questões da política

Entre os mais ricos, Bolsonaro lidera corrida presidencial

Está no Datafolha: entre os que têm renda familiar mensal superior a 10 salários mínimos (apenas 5% da população do país), Bolsonaro chega a 23% das intenções de votos

Fernando de Barros e Silva
18abr2016_01h46

Primeiro, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) parabenizou Eduardo Cunha pela condução exemplar dos trabalhos. Depois, antes de votar a favor do impeachment, homenageou a memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o torturador que chefiou o DOI-Codi, cuja figura se confunde com o capítulo mais sórdido da ditadura militar. Apesar da concorrência de tantos canastrões fervorosos a discursar na Câmara, ninguém conseguiria ser mais boçal. O troféu da abjeção é de Bolsonaro.

Sim, conhece-se o personagem. Tão espantosa quanto o que ele é capaz de dizer talvez seja a sua projeção pública crescente. Tome-se o Datafolha realizado este mês sobre a sucessão presidencial de 2018. Em todos os quatro cenários pesquisados, Bolsonaro aparece em quarto lugar, oscilando entre 6% e 8% das intenções de voto, ao lado de Ciro Gomes (PDT). Está atrás de Marina e Lula (empatados na liderança) e do candidato tucano (Aécio, Serra ou Alckmin).  Um político abertamente fascista com 8% das preferências para a Presidência da República não é trivial, mas custa acreditar que ele possa ir muito além disso.

Passou despercebido, no entanto, o dado verdadeiramente chocante da pesquisa. Foi o cientista político André Singer quem me alertou para o fato de que Jair Bolsonaro hoje é o candidato preferido da parcela mais rica do país. Sim. Está no Datafolha: entre os que têm renda familiar mensal superior a 10 salários mínimos (apenas 5% da população do país), Bolsonaro lidera a corrida presidencial.  Num dos cenários, chega a ter 23% das preferências dos eleitores mais aquinhoados. Lula, o segundo colocado nessa faixa de renda, tem 13% dos votos. Na outra ponta da pirâmide social, entre os que ganham até dois salários mínimos, Bolsonaro tem 4% dos votos. O contraste entre a aceitação de Bolsonaro na elite econômica e no povão dá o que pensar – além de ser um soco no estômago (para usar uma imagem que deve agradar aos eleitores do deputado) dos que gostam de dizer que pobre é massa de manobra e não sabe votar.

No quarto cenário pesquisado, quando o Datafolha inclui o nome de Sergio Moro entre os presidenciáveis, Bolsonaro ainda assim mantém a dianteira, com 15% entre os mais ricos (contra 13% do juiz).

Observando-se o recorte dos níveis de escolaridade, Bolsonaro figura em segundo lugar entre os que têm curso superior, com 15% das intenções de voto. Está à frente de qualquer dos nomes tucanos e atrás apenas de Marina.

Tudo isso é evidentemente um retrato do momento. De um péssimo momento. É também um sintoma do caldo de cultura que está ganhando corpo no país. Jair Bolsonaro é hoje o presidenciável preferido de parte expressiva da elite brasileira – apenas isso. Como disse Eduardo Cunha ao votar: “que Deus tenha misericórdia dessa nação”.

Fernando de Barros e Silva (siga @fernandobarros no Twitter)

Repórter da piauí e apresentador do Foro de Teresina. Foi diretor de redação da revista entre 2011 e 2020

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

6

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

9

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo