Igualdades

A evolução da epidemia no Brasil

Plínio Lopes, Luiza Ferraz e Renata Buono
30mar2020_12h18

O Brasil tinha, até domingo, 4,3 mil casos confirmados de Covid-19 e 136 mortes. São Paulo e Rio de Janeiro registram o maior número de casos, mas, considerando a população, Distrito Federal, Acre e Ceará têm as maiores taxas de infecção. Em 2020, as internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), uma das complicações do coronavírus, quase triplicaram em relação a 2019 e chegaram a 11,3 mil. Só 620 tiveram diagnóstico positivo para o novo coronavírus – o que pode indicar subnotificação da doença. O =igualdades dessa semana faz um retrato do novo coronavírus no Brasil.

A curva italiana de crescimento de casos da Covid-19 é semelhante à brasileira. A Itália ultrapassou a marca dos mil casos no dia 29/02, registrando 1.128 infectados e 29 mortes. Um dia depois, eram 1.694 casos com 34 mortes e, no dia seguinte, 2.036 casos com 52 mortes. No dia 21/03, o Brasil registrou 1.194 casos e 18 mortes. Um dia depois, tinha 1.593 casos e 25 mortes. No dia seguinte, 1.958 casos, com 34 mortes. Cinco dias depois do milésimo caso, a Itália tinha 3.858 infectados e 148 mortes; o Brasil, 2.989 casos e 77 mortes.

Vinte e cinco dias depois, em 25 de março, a Itália somava 74 mil casos e 7,5 mil mortos. Quantos casos e mortes terá o Brasil em 15 de abril?

Os idosos formam o principal grupo de risco da Covid-19. No Brasil, 10 a cada 100 habitantes têm mais de 65 anos. Do total de mortos até 29 de março, 79 a cada 100 tinham mais de 65 anos.



São Paulo tem o maior número total de infectados pelo novo coronavírus (1.451), seguido por Rio de Janeiro (600), Ceará (359), Distrito Federal (289) e Minas Gerais (231).

Proporcionalmente à população de cada estado, porém, o ranking muda. O Distrito Federal tem 96 casos a cada 1 milhão de habitantes, seguido pelo Ceará (39), pelo Acre (39), pelo Rio de Janeiro (35) e pelo Amazonas (34). São Paulo (32) aparece em sexto lugar.

Em todo território brasileiro, 136 pessoas morreram de Covid-19 até 29 de março, e 79% delas tinham mais de 65 anos. A idade média dos mortos varia de um estado para outro. Em São Paulo, a média é 76 anos. No Rio de Janeiro, é 67. A pessoa mais jovem a morrer, aos 26 anos, e a mais velha, aos 98, eram de São Paulo. 

As internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), uma das manifestações graves da Covid-19, dispararam nos primeiros meses deste ano se comparadas ao mesmo período do ano passado. Até 29 de fevereiro, o número de hospitalizações pela síndrome respiratória era similar em 2019 e 2020. Em março, ocorre uma explosão semana a semana, e o mês termina com 11,3 mil internações em 2020 contra 4 mil em 2019.

Em março deste ano, eram esperadas cerca de 4 mil internações por síndrome respiratória grave, como em 2019. Mas 11,3 mil pessoas foram internadas. Dessas, 620 receberam o diagnóstico positivo para Covid-19. As outras 6,7 mil pessoas representam uma possível subnotificação para o novo coronavírus.

Fontes: Ministério da Saúde da Itália; Ministério da Saúde da Espanha; Universidade John Hopkins; Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China; Projeto Covid-19 do Brasil.IO; Covid Tracking Project; Secretarias Estaduais de Saúde de todas as unidades da federação.

Plínio Lopes (siga @Plluis no Twitter)

Repórter freelancer, trabalhou na Agência Lupa e é especializado em jornalismo de dados e fact-checking

Luiza Ferraz (siga @lz_ferraz no Twitter)

Estagiária de jornalismo na piauí

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Desemprego e incerteza na vida após a Ford

Em Camaçari, na Bahia, fechamento da fábrica de carros impacta todo o mercado de trabalho – de motoristas de ônibus até babás

Bananofobia

Por que os Estados Unidos têm tanto medo de virar uma república de bananas?

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

3

“8 ½” – “O salto mortal de Fellini”

Escrito ao longo de onze anos e mantido inédito até ser incluído em “Exercícios de leitura”, o ensaio de Gilda de Mello e Souza “O salto mortal de Fellini”, relido depois da revisão de “8 1/2”, revela acuidade crítica incomum.

4

As búlgaras estão com tudo

Nada a ver com a sucessão de Lula

6

Padre Cícero sem perdão

A luta de um bispo para reabilitar o mais venerado líder religioso do Nordeste

8

Os cabelos do bigode do Imperador

A correspondência amorosa mais famosa do Brasil talvez seja aquela formada pelas cartas trocadas de 1822 a 1829 entre o Imperador D. Pedro I e sua amante, Domitilia de Castro Canto e Mello, elevada por ele ao titulo de Marquesa de Santos em 1826. Infelizmente, das prováveis centenas de cartas escritas pela Marquesa apenas um punhado foi conservado nos arquivos imperiais. Por sorte, quase todas as cartas do Imperador foram guardadas pela Marquesa, apesar dos pedidos de D. Pedro para que as destruísse. Todas estão hoje publicadas (94 das quais no ano passado), totalizando mais de trezentas.

9

Na montanha-russa do século

Paradoxos do progresso em Corumbá aos olhos de um intelectual refugiado do nazismo

10

Vidas literárias: Tolstói

A espantosa história de Tolstói, que cai em depressão ao constatar que é milionário