questões cinematográficas

Eu Não Sou Seu Negro – a jornada de James Baldwin

A péssima impressão causada por O Jovem Karl Marx terá deixado em estado de alerta quem não assistiu antes a Eu Não Sou Seu Negro, atento à apelação demagógica que parecia ser um traço emblemático do diretor Raoul Peck

Eduardo Escorel
02mar2017_16h22
James Baldwin
James Baldwin FOTO: ALLAN WARREN

Quem por ventura assistiu a O jovem Karl Marx (2017) antes de ver Eu Não Sou Seu Negro (2016), invertendo a sequência cronológica em que os dois filmes dirigidos por Raoul Peck foram realizados, certamente estranhou os cantos generalizados da crítica em louvor de Eu Não Sou Seu Negro.

Exibido fora de competição na mostra Berlinale Especial do Festival de Berlim concluído em meado de fevereiro, O Jovem Karl Marx é uma versão biográfica edulcorada do período que vai de 1844, quando Marx conhece Friedrich Engels, até as revoluções européias de 1848 contra os regimes monárquicos.

Depois de ter assistido a Eu Não Sou Seu Negro, documentário sobre James Baldwin que estreou no Rio em 16 de fevereiro, a estranheza pelos encômios ao filme deve ter sido substituída pela dificuldade de entender como o mesmo diretor foi capaz de realizar dois filmes seguidos tão díspares – o primeiro com inegáveis méritos, o outro um rotundo equívoco.

Houve quem escrevesse que Eu Não Sou Seu Negro “altera a vida” do espectador e que “seria difícil encontrar um filme que fala ao momento atual com maior clareza e força, insistindo em verdades desconfortáveis e tirando lições duras das sombras da história”. (A.O.Scott, “‘I Am Not Your Negro’ Will Make You Rethink Race”, The New York Times, 2/2/2017. Disponível aqui.)

Depois de assistir a O Jovem Karl Marx em Berlim, outro crítico escreveu que é um “filme biográfico honroso, concebido impecavelmente e realizado de forma clássica […] – mas, tenho que dizer, não muito cativante. […] Sem saber que é dirigido por Raoul Peck, O Jovem Karl Marx pareceria um filme sofrível de Merchant e Ivory de 1993. É atencioso, mas é também superficial e respeitoso, além de cometer o pecado dos velhos filmes biográficos: transforma o herói em um santo de gesso.” (Owen Gleiberman, “Berlin Film Review: ‘The Young Karl Marx’, Variety, 13/2/2017. Disponível aqui).

<i>O Jovem Karl Marx</i>
O Jovem Karl Marx
Para quem não sabe, o produtor Ismael Merchant e o diretor James Ivory, mencionados na crítica de Gleiberman, realizaram inúmeros filmes de época nas décadas de 1980 e 1990, a maioria adaptações literárias. Em 1993, produziram Vestígios do Dia (The Remains of the Day), adaptação do romance de Kazuo Ishiguro.

O roteiro de O Jovem Karl Marx é de autoria de Peck e Pascal Bonitzer, antigo crítico da revista Cahiers du cinéma. Bonitzer é roteirista, diretor e professor. Foi ele quem fez a adaptação do livro de Michel Foucault, Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão: um caso de parricídio no século XIX (1976), dirigida por René Allio – créditos respeitáveis que permitiriam antever algo melhor do que esse O Jovem Karl Marx.

Além do roteiro, a direção, cenografia, figurinos etc. adoçam de tal maneira a narrativa de O Jovem Karl Marx que a tornam enjoativa. Sem resquício de pudor, Peck abre o filme com desvalidos na floresta sendo massacrados por cavaleiros que avançam em câmera lenta, sequência que parece pilhada de alguma versão banal da história de Robin Hood. Após 112’ de mulheres lindas, homens elegantes, operários – homens, mulheres e crianças – majestosos, figurinos impecáveis e personagens rasos, O Jovem Karl Marx é coroado com um final aberrante – ouve-se Bob Dylan em off cantando Like a Rolling Stone, inicialmente sobre fundo preto seguido de um clip feito com imagens de Patrice Lumumba, Che Guevara e outros.

Marx não merecia ser maltratado dessa forma. Baldwin teve melhor sorte.

