rádio piauí

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

22jan2021_10h40
ILUSTRAÇÃO: CARVALL
ILUSTRAÇÃO: CARVALL

O Foro de Teresina discute a escassez de vacinas no Brasil, as possibilidades do impeachment de Bolsonaro e o que a posse de Joe Biden representa para o governo brasileiro.

Bloco 1: Tem, mas acabou
O país finalmente começou a vacinar contra a Covid, mas o número de doses não basta nem para vacinar o grupo prioritário do plano de imunização. O Brasil agora depende da China para conseguir insumos que permitam continuar a produção nacional de vacinas.

Bloco 2: O impeachment na praça outra vez
O drama de Manaus e o fiasco das vacinas trazem o impeachment de volta ao debate público, enquanto Bolsonaro vê sua popularidade cair um pouco mais. As eleições no Congresso e a degradação da economia podem definir o futuro do presidente.

Bloco 3: Cachorro sem dono
Trump sai do poder e Joe Biden toma posse como presidente dos Estados Unidos, o que deve agravar o isolamento do Brasil na política internacional, com consequências para a economia.

> Links citados neste episódio:

O depoimento da epidemiologista Margareth Dalcomo sobre a escassez de vacinas no Brasil;  

A reportagem do New York Times sobre como as variantes do coronavírus podem trazer desafios para as vacinas; 

A reportagem de Malu Gaspar e Thais Bilenky para o site da piauí sobre a inclusão de médicos veterinários no grupo prioritário da vacina;

O editorial do Estadão sobre os crimes de responsabilidade de Bolsonaro;

A sessão =igualdades do site da piauí, que dimensiona o impacto da saída da Ford do Brasil;

A pesquisa do PoderData com os índices de popularidade do governo Bolsonaro.

*

O Foro de Teresina tem novos episódios sempre às sextas, a partir das 11 horas. Você encontra o podcast em tocadores como Spotify e Apple Podcasts buscando pelo nome do programa ou pode acessar a página do Foro no site da piauí. Toda semana, lançamos no YouTube o Foro Privilegiado, com os bastidores do episódio da semana. 

>Ficha técnica:
Apresentação: Fernando de Barros e Silva, José Roberto de Toledo, Thais Bilenky e Bernardo Esteves
Coordenação geral: Paula Scarpin
Direção: Luigi Mazza
Edição: Évelin Argenta e Tiago Picado
Produção: Mari Faria e Marcos Amorozo
Apoio de produção: Clara Rellstab, Vitor Hugo Brandalise, Renan Sukevicius e Claudia Holanda
Produção musical, finalização e mixagem: João Jabace
Música tema: Wânya Sales e Beto Boreno
Identidade visual: João Brizzi
Ilustração: Carvall
Teaser (Foro Privilegiado): Mari Faria
Distribuição: Marcos Amorozo
Coordenação digital: Kellen Moraes e Juliana Jaeger
Checagem: Plínio Lopes

Para falar com a equipe: forodeteresina@revistapiaui.com.br

 



mais rádio piauí

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas...

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder...

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e...

Foro de Teresina #138: Mais armas, menos vacinas

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #137: Pós-Lava Jato, pré-Arenão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #136: Todo poder ao Arenão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #135: Vacina pouca, meu braço primeiro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje