envolvendo fogos de artifício. Isso é o quádruplo de mortes causadas pelo vírus da raiva (3 por ano).

Para cada pessoa que morre vítima de vacina (são 2 por ano) no Brasil, há 13 que morrem vítimas da febre amarela (são 27 por ano).

Por ano, 11 brasileiros morrem ao cair quando estão sendo carregados por outras pessoas. O número é semelhante ao de pessoas que morrem atingidas por equipamentos esportivos, como bolas, bastões e discos de hóquei (são 9 por ano).

A cada brasileiro que morre em decorrência de cirurgia para amputação de pênis, há 19 que morrem vítimas de raios.

Fonte: DataSUS.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí e produtor da rádio piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

As salgaterias do sertão

Migrantes aprendem a fazer salgados em São Paulo, voltam para o interior da Paraíba e viram empreendedores locais 

Domingo carioca com astronauta na Lua

Como o Rio viu do MAM, entre futebol, ansiedade e vaias, o pouso da Apollo 11 em solo lunar

Foro de Teresina #60: A canetada de Toffoli, a chapa de Eduardo e o cachê de Dallagnol

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Estou me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar – descobrindo o desconhecido

Os desencontros entre o documentarista e seus personagens

Zero Três vira o Zero Um entre Bolsonaros 

Eduardo é nome preferido do pai para embaixada em Washington, no lugar de diplomata mais ligado ao grupo de Flavio e a olavistas

Boatos sobre políticas públicas serão o foco da nova edição do projeto Comprova

Iniciativa, no ar a partir de hoje, conta com a participação da piauí e de mais 23 veículos de todo o país

Falta de verbas e governo Bolsonaro ameaçam legado do SUS

Cientistas projetam piora de indicadores de saúde pública caso haja estagnação dos recursos para a área

Foro de Teresina #59: A popularidade de Bolsonaro, o Congresso após a Previdência e o espólio de Moro

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

As salgaterias do sertão

Migrantes aprendem a fazer salgados em São Paulo, voltam para o interior da Paraíba e viram empreendedores locais 

2

Zero Três vira o Zero Um entre Bolsonaros 

Eduardo é nome preferido do pai para embaixada em Washington, no lugar de diplomata mais ligado ao grupo de Flavio e a olavistas

4

Domingo carioca com astronauta na Lua

Como o Rio viu do MAM, entre futebol, ansiedade e vaias, o pouso da Apollo 11 em solo lunar

5

O pranto dos livros

Texto de 17 de janeiro de 1997, extraído de um dos quase cem cadernos deixados pelo autor de Formação da Literatura Brasileira

7

O corpo crítico

Por que me rebelei contra o sistema médico-hospitalar

8

Foro de Teresina #60: A canetada de Toffoli, a chapa de Eduardo e o cachê de Dallagnol

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Jeitinho sobre rodas

O bolsonarismo e o trânsito