A péssima impressão causada por O Jovem Karl Marx terá deixado em estado de alerta quem não assistiu antes a Eu Não Sou Seu Negro, atento à apelação demagógica que parecia ser um traço emblemático de Peck. No caso do documentário sobre Baldwin, porém, apesar de não faltarem esquematismos, dois grandes acertos asseguram a dignidade do filme, dando-lhe interesse e força.

Ainda mais feliz do que o farto uso de um vasto acervo de imagens de entrevistas e palestras do próprio Baldwin, no qual o escritor demonstra seu grande talento de orador e mímico, recorrendo para expressar seu pensamento, além da palavra, a um rico arsenal de gestos e olhares – ainda mais feliz é Peck dar voz ao escritor através de seus próprios textos lidos em voz off, especialmente o inacabado Remember this house, que seria uma história da América através das vidas de Martin Luther King, Jr. (1929-1968), o ativista dos direitos civis Medgar Evers (1925-1963), e Malcolm X (1925-1965), todos amigos de Baldwin, os três assassinados antes de completar 40 anos.

Prejudicado por sua vocação panfletária, presente na reiterada justaposição de imagens de impacto e nos grafismos, Peck não consegue tirar partido completo do tesouro que tinha nas mãos – um ensaio histórico inacabado sobre três vidas inacabadas e, ainda por cima, um personagem trágico, como Baldwin, que logo no início do filme deixa claro “não ter muita esperança” de que as relações raciais nos Estados Unidos pudessem melhorar.

O livro inacabado que Baldwin estava escrevendo no verão de 1979 foi definido por ele mesmo como uma jornada, assim chamada “por que você não pode saber o que você descobrirá na jornada, o que você fará, o que encontrará, ou como o que encontrar afetará você”. Peck, ao contrário, parece saber de antemão aonde pretende ir e como chegar, banalizando de saída o material com o qual está lidando.

Baldwin pertence à categoria humana dos sobreviventes, definida por Primo Levi em Os afogados e os sobreviventes – sobreviventes não são “os melhores, os predestinados ao bem, os portadores de uma mensagem: […]”. Sobrevivem “os piores, isto é, os mais adaptados; todos os melhores, morrem”.

Baldwin (1924-1987) viveu cerca de 20 anos a mais do que Luther King Jr., Evers e Malcolm X. Morou na França a partir de 1948 e morreu em Saint-Paul de Vence. Teria culpa de estar vivo no lugar dos seus três companheiros de geração assassinados? Eu Não Sou Seu Negro passa ao largo dessa indagação.



Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

A Copa industrializada

Revendo algumas imagens, graças ao santo youtube, é fácil notar que a Copa de 66, na Inglaterra, teve um jeitão todo inglês. A de 70, no México, foi mexicana até o último burrito. O raciocínio parece óbvio, mas ele melhora se pegarmos as copas disputadas neste século: todas foram iguais, sem qualquer sabor local. Por incrível que pareça, conseguiram fazer uma Copa na África idêntica a uma Copa na Alemanha. A Fifa acha isso bom. Eu acho péssimo.

6

Touchdowns no ABC

A batalha de São Bernardo Cougars contra Sorocaba Vipers

7

Princesa Kate: “Edison Lobão foi minha desgraça.” 

PALÁCIO DE BUCKINGHAM – Aos prantos, três horas após aceitar como seu legítimo esposo William Arthur Philip Louis, duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão ao trono britânico, Kate Middleton confessou ao pai: “Amo Edison Lobão.” A notícia, não confirmada pela Casa de Windsor, causou perplexidade no Reino Unido e já é considerada a pior crise da monarquia desde a renúncia de Eduardo VIII, em 1936.

8

Furo: a exemplo de falso fotógrafo exposto pela BBC, famoso blogueiro também copiava textos

A história era de grudar os olhos na tela: um blogueiro brasileiro se lançara às principais zonas de guerra do Brasil, entre elas Brasília, São Bernardo do Campo, Guarujá e Atibaia, para registrar o sofrimento humano

10

Chico Buarque é visto vendendo miçanga na praia para sobreviver

LEBLON - O fim do Ministério da Cultura fez com que artistas consagrados finalmente começassem a trabalhar.