questões da política

Entre os mais ricos, Bolsonaro lidera corrida presidencial

Está no Datafolha: entre os que têm renda familiar mensal superior a 10 salários mínimos (apenas 5% da população do país), Bolsonaro chega a 23% das intenções de votos

Fernando de Barros e Silva
18abr2016_01h46

Primeiro, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) parabenizou Eduardo Cunha pela condução exemplar dos trabalhos. Depois, antes de votar a favor do impeachment, homenageou a memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o torturador que chefiou o DOI-Codi, cuja figura se confunde com o capítulo mais sórdido da ditadura militar. Apesar da concorrência de tantos canastrões fervorosos a discursar na Câmara, ninguém conseguiria ser mais boçal. O troféu da abjeção é de Bolsonaro.

Sim, conhece-se o personagem. Tão espantosa quanto o que ele é capaz de dizer talvez seja a sua projeção pública crescente. Tome-se o Datafolha realizado este mês sobre a sucessão presidencial de 2018. Em todos os quatro cenários pesquisados, Bolsonaro aparece em quarto lugar, oscilando entre 6% e 8% das intenções de voto, ao lado de Ciro Gomes (PDT). Está atrás de Marina e Lula (empatados na liderança) e do candidato tucano (Aécio, Serra ou Alckmin).  Um político abertamente fascista com 8% das preferências para a Presidência da República não é trivial, mas custa acreditar que ele possa ir muito além disso.

Passou despercebido, no entanto, o dado verdadeiramente chocante da pesquisa. Foi o cientista político André Singer quem me alertou para o fato de que Jair Bolsonaro hoje é o candidato preferido da parcela mais rica do país. Sim. Está no Datafolha: entre os que têm renda familiar mensal superior a 10 salários mínimos (apenas 5% da população do país), Bolsonaro lidera a corrida presidencial.  Num dos cenários, chega a ter 23% das preferências dos eleitores mais aquinhoados. Lula, o segundo colocado nessa faixa de renda, tem 13% dos votos. Na outra ponta da pirâmide social, entre os que ganham até dois salários mínimos, Bolsonaro tem 4% dos votos. O contraste entre a aceitação de Bolsonaro na elite econômica e no povão dá o que pensar – além de ser um soco no estômago (para usar uma imagem que deve agradar aos eleitores do deputado) dos que gostam de dizer que pobre é massa de manobra e não sabe votar.

No quarto cenário pesquisado, quando o Datafolha inclui o nome de Sergio Moro entre os presidenciáveis, Bolsonaro ainda assim mantém a dianteira, com 15% entre os mais ricos (contra 13% do juiz).

Observando-se o recorte dos níveis de escolaridade, Bolsonaro figura em segundo lugar entre os que têm curso superior, com 15% das intenções de voto. Está à frente de qualquer dos nomes tucanos e atrás apenas de Marina.

Tudo isso é evidentemente um retrato do momento. De um péssimo momento. É também um sintoma do caldo de cultura que está ganhando corpo no país. Jair Bolsonaro é hoje o presidenciável preferido de parte expressiva da elite brasileira – apenas isso. Como disse Eduardo Cunha ao votar: “que Deus tenha misericórdia dessa nação”.

Fernando de Barros e Silva (siga @fernandobarros no Twitter)

Diretor de redação da piauí desde janeiro de 2012, é autor de Chico Buarque (2004), da PubliFolha

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor