colunistas

General não obedece capitão

O pito público de Bolsonaro em Mourão e o candidaturicídio

José Roberto de Toledo
27set2018_16h58

Esta coluna precisou ser reescrita. Se não justifica, ao menos explica o atraso de sua publicação. Mudei o tema hoje, quinta-feira, após o general Mourão ter sido desautorizado pelo capitão Bolsonaro, pela enésima vez. Em palestra, o vice da chapa líder nas pesquisas chamou o 13º salário de jabuticaba, algo que só existe no Brasil. Viralizou. Bolsonaro respondeu via Twitter. Escreveu que o 13º é cláusula pétrea, que quem o critica ofende o trabalhador e confessa desconhecimento da Constituição.

Estivessem ambos na ativa, Bolsonaro seria preso por quebra de hierarquia (isso apenas em tese, já que o comandante do Exército fez considerações políticas extemporâneas e nada lhe aconteceu). Estando os dois reformados e na mesma chapa eleitoral, virou quizumba – não entre petistas e antipetistas, mas, desta vez, dentro das tropas virtuais bolsonaristas. “Manda o Mourão calar a boca” foi um dos comentários mais polidos. Lembram o desfecho do jogo entre Palmeiras e Cruzeiro na semifinal da Copa do Brasil.

Não foi só mais um desentendimento. Desta vez, Bolsonaro e Mourão detonaram o mais retumbante entre os muitos conflitos internos que autossabotam a campanha brancaleônica do PSL. O potencial de estrago é multiplicado por cem. Não só ocorre a dez dias do primeiro turno, como coloca na roda um assunto que é tabu para qualquer pessoa que depende de votos para conquistar um cargo majoritário no Brasil. Questionar o 13º não é desafiar o politicamente correto, é tentativa de candidaturicídio.

Se há 63 milhões de brasileiros com nome sujo no SPC, se mais de 40 milhões dependem do Bolsa Família, há pelo menos 33 milhões de carteiras de trabalho assinadas e que dão direito às jabuticabas das quais Mourão reclamou: 13º salário e adicional de férias. A plateia de empresários que o escutou em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, pode vibrar, mas empregadores são apenas 3% do eleitorado. Entre aposentados, assalariados, servidores públicos e desempregados que procuram emprego, estão a maioria absoluta de eleitores que têm ou gostariam de ter 13º. Uns 80 milhões de votos – fora milhões de dependentes econômicos deles.

Bolsonaro, que há décadas depende de votos para manter o emprego, sabe disso. Mourão não. Até o ano passado, o general podia falar quase que impunemente aos soldados que comandava. Apenas nos últimos meses de carreira, depois de exagerar na verborragia, foi promovido a comandar uma escrivaninha.

Se foi uma punição, Mourão não aprendeu com ela. Acha que falar a verdade – a sua verdade, é claro – é mais importante do que as eventuais consequências. Antes do mais recente e potencialmente fatídico episódio de piriri verbal, Mourão já havia sido admoestado duas vezes por Bolsonaro por falar demais. Contou ao repórter Fabio Victor, da piauí, que o capitão pedira que se calasse. Como ficou provado, as admoestações não serviram para nada. O general se encantou com a atenção recebida como vice. Depois que o titular ficou confinado ao hospital, chegou a propor que substituísse Bolsonaro nos debates e sabatinas.

A quizumba prova o óbvio: general não obedece a capitão.

Bolsonaro pode desautorizá-lo em público, pode tentar cancelar a agenda pública de Mourão, mas nada indica que vai conseguir domar seu vice. O general gosta de ter o chicote na mão, não no lombo. Na viagem pelo pampa gaúcho, o vice saudou o público brandindo um rebenque. Difícil imaginá-lo se submetendo ao freio de um subordinado que não quis ou não conseguiu chegar à sua patente como militar – mesmo que o subordinado venha a se eleger presidente e se torne seu superior hierárquico constitucional.

O próprio Bolsonaro deixou subentendido em seu tuíte que quem não respeita suas cláusulas pétreas não respeita a Constituição. Se isso vale para as que tratam de direitos trabalhistas, tem que valer também para outros artigos, parágrafos e incisos. Como o que afirma que a República brasileira rege-se pela prevalência dos direitos humanos, pela defesa da paz e pela solução pacífica dos conflitos – nas relações internacionais, mas não só nelas. Ou a que prevê que o objetivo da República é “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade”.

Diante das divergências explícitas de Bolsonaro e Mourão, o debate mais importante a esta altura – da campanha para esclarecer o eleitor sobre as diferenças entre candidatos – não é entre adversários de chapa, mas entre o titular e seu vice. Para deixar claro de uma vez por todas quais cláusulas constitucionais valeriam ou não em um governo da dupla. Seria muito mais eficaz do que qualquer manifesto que a campanha bolsonarista venha a lançar – claro, na hipótese de eles superarem suas divergências internas sobre isso também.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Mais textos de José Roberto de Toledo

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

Super Moro 2022

Ao nomear juiz para ministério, Bolsonaro controla a própria sucessão

Contadores de votos

Uma história do Ibope, da miséria dourada à venda bilionária

Deu no celular

Fim do lulismo, campanha via smartphone e a era da desinformação

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

Os reacionários

A guerra para pegar a última onda e ganhar a eleição

Veja os últimos resultados de Datafolha e Ibope

Acompanhe a atualização diária das pesquisas eleitorais

Um protesto histórico, menos na tevê

Ao reunir dezenas de milhares, #EleNão provoca maior manifestação liderada só por mulheres no Brasil mas é quase ignorado na tevê

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Mais textos